A interactividade da Colheita63 em movimento contínuo para todo o Mundo e especialmente para Lisboa , Tomar , Monte Estoril , Linda-a-Velha , Setúbal , Coimbra , Porto , VNGaia , Braga , VNFamalicão , Santo Tirso , Afife , Vila Real , Vinhais , Bragança , Castelo Branco , Seia , Vendas Novas , Varsenare e Aveiro

sexta-feira, novembro 30, 2007

Migrei...

Pois é!
Migrei do todo poderoso Windows do Bill "portas", para o mundo livre do Linux.
Uso o Mandriva que é amigável, bonito, seguro, estável e gratuito!

Grandes Batalhas da História Universal (12)

INGLATERRA - 1940



Hugh Dowing - Hermann Goering




Adolf Hitler sempre sonhou com a invasão da Inglaterra e o seu posterior domínio. Sob o Alto Comando de Goering, em Julho de 1940, os alemães decidiram iniciar os raides ás ilhas britânicas, para atingirem tal finalidade.
Os alvos predilectos foram as cidades e por maioria da razão a sua capital Londres, esteve sob fogo durante 57 noites consecutivas.
Não obstante os estragos materiais e psicológicos provocados, a defesa a cargo de Dowding, com potentes radares e os seus esquadrôes da RAF ( Royal Air Force ), revelou-se superior e em apenas três meses a Batalha de Inglaterra ficou decidida.

quarta-feira, novembro 28, 2007

Coimbra , Menina e Moça...

Vou-me ausentar uns dias , desta vez para recarregar baterias ,vou-me encontrar com as minhas filhas , com os meus amigos e ver o Benfica-Porto. Para aqueles que não podem ou não querem estar no n/almoço do 1º de Dezembro deixo esta mão cheia de belíssimas músicas de Coimbra que concerteza os fará recordar velhos tempos...

Dicas na Internet

Para os que gostam de saber mais ...

O PODER DA MEMÓRIA

"Os que esquecem o passado estão condenados a repeti-lo" George Santayana

A memória, a falta ou o excesso de memória, motivaram, no sábado, uma intervenção de Mário Bettencourt Resendes, no DN, e uma afirmação da historiadora Irene Flunser Pimentel, na revista Única, do Expresso. No dia seguinte, domingo, também no DN, Mário Soares, em entrevista a João Marcelino e José Fragoso, reverte, igualmente, para a memória histórica. De um modo ou de outro, qualquer deles alude ao silêncio que envolve muitos dos factos determinantes do nosso destino ou que marcaram datas da nossa época. E os três sugerem que essa ausência de memória acaba por ser factor de desumanização. O que Kierkegaard designou de "o passado presente" deixou de constituir a reserva ética da Imprensa. Na sociedade, o exercício de recordação passou a ser um incómodo, para não dizer uma maçada. Na política, o apagamento da memória associa-se à carência de moral e corresponde à estratégia do "pragmatismo", eufemismo inesgotável das traições mais vis.
Irene Flunser Pimentel, autora de A História da PIDE, propõe uma tese, consignada nesta afirmação: "Acho que durante algum tempo, em Portugal, até por razões de pacificação a seguir ao PREC, acabou por cair-se numa espécie de esquecimento, o que fez com que algumas pessoas tivessem excesso de memória por estarem sempre a viver no passado." Há quem saúda os erros com aplausos. Neste caso, creio que a pressa em "pacificar" o País originou amolgadelas na própria recepção do ideal democrático, afinal "servido" por gente que nada tinha a ver com os fundamentos desses ideais.
Em nome dos interesses e das necessidades do momento, o projecto político saído do 25 de Abril morreu 19 meses depois. Os episódios de "reabilitação" que se lhe seguiram comportam muito de abjecto. E não esqueço as responsabilidades incumbentes a jornalistas estipendiados. Encontram-se todos muito bem na vida. Foi num governo do dr. Cavaco que a viúva de Salgueiro Maia viu recusada uma pensão. O mesmo governo atribuiu-a a torcionários da PIDE, por "distintos serviços prestados à pátria". George Steiner: "O irreparável é a coisa dita. Poderemos imaginar que a contradição mereça a absolvição? Nem por um segundo." A prática democrática não é, somente, a procura do justo equilíbrio entre as partes. É, antes de tudo, uma questão ideológica.
Quando Mário Soares repete o que tem vindo a dizer: "Gostaria que o PS se voltasse um bocadinho para a Esquerda", ele sabe, muitíssimo bem, que a viragem é impossível com esta gente. Ela não se nutre na moral, despreza a ética, tripudia sobre a ideologia, está ferida de autoritarismo grosseiro. Sobretudo, não tem memória e combate quem a ilumina.Ter memória e defender o seu património é extremamente perigoso.

O PODER DA MEMÓRIA por Baptista-Bastos escritor e jornalista no DN de hoje

Ora aqui está um artigo que gostava de ter escrito, mas falta-me o engenho e arte , por isso recorro à sua reprodução

terça-feira, novembro 27, 2007

Reflexões 2....

A desmaterialização chegou para ficar, quer seja no âmbito do papel , dos discos , das comunicações , dos livros etc. etc…
Neste sentido hoje lembrei-me dos meus discos em vinil ( poucos e não muito bons ) que jazem num fundo duma prateleira ,firmes e hirtos , como que à espera que alguém se lembre deles!!! Qual quê , hoje existe tudo à distância dum clique , é só pensar numa música , viajar na internet e já está . Penso , logo tenho.
No meu tempo e enquanto residente em Bragança, não tinha nenhum nem conhecia muita música , nem muita gente que os tivesse. Não havia televisão nem rádio na maior parte das casas , e a música que passava era altamente controlada e também não havia outras fontes de informação.
Os discos parece-me que só havia á venda no Sr. Ribeiro da Philips e era tudo daquela música , Madalena Iglésias e Cª.
Depois com o surto dos Beatles , a abertura de novos horizontes e outras janelas de informação lá fui conhecendo outras músicas e outras formas , como os cartuchos , as cassetes os CDs, DVDs e MP3 e 4 …
A mudança tem sido tão rápida que acredito que as próximas gerações nunca saberão o que é um disco de vinil(LP), os cartuchos , as cassetes e até os CDs e com este progressivo desaparecimento ,perde-se o gosto militante pelo objecto físico do disco que caracterizou a minha geração. É por isso que quando olho para eles ( discos) os aprecio muito e de vez em quando ( como é o caso neste momento )ponho-os no velhinho gira-discos a tocar, este é dos Beatles.
É um facto que a massificação da cultura digital está a fulminar o gosto pelos objectos culturais , mas é um sinal inexorável dos tempos das novas tecnologias ….

domingo, novembro 25, 2007

Reflexões...

Em continuação do meu último post sob o título " Razão dum Blogue", tenho-me questionado várias vezes porque é que ninguém da Colheita63(C63) teve qualquer papel relevante fora da sua profissão, na vida da sua cidade natal ou de residência , da sua região ou do seu País, ou seja , porque nunca foram escolhidos para Presidentes de Câmara ou para Deputados.

Mais de 90% frequentaram as Universidades e Academias Militares e a grande maioria , senão a totalidade , concluiu com êxito os seus cursos , foram todos profissionais excelentes.
Com cultura geral acima da média , viveram na ditadura , atravessaram o Maio de 68 , a guerra colonial , o 25 de Abril , o Gonçalvismo e por fim a Democracia. Aliado a isto tudo, uma honestidade geral incólume , amplamente testada e sempre com muito êxito. Que mais era preciso ?
Todos nós em geral e o País em particular tinha ficado muito mais rico e então porque sentistes o Não à v/participação ?

Eu que vos conheço , penso que será porque tendes além daquilo tudo atrás referido, a independência de pensamento que move montanhas e nunca se deixará amarrar....., mas foi pena .

sexta-feira, novembro 23, 2007

CRÓNICA DE SEXTA-FEIRA (40ª)

"Agredir os atletas"

O tema da crónica desta semana pode não interessar às Senhoras leitoras, contudo penso que o desporto-rei, o futebol, está a aliciar as mentes femininas, e, como é a primeira vez que me vou pronunciar sobre a Selecção, estou confiante que as “ladies” se vão interessar com os temas a abordar.
Em primeiro lugar, congratulei-me na quarta-feira pela qualificação para o Euro2008, a realizar-se na Áustria e Suíça, apesar de honestamente vibrar com maior exuberância e tenacidade quando joga o meu Benfica. A grande inovação desta partida foi a estreia do luso-brasileiro Pepe, defesa-central do clube espanhol Real Madrid. Bom, sobre a questão da utilização de mais um brasileiro naturalizado na Selecção, penso que é uma matéria inquestionável na medida em que é legalmente português com os seus respectivos direitos, liberdades e garantias. Aliás, já tive a oportunidade de estudar a Lei da Nacionalidade (LN). O problema estrutural repousa no seguinte pressuposto: se realmente é muito talentoso e dotado de uma competitividade e qualidade intocável, porque é que nunca foi convocado para a Selecção do Brasil? Aliás, já houve defesas-centrais brasileiros, a jogar em Portugal, que já foram convocados para a selecção canarinha. Assim podemos concluir que, as qualidades inerentes ao atleta Luisão, defesa-central do Glorioso, são efectivamente superiores ao do luso-brasileiro. Não é supreendente.
Em segundo lugar, a atitude dos adeptos no Estádio do Dragão, em clara inconformidade com o espírito costumeiro do povo português.
Em terceiro lugar, Scolari redimiu-se do seu comportamento refractário, contudo espero que mo próximo campeonato europeu o nosso seleccionador abandone as suas claras tendências sócratistas: teimosia e irrealismo.
Em suma, no Euro2008 os portugueses vão apoiar os atletas, e o seleccionador não vai “agredir os atletas, vai defender os atletas”.

By Afonso Leitão

Razão para um blogue ...

O nosso 1º de Dezembro ( 1962 ) foi fantástico em todos os aspectos, cada um relembrará os seus à sua maneira e no próximo dia 1 em Lisboa será mais um marco dos ns/Encontros e posso garantir-vos desde já algumas surpresas, que julgo eu , irão ser muito apreciadas.
A razão do blogue :
" Ao fim de muitos anos sem se verem, cada um embrenhado na sua vida profissional e familiar, a Colheita63 encontrou-se e surpreendeu-se ao sentir entre si uma comunhão de sentimentos, uma força aglomeradora que já vinha de longe, de um passado em comum. Algures, há anos e durante alguns anos, as suas vidas tinham-se cruzado e , ainda hoje, esse passado os marcava e , de alguma forma, os unia. Conversaram, querendo absorver o tempo que os tinha separado, lembraram os ausentes e sentiram necessidade de voltar a ver todos. Mais de 41 anos tinham passado em que cada um tinha seguido o seu caminho , tinha crescido e dado frutos".

quinta-feira, novembro 22, 2007

O buraco do ....Ozono - 2

Inverno!
E uma escapadela ao Central para ver os craques no bilhar?!Passear a zero graus!Resguardarmo-nos nas "cavernas" propiciadas pelas montras da Casa das Malhas e outras similares! Acompanhar os progressos nos esquis do Dionísio e seus ensaios nos declives dos lameiros lá para as Cantarias(!) que hoje são cidade. Os pés gelados nas botas batendo contra o empedrado. E em casa a braseira, uma bebida quente, uma alheira ao esticar do braço...

Só coisas boas que a memória selecciona , um luxo a que nos podemos entregar .A neve. O grande nevão que caiu no último ano .As mãos geladas, antes de escaldarem!

O Forte de S.João Baptista de Ajudá e a India abatidos à carga :era inverno cá!

O buraco do ozono onde me levou!...é danado mesmo!


MC disse...

O buraco do ....Ozono

Quem me dera no tempo em que as estações do ano estavam bem definidas no conteúdo e no tempo : Primavera , Verão , Outono e Inverno.
Sempre gostei mais da Primavera , nem frio nem calor , as flores a despontar, a natureza muito mais bonita e o regresso das andorinhas.Depois o Verão calor, muito calor , quem nos safava era o Sabôr. A seguir o Outono , o desfolhar das árvores , o princípio das aulas e por fim o Inverno , frio à fartazana acolitado com o vento agreste da Sanabria e a neve de quem o nosso Niso muito gostava e gosta . (à boa costa grande ...)

Mas o que o eu gostava mesmo no Inverno , era sair de casa à noite para o Flórida debaixo daquela chuva molha -tolos adensada por uma neblina qb. Gostava mesmo...

Agora temos a primavera/verão , estação única que começa para meados de Fevereiro e a presente Outono/Inverno na qual há poucos dias havia dias de praia e agora já muito frio.

O que mais nos irá acontecer...

quarta-feira, novembro 21, 2007

Há 1 ano o que se escrevia...

Cheira mesmo muito a 1º de Dezembro.
É a primeira vez que o recordamos juntos, graças às novas tecnologias e ao elevado espírito Colheita63 que espontâneamente brotou após o nosso 1º encontro em Anadia, passados 43 anos....
Seria espontâneo ou estava adormecido ? Eu acho que estava adormecido e é o corolário daquele ano ter sido um ano excepcional em todos os aspectos . Dávamo-nos quase todos bem , entreajudava-nos muito, não havendo qualquer sinal de concorrência ou inveja e por fim, foi dos poucos anos ou se calhar o único em que ninguém chumbou.
Além disso, mais de 90% concluíram as suas licenciaturas e progrediram nas suas vidas e os que não as frequentaram tiveram êxito nas suas profissões.
Viva o 1º de Dezembro
Viva a Colheita63

terça-feira, novembro 20, 2007

Por qué no te callas ...

Ontem à noite na RTP1 passou o programa prós e contras baseado quase a 100% na dissecação da célebre frase do Rei de Espanha " por qué no te callas".
O que ali se passou de mais significativo para mim foi a breve disputa entre os dois jornalistas espanhóis presentes , quando um deles à falta de mais argumentos acusou o outro de , pelo menos devia mostrar-se espanhol e defender o seu País em vez atacar o seu Rei...
Mas em frases curtas são os espanhóis célebres,pois já o Franco ( faz hoje anos que morreu) quando em Abril de 1974, foi informado da revolução portuguesa e do perigo de aquilo ir demasiado longe, exclamou: "No lo crea, los portugueses son muy cobardes".
Gastar mais palavras para quê.....

segunda-feira, novembro 19, 2007

Grandes Batalhas da História Universal (11)

SARAJEVO - 1995


Alija Izetbegovic - Radovan Karadzic


A Europa descobriu, de forma violenta, que a guerra não era um fenómeno só reservado a outras paragens na última década do século XX.
O triste estatuto de cidade mártir, poderá ser reclamado por Sarajevo, como nenhuma outra das atingidas pela Guerra Civil Jugoslava.
Após a Bósnia-Herzegovina ter declarado unilateralmente, a independência em 1992, Karadzic e os bósnios sérvios, mantiveram durante 3 anos o cerco à sua capital, bombardearam-na com frequência e mantiveram em operações, nas suas principais artérias franco-atiradores, o que tornaram num inferno viver naquelas circunstâncias.
Apesar de todo o sofrimento e atrocidades, os bósnios muçulmanos, dirigidos por Izetbegovic, conseguiram resistir com determinação, mantendo intactos os seus desejos.

Cartões ... 1


A outra é sobre os cartões de crédito/débito :


Somos o País da CE que mais usa os ditos Cartões e o n/endividamento familiar é consequência disso. Em Portugal dá-se ( vende-se ) um cartão de crédito sem qualquer critério creditício , nomeadamente os Cartões Dourados , que são aqueles que têm maior palfond , indo o seu pagamento até prestações mensais de 5% ou menos ( conforme o choradinho ...) mas com juros altíssimos que chegam a rondar os 30% ao ano . Bom negócio , não achais ?

Na minha opinião o critério devia ser mais apertado e na grande maioria das situações um Cartão Visa de Débito chega perfeitamente para quem quer e deseja gerir o seu orçamento familiar com parcimónia.
Assim não vamos a lado nenhum e não sairemos da cêpa torta ...

Cartões...


Duas notícias da semana passada sobre cartões , chamaram a minha atenção :

Uma anunciando o fim do Cartão de Eleitor e que a partir das próximas eleições, em 2009, o novo sistema já deverá estar em vigor, bastando apenas a apresentação do BI mas só no local da sua residência. O objectivo é implementar o recenseamento automático quando os cidadãos completam 18 anos de idade e a par desta alteração ser criado o «voto em mobilidade» (voto electrónico) que permitirá aos eleitores exercer o seu direito de voto em qualquer mesa de voto do país.

Não irão faltar os “Velhos do Restelo” ou os “Auto Intitulados Detentores de Toda a Seriedade” deitar já abaixo a ideia , senão vejamos :

Os portugueses são muito ingénuos! Querem poder votar onde estiverem a passar férias, não é? Não querem ir à terrinha votar, não é? Pois com o voto electrónico a democracia acabou , meus amigos. ACABOU! Ninguém vai poder escrutinar o voto electrónico como se escrutina um voto em papel. Querem saber uma coisa muito gira? Isto é só para verem como o voto em papel tem deficiências - e o voto electrónico então... Vários amigos meus ligados a partidos fazem questão em insistir comigo por altura das eleições e dizem-me sempre: NUNCA VOTES EM BRANCO! E porquê? Porque um boletim em branco pode sempre ser aproveitado para alguém lá pôr uma cruz! Estes casos já aconteceram. Nunca votem em branco. Votem num partido ou votem nulo, nunca em branco!!!

Este é o n/retrato em tudo e assim não vamos a lado nenhum…


Continua com a outra notícia...

domingo, novembro 18, 2007

Allassores...

O nosso colheiteiro que esteve nos ALLSSORES, não contou tudo.
Não mandou este vídeo, que de facto é imperdível.
É o chamado english pimba, que os súbditos de Sua Majestade por muito dotados que sejam para a música (vide Beatles, etc.,etc.,etc., ...) não conseguem fazer nem que os façam "sares"!!!
By Jorge Tomé

sábado, novembro 17, 2007

Chorus Auris de Ourém

(Devido às más condições de audição retiro esta actuação e fico a aguardar que a Rosa dos Ventos me envie o vídeo ...)

sexta-feira, novembro 16, 2007

Nem mais!

Vale a pena ler todo o post, que põe no devido lugar a pseudocoragem do rei espanhol no episódio chileno do Alberto João venezuelano:www.ruitavares.weblog.com.pt

Chávez chama “fascista” a Aznar (...) de forma repetitiva e sem a mínima consideração pelo significado das palavras. Reagindo a isso, Zapatero pediu respeito pelo seu antecessor e pelo povo que o elegeu. Mas foi talvez outra coisa que fez dele, naquele momento, um campeão da democracia: ter exigido respeito pelas palavras, que são os alicerces do debate honesto. Aznar não é um “fascista”. Nem a um adversário se devem distorcer as palavras. “Fascista” não significa dirigente eleito de que Chávez não goste, tal como “ditador” não significa dirigente eleito de que Helena Matos(v. Público) não gosta. Leio a resposta de Zapatero assim: sobretudo a um adversário não se devem distorcer as palavras.

Juan Carlos não discursou defendendo a democracia ou as liberdades. Limitou-se a mandar calar. Eu, que antes de ser de esquerda sou anti-autoritário, sinto-me distante de quem manda calar e não entro em êxtase quando vejo alguém mandar calar. Nem que toda a gente à minha volta aplauda. Sobretudo quando toda a gente à minha volta aplaude.

Às vezes digo-me até que a grande diferença, antes de ser entre esquerda e direita, é entre quem gosta de deixar falar e quem gosta de mandar calar. Há gente de esquerda que gosta de mandar calar — Chávez é um bom exemplo — e também gente que gosta de ver mandar calar, por interposta pessoa, enquanto é de esquerda ou quando passou a ser de direita. Não estava com eles antes, não estou com eles agora.

Para ser completamente sincero, eu entendo a satisfação de obedecer a um impulso muito humano. Mandar calar é coisa que alivia. E depois? Como visão política, é curto. A realidade não obedece às nossas birras. O populista Chávez ficou justamente diminuído quando Zapatero o acusou de não saber respeitar o povo. Mas lamento dar esta notícia: Chávez não desapareceu por Juan Carlos lhe ter mandado que se calasse.

Tempos de Bibe - Bragança

Falhada a tentativa de manter um colégio em Vinhais, meus pais regressaram a Bragança, e no início do ano lectivo de 53/54 comecei a 2.a classe na escola do Asilo. Asilo-Escola de S. Francisco, assim se chamava a instituição que, naquele tempo, surpreendentemente abria (ou era obrigada a abrir?...) as portas da sua escola primária a meninas não "asiladas". Asiladas...era assim que as pobres meninas pobres eram chamadas por nós, pela professora, pela cidade inteira. Tenho na memória a imagem daqueles rostinhos cinzentos, daqueles vestidinhos pardos, daqueles casaquinhos de fioco, daquelas mãozinhas vermelhas de frio, gretadas de frieiras, que antes de a aula começar já tinham feito as camas, o café, as limpezas, já tinham puxado o brilho à cera nos corredores, na capela, nas camaratas. As freiras da congregação preparavam-nas para serem boas criadas de servir.
Na aula, a D. Pilar, fisicamente um armário, temperamentalmente uma fera (a Blá, que também lá andou, deve-se lembrar), encarregava-se de sublinhar as diferenças ao grito e à reguada. Ainda hoje me interrogo como pude presenciar tanto sofrimento sem sofrer. Crueldade de criança? Defesa contra a dor? Não chego a uma conclusão, mas o que é certo é que nunca me esqueci delas. E dos saraus que faziam, um ou dois por ano, em que recitavam, dançavam, cantavam temas doloridos de pobreza, abandono e redenção. Que destino terá sido o dessas mulheres "que nunca foram meninas"?
Para chegar à escola, atravessava a cidade - do fundo do Tombeirinho quase até S. Sebastião - e tinha frequentemente a "companhia" indesejada dos rapazinhos da Escola de S. Sebastião. Eram infernais e eu odiava-os! Metiam-se comigo, tentavam passar-me rasteiras, puxavam-me as tranças. Meninos colheiteiros, explicai-me porque é que os rapazes eram (são...) tão brutinhos. Quero mesmo entender porque faziam aquelas patifarias?! O que me valia era a pontaria a atirar pedras, e a fazer girar a pasta dos livros até dar na cabeça do "meliante" mais à mão (uma vez até parti a pedra!)...
Havia dois que não me faziam mal: o Pássaro e o Baptista (filho dos donos da Pensão Cepeda). Talvez por serem meus vizinhos. Mas eu detestava-os na mesma: ficavam de longe a olhar para mim, a falar e a sorrir com um ar escarninho. Que raiva!!! Que diabo estariam aqueles a comentar?! A fazer troça, de certeza. Menina sofre!
(continua...eventualmente)

Tempos de Bibe - Vinhais



A Escola da n/Teresinha das tranças , quando estava em Vinhais..

By Jorge Tomé

Apontamentos duma viagem...

Embora esta minha viagem nada tivesse de turismo ainda foi dando para , nos intervalos tirar umas fotos a factos ou coisas que me tivessem despertado a atenção.
Não tive tempo para visitar monumentos históricos ou museus, mas apenas aquilo com que me ía deparando.
Assim a 1ª imagem é relativa a um bar de tapas em Donostia (S.Sebastião) cujo facto relevante é o facto do barman deitar o vinho para um copo de mais de 1 metro de altura , não deitando qualquer gota fora nem olhando para o copo.

A 2ª imagem representa a Tramontana ( força interior caraterística da Catalunha ) que ficava mesmo em frente do meu Hotel , na cidade de Iruña ( Pamplona) .
Além disso fiquei muito sensibilizado com a simpatia , urbanidade e ordem que vi naquele povo Basco ( Vasco) e admirado com o facto de tudo estar escrito nas 2 línguas em vigôr , Espanhol e Basco . Quanto à comida, má e muito cara ....

Merecidíssimo...


Mão amiga e colheiteira63( Jorge Tomé ) fez-me chegar esta notícia muito agradável e demonstrativa do agradecimento duma cidade a um médico e pessoa exemplar , o n/Outro Colheiteiro63 Arnaldo marido da nossa GB.
Muitos parabéns de toda a Colheita63.
Aquando da m/última estadia em Bragança fui encontrar um Tio meu ( o único vivo e com mais de 90 anos ) muito triste, perguntei-lhe qual a razão e ele disse-me que estava muito preocupado pois não tinha ido ao jantar do Dr. Arnaldo. Lamentava-se que não tinha sabido do mesmo e que estava em grande falta. Sosseguei-o , disse-lhe que nesse dia me ía encontrar com ele e que lhe daria a devida justificação , tendo ficado mais descansado....
Que bem que está a n/G.B. na foto , não achais ?
Para a ver em ponto grande é só fazer um duplo clique sobre a mesma .

CRÓNICA DE SEXTA-FEIRA (38ª)

Igualdade?
O artigo 13.º da Constituição da República Portuguesa (CRP) remete-nos para o princípio iluminista da igualdade, e diz-nos:
“1. Todos os cidadãos têm a mesma dignidade social e são iguais perante a lei.”;
“2. Ninguém pode ser privilegiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual.”
Este artigo constitucional tem como principais referências: (i) as Constituições portuguesas anteriores (Const. 1822; Carta Const. De 1826; Const.1838; Const. 1911; Const. 1933); (ii) Direito Internacional (DUDH – Declaração Universal do Direitos do Homem; PIDCP – Pacto Internacional dos Direitos Civis e Políticos; PIDESC – Pacto Internacional dos Direitos Económicos, Sociais e Culturais; e outras Convenções e Protocolos para combater as desigualdades sociais); (iii) Direito Europeu; (iv) Direito Nacional.
Esta teoria constitucional reflecte uma aparente imagem idílica e utópica do Estado de Direito Democrático em Portugal. Não é?
Mas, na terça-feira, dia 13 de Novembro, ao ler o jornal gratuito “Global” deparei-me com a seguinte notícia: “O presidente da Associação de Munícipes e da Câmara de Viseu, Fernando Ruas foi interceptado pela PSP numa operação stop na cidade e está a ser informado pelos jornalistas de que excedia os limites de velocidade. Os agentes não lhe pediram os documentos do carro que conduzia e muito menos lhe referiram qualquer infracção”.
Conclusão: haverá Direito para repelir tais corrupções e desigualdades por razões de ordem política e piramidal?

By Afonso Leitão

terça-feira, novembro 13, 2007

Por Terras Bascas....

Kaixo !!
Gaur Euskalherrian bakarrik zvei esateko, dena oso ondo dago.
Eskerrik asko etortzeagatik.
Olá!!
Hoje, por terras bascas é só para vos dizer que está tudo bem.
Obrigado pela v/visita

segunda-feira, novembro 12, 2007

Grandes Batalhas da História Universal (10)

MIDWAY - 1942

Chester Nimitz - Isoroku Yamamoto

Tendo como palco o Pacífico, no decurso da II Guerra Mundial, a Batalha de Midway pode ser considerado o ponto de viragem no conflito.
Os americanos sob o Comando de Nimitz, repeliram o ataque japonês, que havia sido pacientemente planeado por Yamamoto, tendo em vista a queda de toda a Ásia, sob o controlo dos japoneses.
A manifesta superioridade aero-naval que o país do sol nascente detinha naquela região, desde Pearl Harbour, inverteu-se, após haverem sido sepultados nas águas circundantes da mítica ilha, 4 porta aviões e 332 aviões japoneses.

Por terras de Bragança, Vinhais e Alcañices...

** *Há cerca de dez dias alguns "colheiteiros" encontraram-se em Bragança.
Nestes dias marcados por momentos de reflexão e saudade e também por agradáveis sinais pelo reencontro, lá estivemos não no café Flórida porque se encontrava encerrado, mas no Chave D' Ouro onde tomámos a bica e pusemos a "escrita em dia".
Enquanto desfiávamos recordações e trocávamos impressões sobre a actualidade, o caríssimo Helder ocupava-se " telemovelmente " a convidar os "colheiteiros" Bartolomeu e Manuel Carvalho para comparecerem, mas para desgosto nosso, tal não veio a acontecer por impossibilidade dos mesmos.
Enquanto íamos " contando e recontando as últimas " entravam no café conhecidos e velhos amigos entre os quais destaco o Júlio Santos acompanhado da esposa e dos filhos. Lembram-se do Júlio "sabicha" de Izeda e da Pureza,sua esposa? Não fossem os cabelos um pouco encanecidos diria que continuavam na mesma, isto é, com óptimo aspecto. Gostámos de os rever e de tagarelar um pouco sobre " tantas coisas e coisa nenhuma, como é costume nestas ocasiões!".
À hora da despedida, os " colheiteiros " presentes - Teresinha Pires, LenaPires, Helder, eu e Noémia - rumaram até à pacata vila de Vinhais ( e digo pacata por ter adormecido um pouco no tempo ) com o intuito de conhecermos o célebre assador de castanhas ( ver fotos ) que acabara de entrar para o Guiness e, também, a feira de artesanato a decorrer num Pavilhão, mesmo ao lado.Em Vinhais juntaram-se a nós a Gélica e marido, o Isaías e Bibi e o JorgeTomé que nos foi servindo de anfitrião e guia.Comidas as castanhas assadas e visitado o Pavilhão, por volta das 18 horas,já noite, e porque não encontrámos disponibilidade em restaurante local,regressámos a Bragança, sem o Jorge Tomé, que não pôde acompanhar-nos.Políticos...são assim... sempre com muitos afazeres. Perdoem a brincadeira!
Depois de algumas hesitações sobre o local a eleger para jantar,decidimo-nos pelo restaurante "Ruca", nas imediações de Bragança, em Gimonde, para onde nos dirigimos depois de termos deixado a Teresinha Pires,que regressava ao Porto. Jantar muito animado, servido de carnes variadas no churrasco acompanhadas de bebida à altura. Tudo estava a contento e, ainda mais, com os agradáveis encontros que ali fomos tendo com amigos do nosso tempo de Liceu. Lá apareceram: o Chiote, os irmãos Carneiro e família (para vos localizar: o mais velho Coronel e o mais novo, julgo que empresário e/ou farmacêutico???) com quem trocámos cumprimentos e saudações.Por volta da meia noite, bem dispostos por um dia bem passado e bem preenchido , ( já que o ritual da visita aos locais–memória dos parentes que já partiram fora cumprido, da parte da manhã, e à tarde e noite, o convívio e confraternização entre amigos), cada um se dirigiu para os locais habituais onde a " voz dos anjinhos nos sussurrava: "Vamos dormir!…Vamos dormir!… e amanhã veremos…etc.,etc…"No dia seguinte, depois do almoço, fomos tomar a bica ao café Flórida ( só já estávamos quatro - Gélica, Lena Pires, Noémia e eu próprio) onde tivemos uma agradável surpresa com a chegada de outra "colheiteira" e seu marido.Sabem quem? A Teresa Pereira. Conversa em dia, cavaqueira agradável até à hora em que os nossos recém-chegados amigos tiveram que partir.Mas nós não ficámos por aqui. Era ainda bastante cedo! Metemo-nos noautomóvel e fomos relembrar velhos tempos! Tempos de meninos, aqueles tempos em que os nossos pais nos levavam até Alcañices para comprar guloseimas - os célebres caramelos espanhóis! Lembram-se?
Acho que isto passou por todos e julgo que ninguém terá esquecido os festejos em honra daSrª da Ribeira, o atravessar da ponte e a ida até Alcañices!Nessa altura a peseta custava cerca de 40 centavos!!! Os automóveis espanhóis eram uns "chaços" à beira dos nossos.
E hoje? Como tudo é bem diferente! Como as coisas mudam! E bem!São os sinais do tempo!Já vai longa a minha pobre crónica...
Cordiais saudações!Francisco Almeida

domingo, novembro 11, 2007

1º de Dezembro

Lá estarei, dia um do doze, às treze, com as amigas e os amigos, na catedral, a festejar e a recordar!

Dia terrível!

Hoje está a ser um dia terrível!
Almoço: feijoada, um vinhito do Douro, um pudinzito, uma fatia de melão brasileiro (fracote!), café e uma aguardente velhíssima!
Lareira acesa, para inaugurar a temporada.
Resultado: ferrei uma galhada!
Custa tanto esta vida!

sexta-feira, novembro 09, 2007

CRÓNICA DE SEXTA-FEIRA (37ª)

Sócrates “limpa” Santana

Na quarta-feira, na Assembleia da República assistiu-se à maior desilusão da História política portuguesa. Pedro Santana Lopes, novo líder parlamentar do PPD/PSD, regressou à cena política de uma forma cabalmente incompetente, esbatendo consequentemente todas as esperanças de uma viragem política nos próximos tempos.
O seu regresso era aguardado com grandes expectativas e teve naturalmente uma cobertura mediática ampla, ao ponto das “galerias” do Parlamento terem estado repletas de populares. Contudo, possivelmente nem fazemos ideia da amargura que a assistência deve ter sentido quando ao fim de cinco minutos da intervenção do líder da bancada do principal partido da oposição, se constatou uma evidente inoperância de Santana Lopes em se defender das imputações directas por parte do Primeiro-Ministro (PM). Ora, se Santana quer deixar de ser o aparente “bode expiatório” da crise de consciência social-democrata, então essa “luta” não podia começar da pior maneira.
Em abono da verdade, o PM deixou transparecer no seu discurso de propaganda, por um lado, os resultados concretos alcançados pelo seu governo e as novas medidas patentes no Orçamento de Estado, e, por outro lado, uma forte carga demagógica visto estar sempre a comparar o actual momento político-económico com o tempo do governo de coligação PSD/ CDS, superintendido por Santana Lopes. Ora penso que, em relação este último ponto, o PM não deve insistir doravante na comparação com a governação ou com a situação económica e social do ano 2005, aquando da sua tomada de posse. É que caminhamos para o fim da legislatura, e a vitória de José Sócrates e do Partido Socialista começa a subordinar-se concretamente aos resultados e às consequências/ benefícios que acarretam da sua governação, e não do período “obscuro” santanista.
Bom, para concluirmos: Sócrates “limpou” Santana Lopes com grande categoria, mas não deve extremar a demagogia porque a decadência política afecta a grande maioria dos políticos, e o PM não está imune a essa praga.

By Afonso Leitão

Janelas há muitas ó ....

Um amigo meu enviou-me num email um vídeo com “Janelas de Barcelona” que realmente é muito bonito. Depois lembrei-me que em Portuga também teria que haver lindíssimas janelas. Fui à procura e encontrei esta lindeza em Tavira , que quero partilhar convosco. Tantas vezes que lá estive e nunca reparei…

Maioridade ... ou não ?

Atingiu hoje a maioridade o Fim da Guerra Fria.
Foi no dia 9 de Novembro de 1989 que se deu, na minha opinião , um dos factos mais relevantes em termos de globalização , a queda do Muro de Berlim. Parecia resultar daqui o início duma paz mundial mais consistente e duradoura , mas o que está a acontecer é uma Guerra Quente e sabe-se lá aonde irá parar, III Guerra Mundial ? Oxalá que não ....

quinta-feira, novembro 08, 2007

Monet , para o fim de tarde


Passeio virtual às pinturas de Claude Monet . Para todos os apreciadores e em especial para a nossa Lena Quintas.

Nova versão do "Milagre das Rosas"

Não resisto em partilhar com todos vós a nova e actual versão do histórico milagre das rosas, que hoje tve a satisfação de ouvir numa rádio nacional, num conceituado programa matinal.
Um pobre desgraçado, para poder comprar a sua dose diária de cocaína, assaltou durante a noite uma Loja do Benfica. Quando de manhã, com ar endorminhado e cansado se dirigia para a Feira da Ladra, com um saco às costas, foi interpelado por um polícia, na sua acção fiscalizadora àquela feira, sobre o teor do material transportado. De imediato, o pobre infeliz pousando e abrindo o saco exclamou : São rosas, meu senhor, são rosas !!!

Por Terras de Portugal...

A pedido de alguns " colheiteiros " relembro um dia bem passado em Campo de Víboras e arredores, a 26/08/2007, a convite da querida Levinda, por ocasião da festa dedicada a São Tiago. Para os que não se lembram, Campo de Víboras fica a uns 55/60 Km, de Bragança e a cerca de 10 Km, de Vimioso.
Gente afável, esta boa gente transmontana, que mal chegados à aldeia e ignorando a rua onde se situava a casa da Levinda, à nossa pergunta sobre a sua localização, prontamente se prontificou a acompanhar-nos fazendo questão de nos deixar bem juntinho da porta de entrada. Fomos presenteados com uma recepção à altura dos anfitriões que acompanhados de amigos e familiares nos receberam em clima amigo e de franca hospitalidade. Ainda deu para matar saudades do tempo de estudantes pois as recordações fluíam dentre os circunstantes, mormente, por parte da irmã sénior da nossa Levinda. Foram recordados os tempos de Liceu, daquela Bragança que todos bem conhecíamos e a Escola do Magistério Primário, frequentada por tantos dos nossos amigos!
Aproveitando a nossa presença a anfitriã e alguns dos seus convidados residentes fizeram questão em nos mostrar o que de melhor havia na sua terra. Depois da bonita Igreja Matriz, bem no centro da povoação, deambulámos por algumas das ruas da localidade que orgulhosamente nos mostravam alguns traços arquitectónicos, de tempos bem antigos e onde constatámos o saudar terno e efusivo das pessoas que connosco se íam cruzando nas ruas e caminhos. Pelo avançar da tarde, e ainda com o sol bem alto, fomos em romagem ao cemitério local onde a nossa anfitriã fez questão de nos mostrar uma grande pedra da família dos granitos ( a Gélica fará o favor de corrigir ) que para ali havia transportado com o intuito de nela inscrever, em jeito de epitáfio, o seu testemunho de homenagem e saudade dos entes queridos que haviam partido!
Não nos faltou o tempo para podermos visitar uma bela Torre de Menagem, marca defensiva da nacionalidade portucalense, o Castelo de Algoso que lá do alto do alcantilado e rochoso promontório, parecia querer gritar-nos: " eis aqui, garbosamente, um dos expoentes máximos do poder local! ".
Deste simples e belo castelo, que também serviu como habitação, de traçado rectangular e datado do séc. XIII, quando em Portugal reinava o senhor D. Sancho I, restam a Torre de Menagem, dois ou três torreões e um pequeno pátio.
Foi mandado erigir por Mendo Rufino, como fortificação militar, e como poderemos constatar nas fotos que anexo, beneficia de um belo enquadramento paisagístico!
De facto, a sua situação privilegiada, a uma altura de 681 metros, permite-nos a contemplação de magnífica panorâmica, ao longo da margem esquerda do Rio Sabor, na extremidade formada pelo Rio Angueira ( o célebre rio que já foi rico em lagostins ) e pelo Rio Maçãs.
E, para terminar o dia da melhor forma, regressámos a Campo de Víboras onde tivemos oportunidade de conviver com a população local que se amontoava num enorme terreiro onde decorria o baile ao som da música de um conjunto contratado para abrilhantar a festa.
Aí tivemos oportunidade de ver a nossa "colheiteira" Levinda que qual "woman bar" distribuía simpatia pelos seus concidadãos ao mesmo tempo que mostrava a sua destreza tirando com mestria "uns fininhos"que nos haveriam de matar a sede! Não fosse ela uma das "mordomas" da Comissão de Festas! Estamos já em final de festa. Bragança espera-nos, mas antes disso um agradável lanche em casa da Levinda na companhia de seu marido e alguns familiares. Os nossos agradecimentos a todos e muito especialmente à sobrinha da Levinda pela constante atenção e simpatia!
Ao casal Penedos, à querida Gélica que nos acompanhou ( a mim e à Noémia ), ao "colheiteiro Afonso que esteve presente e a quantos que simpaticamente trocaram palavras e simpatia connosco, o nosso sincero muito obrigado!
As fotografias, que seguem em anexo, são um contributo para o modesto relato que acabaram de ler.
Mais uma vez, obrigado pelo paciência e pelo tempo que vos roubei.
Tudo de bom para todos os " colheiteiros " familiares e amigos do Blog.
Um abraço
Francisco Almeida

quarta-feira, novembro 07, 2007

M ao quadrado...

Melancolia e Meditação são as bandeiras desta estação...

Comentário ao artigo anterior ...

Sem querer polemizar,direi que desde Abril de 74 que os que agora oferecem estudos caríssimos vêm minando as possibilidades de se criar neste país um poder político independente dos grupos económicos.
Manobrando onde é necessário e conveniente; associando -se a quem lhes possa dispensar a força que não tinham; explorando as contradições das agremiações políticas em favor dos seus próprios interesses com paciência de Job que quer voltar a ter o que já perdeu, vão ganhando grão a grão até que aparecem como beneméritos.
Nada disto é novo, muito menos em termos mundiais, mas é algo desanimador ouvir estes cantares de quem parece não ter nada a ver com o caso.
Os sucessos de uns não terão a ver com cumplicidades, actos e incapacidades de outros?


By MC.

Grandes Beneméritos...

A SANTIDADE DOS PATRIOTAS Baptista-Bastosescritor e jornalistab.bastos@netcabo.pt DN de hoje

Fiquei grandemente enternecido com o estremecimento patriótico que tem percorrido alguns bondosos agrupamentos financeiros, logo-assim ressurgiu a ideia de construção do novo aeroporto de Lisboa.
Atreita a descobrir razões e motivos para aplaudir ou excomungar, a sociedade portuguesa vai tomando confuso partido por um ou por outro dos desinteressados grupos. Acentuemos a nobreza dos pensamentos e a clara distinção dos discursos: tanto os que defendem a Ota como os que pleiteiam a causa de Alcochete são desvelados patriotas e absolutamente alheios ao feio sentimento da ganância.
No remanso agasalhante dos seus gabinetes esses homens consomem as meninges, arregimentam olheiras, arquejam de cansaço - apenas com o desígnio exaltante de se sacrificar pela pátria bem-amada.Preocupa-os a depressão que nos assola, a nós, arraia-miúda; martiriza-os a desdita do nosso destino, a deterioração da nossa qualidade de vida. Arejam os crânios com pensamentos alevantados, caucionados pelos juízos simples e pelas consciências rectas.Pouco se sabe quem são.
Dar outros nomes aos nomes apenas significa modéstia, discrição, orgulho pátrio. Ambos os grupos já gastaram rios de dinheiro em planos, estudos, esboços, gráficos, monografias, análises, testemunhos, depoimentos, exames, investigações. Desinteressadamente, como se sabe. Ambos os intervenientes conclamam: a minha proposta é melhor do que a tua. Ambos os intervenientes afirmam-se eivados de santas razões e de imaculados propósitos. São impulsionados pelo mesmo ímpeto venturoso que acumulou glórias e saudáveis episódios abençoados por todas as Virgens conhecidas.
A melodia dos desinteressados toca os corações desprevenidos. Quando se soube que o Governo pendia para a Ota, indiscutível e inexoravelmente, a especulação imobiliária foi desencadeada. Mário Lino, dramático e seguro, levemente irado, abertamente decisivo, transformou o jamais francês no estandarte de todas as vitórias. Quando foi apresentada a proposta de Alcochete, argumentativamente muito mais económica, os protestos e os apupos chegaram de alguns pontos cardiais. Mário Lino, calmo como um ser isento de maus costumes, ainda não leu o documento da CIP, diz que vai ler; ao que parece, ninguém o leu ainda.
A santidade dos indomáveis patriotas da Ota e de Alcochete, a devoção inextinguível da sua entrega, o piedoso ardor dos seus discursos, a profundidade da sua filantropia, o penoso fardo que transportam - comovem até às lágrimas.
Nunca lhes agradeceremos bastante o grande consolo que nos têm ministrado, com a galante vontade de nos servir a todos. Eles, coitados!, não querem nada. Entre a Ota e Alcochete, venha o LNEC e escolha.
Grandes beneméritos que há no n/País !!!!

segunda-feira, novembro 05, 2007

Grandes Batalhas da História Universal (9)


GOA - 1510


D.Afonso de Albuquerque - Yusuf Adil Khan



No Oriente, Goa foi a primeira cidade que esteve inteiramente sujeita à Coroa Portuguesa. Foi capturada, quase sem oposição, por D. Afonso de Albuquerque.

Contudo, volvido algum tempo, Adil Khan regressou, à frente de uma força de cerca de 60.000

mil homens e, após porfiados combates, reconquistou aquela praça forte, remetendo os portugueses para os seus navios, fundeados ao largo.

Após a retoma da iniciativa, Goa foi definitivamente conquistada no dia 25 de Novembro de 1510, depois de enfrentada desesperada resistência.


Telefonar grátis ou ... quase

¿Como puede llamar barato a cualquier país?Muy sencillo:
Paso 1. LLama al 902 995 149
Paso 2. Pulse el número 1 de su teléfono.
Paso 3. Pulse el número 00 (dos ceros) para llamadas internacionales.
Para mais informações clica no seguinte endereço e experimenta, http://www.llama-gratis.com/.
Vou experimentar e depois direi algo ...
Já experimentei e não deu nada , se calhar porque o meu fixo não é da PT , mas sim da Cabovisão. Vou tentar experimentar num da PT e voltarei à carga ..

domingo, novembro 04, 2007

As mulheres à conquista do mundo! Ainda bem...

Cristina Kirchner
Presidente da República da Argentina

Vinhais ..vista parcial

A nossa G.B. queixou-se que eu não tinha posto nenhuma foto da linda Vila de Vinhais . Esta é uma visão quem vem de ??? ou olha de ???
Mais não digo , apenas que subi aquela rua muitas vezes a pé...

Nota : agradeço a quem tiver fotos de Vinhais o favor de me enviar pois esta foi a única de jeito que obtive na Net.

sábado, novembro 03, 2007

Velhas amizades...

Tive muito prazer e orgulho em rever nesta viagem , algumas amigas e amigos de infância e do liceu que não via há muito ( Lili , Ritinha , Chiote , Telémaco e esposa , Carlos Silva , Sá Morais e claro os n/Colheiteiros ). Via-se alegria nos n/rostos .

Olhares para o meu tempo ...

O meu Liceu , visto por trás Ringue de Hóquei em Patins ( foi onde aprendi patinar , tinha 10 anos )
Busto do Abade de Baçal
Senhora da Piedade


Janela aberta ... Instantâneos

Instantâneo tirado numa das cidades em que passei . O que é e aonde foi ?
( Roubei esta ideia do blogue da n/Visitante "Rosa dos Ventos", mas muito longe do brilhantismo que ela coloca sempre na prosa )

Feira da Castanha..

Vinhais obteve o certificado de que o seu assador gigante de castanhas foi declarado como o "maior do mundo" e portanto com honras de constar no Livro dos Recordes do Guiness. Parabéns Vinhais.
E uma equipa da Colheita63 esteve presente no evento , como acima podeis ver , deliciando-se com as castanhas assadas e vinho , gratuitamente distribuídos pela organização .
Image Hosted by ImageShack.us
Estiveram presentes também os célebres Caretos de Ousilhão ( minha aldeia ) e eu e L.P. aproveitámos para tirar uma foto junto deles.

sexta-feira, novembro 02, 2007

CRÓNICA DE SEXTA-FEIRA (37ª)

Popularidade e referendo

Na semana passada conheceram-se alguns estudos de sondagens que revelavam uma situação que deve ser encarada com alguma idoneidade: o Partido Socialista (PS) e o Eng.º José Sócrates atravessam um período de grande impopularidade, e consequente queda nas intenções de votos.
Em primeiro lugar, o exercício da Presidência Europeia obstrui significativamente a política interna, sendo que a política externa e a União Europeia se assumem com maior relevo e maior preponderância. Ou seja, podemos efectivamente falar em “esquecimento temporário” dos problemas internos. Contudo, é de recordar que este fenómeno já se operou sobre Cavaco Silva e António Guterres aquando das respectivas presidência europeias.
Em segundo lugar, a crescente contestação genérica às políticas sociais e económicas de Governo e a clara insatisfação quanto à insuficiência de resultados papáveis de determinados indicadores, conduziram certamente para este resultado que começa a ser alarmante para o PS e para José Sócrates.
Todavia, se o Governo se quer deixar transparecer outra imagem, e pensando já nas legislativas de 2009, pode enveredar por algum populismo ou demagogia política. Isto é, o PS precisa de exortar as massas e produzir grandes espectáculos de propaganda de modo exaltar os seus grandes feitos nestes dois anos e meio, nomeadamente o do Tratado de Lisboa. E para isso, só com um referendo é que pode amansar esta vaga de descontentamento. Aliás existem grandes vozes do PS a reivindicar a consulta popular, como é caso de Jorge Sampaio. Por ouro lado, é de recordar que aquando do referendo da despenalização que o PS, segundo uma sondagem do DN/TSF, atingiu os 47% da intenção de voto. Sabiam desta?
Façam pela vida, mas não amplifiquem a demagogia e a insensatez.

By Afonso Leitão