A interactividade da Colheita63 em movimento contínuo para todo o Mundo e especialmente para Lisboa , Tomar , Monte Estoril , Linda-a-Velha , Setúbal , Coimbra , Porto , VNGaia , Braga , VNFamalicão , Santo Tirso , Afife , Vila Real , Vinhais , Bragança , Castelo Branco , Seia , Vendas Novas , Varsenare e Aveiro

quarta-feira, janeiro 31, 2007

PERPLEXIDADES

À medida que o tempo passa, cada vez tenho menos certezas. Colheiteiros, gente da minha idade, dizei-me que não sou só eu! Dizei-me que a realidade não é "preto ou branco", como nos parecia aos 17 anos. Dizei-me que devemos continuar a usar o bom velho princípio cartesiano (o "erro" de Descartes foi outro...) de alguma(s) vez(es) na vida pôr em dúvida aquilo que tinhamos por certo. Dizei-me que devemos continuar a pôr-nos no lugar do "outro", daquele que não pensa nem age como nós, para entender as suas razões e motivações, para não o julgar nem acusar em questões que apenas dizem respeito à sua consciência individual.
Vem isto a propósito do que tenho lido aqui no blogue sobre o que está ou não está em causa no referendo do dia 11/2...É que algumas afirmações, de tão peremptórias e absolutas, deixam-me perplexa! Por exemplo, falar de "vida humana" como valor absoluto, sem atender a modos e circunstâncias, é falar de quê? Do direito a nascer não desejado, correndo o risco de ser objecto de um processo de adopção kafkiano? De ser entregue, mais tarde ou mais cedo, a uma casa pia qualquer? De ser abandonado ou maltratado? Não sofrerão essas "vidas humanas" de um handicap fundamental face aos outros cidadãos, que nasceram desejados e têm muito mais probabilidades de ser amados e felizes?
Se se entende que a Constituição inscreve a vida humana como valor absoluto, porque não se contesta então a legislação de 1984, que permite o aborto em casos de violação, malformação do feto ou perigo para a vida da mãe? Não são também vidas humanas que estão em causa? Porque não se exige então a proibição absoluta?
Não era S. Tomás de Aquino (sim, esse mesmo, filósofo e doutor da Igreja...) que dizia que havia vida humana quando existia "alma racional", isto é, em termos científicos actuais, quando o feto tem já um sistema nervoso central capaz de funcionar autonomamente?
E a compaixão pelas mulheres que se vêem em situações difíceis? O Deus dos cristãos não é um Deus de misericórdia? Porque se aponta então o dedo acusador para uma única saída à mulher que abortou: a cadeia?
Depois há a história da "responsabilidade"...Amigos, aquele de nós que em todos os seus actos agiu com responsabilidade que atire a primeira pedra! Penalizam-se, por acaso, os alcoólicos, os fumadores, os comilões, por atentarem contra uma vida humana (a sua)? E deixam de ser tratados nos serviços públicos de Saúde porque isso fica muito caro, e o dinheiro dos nossos impostos podia ser mais bem empregue?
Há mulheres que engravidam por irresponsabilidade? Claro que há! E então, que saída lhes queremos dar? Obrigá-las a ter crianças não desejadas ou, em alternativa, mandá-las para a cadeia?
E porque é que só se fala em irresponsabilidade? As responsáveis, às vezes, também engravidam sem querer: há um
preservativo que se rompe, uma pílula que não faz efeito por se estar a tomar antibiótico...Que me dizem? Cadeia com elas?! Finalmente a famigerada pergunta do referendo...Caríssimos, já somos crescidinhos!!! Por muito desastrada que seja a pergunta, todos nós sabemos o que está em causa: aborto clandestino e pena de prisão ou possibilidade de escolher até às 10 semanas, em consciência e em condições dignas, como se faz no mundo a que chamamos civilizado. Não ir votar por causa da pergunta é embarcar numa falácia; abster-se é tomar posição a favor de um dos lados, o lado do não, porque se dá o sinal de que se quer que tudo continue na mesma...
Só mais uma coisinha: as estatísticas dos países em que o aborto foi despenalizado dizem que, aí, tem diminuído sistematicamente o número de abortos clandestinos. Exactamente o contrário do que li algures neste blogue.

Referendo

Agora que começou a campanha vou dizer:

VOTEM, pelo SIM ou pelo NÃO! Mas VOTEM!

NB - Se não quiserem não votem! Vivemos em democracia, só vota quem quer!

Hoje por aqui é assim ... FOTOS ANTIGAS


Nos meus arquivos encontrei estas velhas fotos que têm 44 anos. Já nessa altura a Colheita63 dava mostras de grande união. Se não me engano em cada uma das fotos estão 6 colheiteiros e alguns familiares, que muito nos valeram com o seu apoio logístico. É obra!!!
Fotos tiradas num acampamento do rio Tuela em Vinhais, num local denominado Ponte da Arranca no verão de 1962.

COLHEITA63 - CIÊNCIAS


Basta ver nos versos introdutórios o percurso errante deste nosso Colheiteiro. Mesmo assim chegou a Bragança, rapidamente se impôs, mercê da sua grande simpatia, camaradagem e irreverência. Chamávamos-lhe o "Reguilla". Ainda jogámos uma boas partidas de "lerpa". Um grande abraço

Natureza e liberdade

Quando hoje de manhã me deslocava para o footing habitual, a rádio transmitia um "forum" sobre a possibilidade de, mais dia menos dia, ser proibido fumar em locais públicos ou mesmo privados, segundo uma proposta duns fanáticos/fundamentalistas da União Europeia, para não poderem vir a ser incomodados na sua liberdade - serem fumadores passivos.
Começa a ser difícil viver em grandes aglomerados populacionais com as regras actuais e que vão minando a pouco e pouco a verdadeira liberdade - que segundo parece todos deveríamos ter direito e usufruir.
Julgo estar na altura de começarmos a abandonar as grandes urbes e irmo-nos instalar longe deste insensato mundo, com os nossos entes queridos, para não termos que estar permanentemente sujeitos às intoleráveis regras da vivência em sociedade , quando esta se tornou, como tudo o indica um antro do querer controlar tudo, sob a capa do socialmente correcto !
Depressa e em força para os campos !
Deixemos nos aglomerados populacionais os fazedores do correcto e da sua deles liberdade.

terça-feira, janeiro 30, 2007

Prof. Rebelo de Sousa

Em versão de GATO FEDORENTO

Castidade


D. José Policarpo:
educação sexual é necessária mas deve apontar para a castidade

O cardeal patriarca, D. José Policarpo, considera que a educação sexual "é bem-vinda e necessária", mas para ser "verdadeira" tem que ser feita na "perspectiva da castidade".
(castidade dos Padres, digo eu!)

Enfim !!!!

Depois de inúmeras tentativas e da paciência do patrão consegui voltar a poder escrever no Blog.
Espero ter valido a pena poder voltar a fazê-lo. Quanto mais não seja para ir dando indícios da minha existência,quantas vezes polémica.
Contudo, julgo que é na polémica que as ideias vão surgindo e a civilização vai evoluindo.
Por agora e para experiência basta.
Um abraço do amigo Isaías.

Image Hosted by ImageShack.us

Agulhas de tricot



"Ainda se enfiam agulhas de tricô" em pleno centro do Porto


"Tenho a consciência tranquila, sabe? Porque se não tivesse ajudado aquelas mulheres elas iam meter agulhas até ao útero para abortarem.
Há quem pense que isto das agulhas já não existe, que o raminho de salsa [enfiado na vagina até ao colo do útero] já não existe.

Existe, pois!

Todos os dias acompanho gente que vive em bairros de miséria.
Essas pessoas não vão a Espanha!
Nem tomam Cytotec.
Enfiam agulhas de tricô, sim.
Atiram-se pelas escadas abaixo, sim."


As palavras, como rajadas, pertencem a José António Pinto, assistente social da Junta de Freguesia da Campanhã, Porto, um dos envolvidos no famoso julgamento da Maia, que sentou 43 arguidos no banco dos réus, e em que uma enfermeira-parteira foi condenada a oito anos de prisão.

José Pinto confessou que sim, encaminhava as mulheres para aquela morada.

"Mulheres que viviam no limiar da condição humana.
Que não podiam ter mais um filho porque já nem comer tinham para dar aos outros."

Foi absolvido, os magistrados não acreditaram que angariasse mulheres e recebesse dinheiro pelos abortos.
As próprias mulheres confessaram que José Pinto as tentava demover, mas que a vida já tinha decidido por elas.

O Que era preciso ...

Versaõ de 2004 - By Jorge Tomé

COLHEITA 63 -Ciências

O BVelho ....grandes momentos passámos juntos, grandes jogos de ping-pong numa mesa improvisada em sua casa com o Praça, as caçadas aos pássaros na quinta do seu avô que ía do Alto do Sapato até Vale d'Álvaro, enfim tempos que foram e já não voltam...
No entanto a sua marca da passagem pelo Liceu está na "Radiosa Floração". Estávamos em 57-58, 3º ano e numa aula de cantocoral, o prof. queria catalogar as vozes da turma para um orfeon, portanto cada um tinha que cantar um trecho duma cantiga à escolha.Chegou a vez do "Old" e não quis cantar, alegava que não sabia, mas o prof. tanto insistiu, tanto insistiu que o "Old" explodiu " Radiosa Floração..."!!!!, o prof. ficou pasmado, pensava que estava a ser gozado .( não me lembro se tiveste alguma consequência disciplinar) Mal ele sabia que a canção existia mesmo e era o início do Hino dos Escuteiros a cujo corpo"Lobitos" o "Old" pertencia.

A voz do silêncio ...

A VOZ do SILENCIO !!!
Tantas vezes ...
Se ouvem gargantas enraivecidas exporem queixas,
partilharem mágoas, gritarem os seus medos.
.Gritam ... fazem-se ouvir ...
mas ouvem -se em sinceridade .
A voz que se cala, essa sim ... é perigosa No silêncio arquitecta planos Cria enganos.
Na ausencia da voz, nada é dito
Nada fica planeado...
Tudo fica parado.

By Graças Moura

Image Hosted by ImageShack.us

segunda-feira, janeiro 29, 2007

Quatro pontos e uma adenda!

1 - Nenhuma lei obriga os apoiantes do NÃO a abortar

2 - Nenhuma lei impede os apoiantes do SIM de abortar

3 - Os apoiantes do NÃO defendem as suas convicções religiosas

4 - Os apoiantes do SIM dizem que cada um deve decidir segundo a sua consciência

ADENDA: sou democrata, aceito que os outros pensem e actuem diferente de mim.

SONDAGEM M/BLOGUE

Resultados do n/Blogue sobre a vitória do Não ou do Sim no referendo do próximo dia 11/2/2007
Sim - 8
Não - 7
Como se pode verificar está tudo muito equilibrado e ninguém pode cantar vitória. Cá para mim vai acontecer como no último referendo e só sobre a meta as coisas se decidirão.
Estou a acompanhar com muita atenção as campanhas quer do Sim quer do Não e penso que discutem tudo menos o essencial.É lamentável que o Não mostre imagens do feto de abortos com mais de 5 e 6 meses, porque isso não corresponde à pergunta, com também o é o facto do Sim, mostrar fotos de mulheres presas, quando ainda não o foram. Cada um deve votar em consciência e responder apenas à pergunta que é formulada, deixando-se de tergiversões , remoques de consciência ou hipocrisias .
Queres que a mulher seja presa, vota Não, queres que não seja presa vota Sim. Tão simples como isto, nada mais...

Hoje por aqui é assim ... Feira do Queijo


Dia 17 de Fevereiro, realiza-se mais uma Feira do Queijo em Seia. Trata-se do maior produto de qualidade da Serra da Estrêla e vale sempre a v/visita. Não dareis o tempo por perdido. Cá vos espero

Música 5ª Semana - Fado Hilário


Para todos os que gostam dos Fados de Coimbra e em especial para as Colheiteiras(os) que passaram por Lá e os que lá vivem ( Berta e Teresa Pereira )


domingo, janeiro 28, 2007

COLHEITA 63 -Ciências


Lembras-te das n/férias na "Batalha" e das idas pró "Sabôr" ?
No n/1º encontro vi-o de longe e não o reconheci, só quando cheguei muito perto dele isso aconteceu. O que faz o tempo...
Um grande abraço para ti e até ao "Camelo"

Música para aquecer ...

A pedido do "OLD" . Acompanha com um tinto, salpicão e centeio , bem aconchegado na lareira..

Hoje por aqui é assim ....frio , muito frio

SNOWMA~1.GIF
Há já alguns dias que faz um frio de "ratchar", só a lareira tradicional e o aquecimento central ameniza um pouco o mesmo. Lembro-me daqueles tempos gélidos do Liceu, puxados pelos glaciares da Sanábria em que mal podíamos andar na rua. Mas no Liceu o ambiente sempre foi quente, e já lá vão mais de 40 anos. A caldeira para o aquecimento era a lenha e situava-se no piso -1 logo ao fundo das escadas, estive lá no 4ºC e via o trabalho que os encarregados pelo aquecimento tinham com o trnsporte da lenha.
Agora acontece-me o mesmo a mim, pois sou eu que tenho de carregar a lenha todos so dias.

sexta-feira, janeiro 26, 2007

Por Espanha está assim...!


Estamos a saque...!



Música 4ª Semana - The voglio Bene


Play 2x no play

Cadé as Meninas da Colheita?

M.C. disse (e muito bem):

"Ouve lá, onde andam as meninas da colheita 63?
Isto está a precisar de mais gente a teclar.
A Gélica, as Lenas, a Teresa, a Zélia, a Levinda têm de reaparecer.
E as meninas que ainda não apareceram também.
Vamos a isto.
Um abraço,
MC"


Nota: se as meninas e os meninos da colheita me enviarem os textos terei muito gosto em "postá-los".

CRÓNICA DE SEXTA-FEIRA ( 10ª )

"Até ao fim do Mundo”


Na crónica desta semana, pretendo clarificar, na minha singela opinião, uma das mais incongruentes e falaciosas histórias de amor que têm inspirado, em Portugal e no estrangeiro, poetas, dramaturgos, compositores e artistas plásticos. Isto é, exorto para o vexatório romance entre D. Pedro I (filho de D. Afonso IV e D. Beatriz de Castela) e D. Inês de Castro.
Esta figura, de grande relevo para a compreensão da nossa História, chega a Portugal integrada no séquito de D. Constança Manuel, a futura mulher de D. Pedro I. Sendo filha ilegítima de um fidalgo galego, a presença de D. Inês junto da Corte portuguesa era vista como uma circunspecta ameaça, pois a sua família era firmemente inimiga do Rei de Portugal.
O casamento de D. Pedro I e D. Constança consumou-se em 1340. Subsequentemente, o príncipe rendeu-se à paixão ardente por D. Inês. Paralelamente, D. Constança bondosamente convida a aia para madrinha do primeiro filho varão, o infante D. Luís (1343), já que, de acordo com os preconceitos da Igreja Católica, uma relação entre um dos padrinhos e um dos pais do baptizando era manifestamente incestuosa. Porém, a criança faleceu menos de um ano depois, incitando as desconfianças relativas a D. Inês.
Com o regresso do exílio no Castelo de Albuquerque e após a morte de D. Constança, que legitimou o estado de viuvez de D. Pedro, o casal fixa-se em Coimbra, na famigerada Quinta das Lágrimas em que tiveram quatro filhos.
Em síntese, as relações adulterinas, o parentesco entre Pedro e Inês (eram primos em segundo grau), o seu compadrio e o perigo de D. Fernando (filho de D. Pedro e D. Constança) ser afastado do trono, conduziram D. Afonso IV a mandar engenhosa e pragmaticamente executá-la em Coimbra, após o consentimento dos seus conselheiros, aproveitando a ausência do seu filho numa caçada o que se traduziu numa intrépida guerra civil entre os sequazes do príncipe e do monarca.
Este romance proibido contém contornos muito intoleráveis na medida em que sou apologista da decisão de D. Afonso IV, pois o amor entre estas duas personagens apenas se enquadrava na política externa espanhola de uma União Ibérica (em que Inês seria o grande vector). E, se essa paixão era tão acérrima porque é que nenhum dos filhos de ambos foi Rei? Porque é que só o filho ilegítimo (D. João I), de um caso amoroso entre o mesmo D. Pedro e D. Teresa de Lourenço (aia de D. Inês de Castro), é que se tornou Rei? Que amor mais insólito!

By Afonso Leitão

quinta-feira, janeiro 25, 2007

O GLORIOSO!

Verão de 42

Filme de Robert Mulligan

Delicioso filme sobre a adolescência, o seu despertar, as suas cumplicidades, os seus medos!
Música que fica para sempre.
Hoje, no Canal 1, às 00h 45m.
Já vi várias vezes e gostava de voltar a ver.
Que hora mais despropositada!
Raio de TV!

segunda-feira, janeiro 22, 2007

Recebida do colheiteiro Jorge...para desanuviar!

Maria Madalena estava para ser apedrejada quando Jesus resolveu interceder em seu favor diante da multidão que ali estava.

Jesus disse:

- Quem nunca errou que atire a primeira pedra.

Um português, presente em todos os lugares e épocas, empolgou-se, pegou num enorme calhau e acertou em cheio na testa da Maria Madalena, que caiu redonda.

Jesus, muito entristecido, foi direito ao portuga, olhou-o bem nos olhos e perguntou:

- Meu filho, diz-me a verdade, nunca erraste na tua vida?

O português:

- A esta distância não, nunca!!!

Image Hosted by ImageShack.us

O que aí vem...!

Pajares, Astúrias
ESPANHA

27ª Feira do Fumeiro em Vinhais

Aproveitei este fim de semana e fiz um raid por Trás-os-Montes, Vila Real , Mirandela e Bragança . O motivo remoto foi umas tripas aos molhos que se fazem em Vila Real no Restaurante Chachoila e as quais já conheço há quase 40 anos e de que muito gosto (estavam deliciosas) e o próximo era uma visita à Feira do Fumeiro em Montalegre, para depois fazer a comparação a da minha Terra (Vinhais). Por sorte ou azar o casal amigo amigo que eu tenho em Vila Real (Hélder's de seu nome) tinha estado no dia anterior em Montalegre e deu-me a provar salpicão que tinha lá comprado. Embora bom, nada tem a ver com os de Vinhais, fiquei desiludido e já não fui.
Pus o plano B em acção e fui visitar a minha família em Mirandela. Aqui está em curso o II Festival de Sabores do Azeite Novo que se iniciou em 6 do corrente mês e termina no próximo dia 2. Foi uma delícia.
Não podia acabar sem visitar Bragança, encontrei-me com os Colheiteiros Gélica e Niso. Foi bom vê-los e recordar velhas histórias, trocar impressões sobre o blogue e falar de actualidades.
Já agora faltam só 19 dias para a 27ª Feira do Fumeiro em Vinhais, não vos esqueçais ..

Para não nos esquecermos...


Atentado em Bagdad faz 74 mortos e mais de 100 feridos
22.01.2007 - 13h55

O duplo atentado com carros armadilhados registado esta manhã em Bagdad fez pelo menos 74 mortos e mais de 100 feridos, de acordo com o balanço mais recente.
...
A violência no Iraque matou mais de 16.800 pessoas durante o ano de 2006, segundo um relatório das Nações Unidas divulgado na semana passada.
Os soldados americanos também sofreram pesadas baixas nos últimos dias, 27 dos quais morreram durante o fim-de-semana.
Desde a invasão do Iraque, em Março de 2003, pelo menos 3052 militares americanos e pessoal equiparado morreram no Iraque, segundo um balanço da AFP com base em dados do Pentágono.

MULHERES, de novo

Depois de Ségolène Royal em França é a vez de Hillary Clinton na América.
Se eu votasse nos States ela tinha mais um voto!

Assim os americanos o desejem.

FORÇA!

Talvez o mundo governado no femenino seja mais feliz!

Nem todos os padres são "trauliteiros"!


Referendo sobre o aborto

Anselmo Borges
Padre e professor de Filosofia
21 de Janeiro de 2007

Numa questão tão delicada, com a vida e a morte em jogo, não se pretende que haja vencedores nem vencidos, mas um diálogo argumentado, para lá da paixão e mesmo da simples compaixão. Ficam alguns pontos para reflectir.


1. O aborto é objectivamente um mal moral grave. Aliás, ninguém é a favor do aborto em si, pois é sempre um drama.


2. A vida é um bem fundamental, mas não é um bem absoluto e incondicionado. Se o fosse, como justificar, por exemplo, o martírio voluntário e a morte em legítima defesa?


3. Para o aparecimento de um novo ser humano, não há "o instante" da fecundação, que é processual e demora várias horas.A gestação é um processo contínuo até ao nascimento. Há, no entanto, alguns "marcos" que não devem ser ignorados. É precisamente o seu conhecimento que leva à distinção entre vida, vida humana e pessoa humana. O blastocisto, por exemplo, é humano, vida e vida humana, mas não um indivíduo humano e, muito menos, uma pessoa humana.Se entre a fecundação e o início da nidação (sete dias), pode haver a possibilidade de gémeos monozigóticos (verdadeiros), é porque não temos ainda um indivíduo constituído.Antes da décima semana, não havendo ainda actividade neuronal, não é claro que o processo de constituição de um novo ser humano esteja concluído. De qualquer modo, não se pode chamar homicídio, sem mais, à interrupção da gravidez levada a cabo nesse período.


4. Sendo o aborto objectivamente um mal, deve fazer-se o possível para evitá-lo. Tudo começa pela educação e formação. Impõe-se uma educação sexual aberta e responsável para todos, que, não ficando reduzida aos aspectos biológicos e técnicos, tem de implicá-los, fazendo parte dela o esclarecimento, sem tabus, quanto à contracepção.


5. O aborto é uma realidade social que nem a sociedade nem o Estado podem ignorar. Como deve então posicionar-se o Estado frente a essa realidade: legalizando, liberalizando, penalizando?


6. Não sem razão, pensam muitos (eu também) que, se fosse cumprida, a actual lei sobre a interrupção da gravidez, permitida nos casos de perigo de morte ou grave e duradoura lesão para a mãe, de nascituro incurável com doença grave ou malformação congénita e de crime contra a liberdade e autonomia sexual (vulgo, violação), seria suficiente.


7. De qualquer forma, vai haver um referendo. O que se pergunta é se se é a favor da despenalização do aborto até às dez semanas, em estabelecimentos devidamente autorizados, por opção da mulher.Por despenalização entende-se que, a partir do momento em que não há uma pena, a justiça deixa de perseguir a mulher que aborta e já não será acusada em tribunal. Aparentemente, é simples. Mas compreende-se a perplexidade do cidadão, que, por um lado, é a favor da despenalização - despenalizar não é aprovar e quem é que quer ver a mulher condenada em tribunal? -, e, por outro, sente o choque de consciência por estar a decidir sobre a vida, realidade que não deveria ser objecto de referendo. O mal-estar deriva da colisão dos planos jurídico e moral.


8. Impõe-se ser sensível àquele "por opção da mulher" tal como consta na pergunta do referendo, pois há aí o perigo de precipitações e arbitrariedades. Por isso, no caso de o "sim" ganhar, espera-se e exige-se do Estado que dê um sinal de estar a favor da vida.


Pense-se no exemplo da lei alemã, que determina que a mulher, sem prejuízo da sua autonomia, deve passar por um "centro de aconselhamento" (Beratungsstelle) reconhecido. Trata-se de dialogar razões, pesar consequências, perspectivar alternativas. A mulher precisará de um comprovativo desse centro e entre o último encontro de aconselhamento e a interrupção da gravidez tem de mediar o intervalo de pelo menos três dias. As custas do aborto ficam normalmente a cargo da própria.


O penalista Jorge Figueiredo Dias também escreveu, num contexto mais amplo: "O Estado (...) não pode eximir-se à obrigação de não abandonar as grávidas que pensem em interromper a gravidez à sua própria sorte e à sua decisão solitária (porventura na maioria dos casos pouco informada); antes deve assegurar-lhes as melhores condições possíveis de esclarecimento, de auxílio e de solidariedade com a situação de conflito em que se encontrem. Sendo de anotar neste contexto a possibilidade de vir a ser considerada inconstitucional a omissão do legislador ordinário de proporcionar às grávidas em crise ou em dificuldades meios que as possam desincentivar de levar a cabo a interrupção".

domingo, janeiro 21, 2007

REFERENDO

Eis a pergunta do REFERENDO:

Concorda com a despenalização da interrupção voluntária da gravidez, se realizada, por opção da mulher, nas primeiras 10 semanas, em estabelecimento de saúde legalmente autorizado?


A verdadeira questão é a formulada na pergunta: despenalização!

A despenalização não obriga ninguém, despenalização não é OBRIGAÇÃO.
Só aborta quem quer, ou melhor, quem a isso é obrigado.
As razões que levam ao aborto devem ser combatidas.
Não devemos estar contra as medidas de educação sexual, uso de perservativos, etc. como a ICAR está.
O que muda, se o SIM vencer, é a não penalização de quem aborta, mas sejamos sérios, quem quiser abortar aborta com ou sem penalização.
Não penalizando acabam os abortos clandestinos para os mais pobres, em condições sanitárias precárias.

Seja qual for a tua posição (SIM ou NÃO) vai votar.

sábado, janeiro 20, 2007

O maior progenitor do País


SENTENÇA PROFERIDA EM 1487 CONTRA O PRIOR DE TRANCOSO

( Quando forem a Trancoso, vão à casa onde viveu este padre, que é agora o restaurante O MUSEU )
Do Arquivo Nacional da Torre do Tombo Autos arquivados na Torre do Tombo, armário 5,maço 7:"Padre Francisco da Costa, prior de Trancoso, de idade de sessenta e dois anos, será degredado de suas ordens e arrastado pelas ruas públicas nos rabos dos cavalos, esquartejado o seu corpo e postos os quartos, cabeça e mãos em diferentes distritos, pelo crime que foi arguido e que ele mesmo não contrariou, - sendo acusado de ter dormido:
- com vinte e nove afilhadas e tendo delas noventa e sete filhas e trinta e sete filhos;
- de cinco irmãs teve dezoito filhas;
- de nove comadres trinta e oito filhos e dezoito filhas;
- de sete amas teve vinte e nove filhos e cinco filhas;
- de duas escravas teve vinte e um filhos e sete filhas;
- dormiu com uma tia, chamada Ana da Cunha, de quem teve três filhas,
- da própria mãe teve dois filhos.
Total: duzentos e setenta e cinco, sendo cento e quarenta e oito do sexo feminino e cento e vinte e sete do sexo masculino, tendo concebido em cinquenta e quatro mulheres".

"El-Rei D. João II lhe perdoou a morte e o mandou por em liberdade aos dezassete dias do mês de Março de1487, com o fundamento de ajudar a povoar aquela região da Beira Alta, tão despovoada ao tempo e guardar no Real Arquivo da Torre do Tombo esta sentença, devassa e mais papéis que formaram o processo".

Esta sentença ficará arquivada na Torre do Tombo, Lisboa, Portugal
Comentários para quê ? Fazei o que eu digo e não o que eu faço ( dizem eles )

sexta-feira, janeiro 19, 2007

SIM ou NÃO?

Deixemo-nos de malabarismos científicos, eticos e religiosos, quer ganhe o Sim ou o Não, o aborto continuará, inexoràvel.

E a questão que se deve colocar é:

  • queremos o aborto clinicamnete assistido, dentro dos prazos legitimados pela lei, sem risco para as mães, para ricos e pobres

  • queremos o aborto clandestino para os pobres e nas clínicas portuguesas ou espanholas para os ricos

QUE FIQUE CLARO: não sou a favor do aborto. Defendo o planeamento familiar e uma sexualidade consciente. O aborto sempre como último recurso e despenalizado.

Por isso, no referendo, voto SIM

Hipocrisia

E as mulheres "católicas" que defendem o NÃO e já abortaram (conheço algumas!) também são excomungadas ou têm perdão?

TERRORISMO!

De entre as afirmações, verdadeiro terrorismo intelectual e religioso, que os representantes da Igreja Católica têm proferido, destaco esta que vem hoje no DN



Quem votar 'sim' fica sem funeral religioso
Hugo Teixeira em Portalegre

"Os cristãos que vão votar 'sim' no referendo serão alvo de excomunhão automática, a mais pesada das censuras eclesiásticas", garante o cónego Tarcísio Alves, pároco há cinco anos em Castelo de Vide (Portalegre). A excomunhão automática atinge ainda "todos os intervenientes na execução do crime, como, por exemplo, médicos e enfermeiros", sublinha, enquanto consulta página a página o Código Canónico.
...
...Tarcísio Alves tem distribuído nos últimos tempos, pelos paroquianos, um boletim informativo em que adverte os devotos para os "perigos" de votar "sim" no próximo referendo e as consequências, junto da Igreja, que poderão sobrevir. "Não fui eu que inventei estas regras, está tudo bem explícito no Cânone 1398" sublinha.
...
"Se votar no 'sim' ou se se abstiver, poderá estar também a cometer um pecado mortal gravíssimo. No referendo até as irmãs vão sair dos conventos porque senão também incorrem num pecado de omissão", adverte.
...
Para o clérigo trata-se de "um caso grave", porque todos aqueles católicos que violarem as leis da Igreja sobre este ponto "não podem casar, baptizar-se e nem poderão ter um funeral religioso - Cânone 1331."

CRÓNICA DE SEXTA-FEIRA (9ª)

Memórias dos meus pais

A principal razão que mais contribuiu para a minha avultada paixão para com a História foi, o facto, dos meus pais me terem proporcionado estupendas visitas culturais a diversos Museus e Monumentos, em diversos espaços geográficos, com grande valor estético-artístico. Por conseguinte, ir-me-ei pronunciar, em termos arquitectónicos e históricos, acerca de dois monumentos que visitei em Agosto de 2006 e Janeiro de 2007, em Portugal, e que me marcaram profundamente.
1) Igreja de São Vicente de Fora: implantado num dos extremos orientais de Lisboa, é um dos símbolos da União Ibérica e o elemento-chave de mutação na arquitectura maneirista portuguesa. A obra arrastou-se por quase quatro décadas, entre 1582 e 1629, sendo superintendido por alguns dos melhores arquitectos do reino: Filipe Terzi, Baltazar Álvares e Pedro Nunes Tinoco. O projecto é atribuído ao arquitecto de Filipe II, Juan de Herrera, seguindo os paradigmas do Escorial e de II Gesú de Roma. A fachada do templo, da autoria de Baltazar Álvares, é o modelo pioneiro do designado Estilo Chão, repetido ao longo do século XVII em inúmeras edificações por todo o mundo português.
2) Solar de Mateus: considerado uma das mais importantes obras da arquitectura civil portuguesa de Setecentos, o Solar de Mateus tira partido de uma planto em U, dinamizada por pátios e escadarias. Não se sabe, ao certo, em que data começou a ser construído, mas é possível que, em 1743, se encontrasse em fase adiantada. A autoria do projecto tem vindo o ser atribuído total, ou parcialmente, a Nicolau Nasoni e representa o modelo findado de solar barroco nortenho.

By Afonso Leitão

Fotos na neve 1962

Passeio de estudo


Foto tirada nas Minas da Ribeira, num passeio de estudo às mesmas em 1962


quinta-feira, janeiro 18, 2007

Sobre o Referendo

Àqueles para quem se tornou insuportável o espectáculo, e insustentável a situação, de continuar a ver mulheres humilhadas, julgadas e condenadas, pela prática de interrupção voluntária da gravidez até às 10 semanas, e coerentemente tencionam votar SIM no referendo de 11 de Fevereiro, atrevo-me a lembrar: NÃO FIQUEM EM CASA!!!!! Lembrem-se do que aconteceu em 1998...
Já agora, para ilustrar este alerta, uma história como tantas que todos conhecemos, roubada no blogue "Coriscos".

"Do aborto. E da hipocrisia.
Um problema de saúde obriga-me há alguns anos a visitar o ginecologista com apurada assiduidade. Aliás, os ginecologistas, no plural - quando um está de férias em qualquer lugar exótico tenho sempre o outro. Não é um capricho; é o que tem que ser. Dois homens, amigos de longa data, a trabalhar em cidades diferentes. Médicos irrepreensíveis cuja longevidade do acompanhamento acarreta já algum afecto e muitas, muitas histórias. Uma-consulta-uma-história. Que nunca escrevi. Porque não.
Mas no encalce do segundo referendo sobre a despenalização do aborto é-me inevitável a partilha de uma história que ouvi numa dessas visitas, e que me leva a não ter grandes dúvidas sobre a vitória do "não" a 11 de Fevereiro próximo e sobre a perpetuação da hipocrisia reinante neste país. Faço este preâmbulo para que fique bem claro que a história é real, que estará longe de ser inédita, e que pulula, impune, aqui e ali, mascarada do melhor verniz.
Um dos ginecologistas mantinha uma qualquer tertúlia semanal e de café com companheiros da classe, mas de especialidades diferentes. Conta-me que eram conversas animadas pelas questões da ordem do dia e das convicções de cada um. Numa tarde de 1998, em plena contagem decrescente para o primeiro referendo sobre o aborto em Portugal, discutia-se inevitavelmente a questão. Um dos parceiros defendia as vantagens de o assunto continuar como está, ou seja, com mulheres a irem parar ao banco do Tribunal quando a interrupação da gravidez é descoberta. Ou a rumarem clandestinamente a Espanha. Ou à mesa de um boteco mais ou menos grotesco de uma rua escondida onde uma anacrónica parteira ou enfermeira lhes trata literalmente da saúde.
A argumentação, conta o médico, estava mais centrada no princípio moral do que propriamente na ciência ou em saber quando é que o feto é ou não um efectivo ser humano. Dizia o colega que esse tipo de utentes - as mulheres - seriam na sua grande maioria pessoas mal formadas de classes desafavorecidas ou adolescentes incautas. E que não seria possível, na era do preservativo e do não-tabu sexual, ser conivente com esse tipo de comportamento imprudente. Seria necessário educá-las, mas nunca à custa de uma morte. O fervor da discussão terá levado o homem a abandonar a tertúlia. Não só essa como as que se seguiram. Até um dia.
Até ao dia em que entrou no consultório do ginecologista, julgando este que seria para se desculpar e eventualmente fazerem as pazes. Não era. Era para lhe pedir que fizesse um aborto à mulher. Uma adolescente? Não, obviamente! Uma mulher mal formada de classe baixa? Também não. Uma mulher de 40 anos, no auge da carreira, com dois filhos, e a quem não convinha um terceiro. Não tocaram na conversa que motivou a discórdia entre ambos. Mas o ginecologista confessa que aguardou durante vários dias um cartão ou um telefonema que emitisse um sinal de redenção.
O sinal chegou no dia em que fumava um cigarro à janela. Lá em baixo, no meio de uma manifestação contra a despenalização do aborto, alguém empunhava um cartaz com um braço e erguia o outro na sua direcção, acenando-lhe. Era o homem, sem qualquer laivo de vergonha ou arrependimento, que semanas antes havia pago um aborto à mulher."
publicado por Helena

Resultados Sondagem

Eis os resultados da sondagem efectuada aos Colheiteiros sobre os 10 mais Portugueses :

D.Afonso Henriques...........2
Álvaro Cunhal.....................0
António Oliveira Salazar.....4
Aristides Sousa Martins.....4
Fernando Pessoa..................0
Infante D.Henrique....6
D.João II.............................2
Luís de Camões..................3
Marquês de Pombal..........1
Vasco da Gama..................2

Votaram 24 Colheiteiros . Ganhou o Infante D.Henrique . Comentários.....
Nota : A votação ainda está aberta apenas para consulta de resultados. Qualquer votação agora não tem resultado final.

Por último...!

A versão da família que acolhe a menor
A versão da família é descrita ao PortugalDiário pela advogada Sara Cabeleira que defendeu o sargento Luís Matos Gomes. A criança nasceu em Fevereiro de 2002 e o pai biológico nunca manifestou interesse pela menor até ser convocado pelo Ministério Público, em Maio de 2003, para realizar testes de ADN com vista a averiguar a paternidade.
O casal foi ouvido no processo de regulação do poder paternal e por determinação do juiz a criança deveria manter-se na família que a acolheu até à decisão final do processo. A partir daí, nunca mais foram chamados.
Entretanto, o processo de adopção ficou suspenso até ficar decidida a regulação do poder paternal.
Em 2004 o Tribunal de Torres Novas decide atribuir o poder paternal ao pai biológico. O casal é notificado da decisão em Julho e recorre para o Tribunal da Relação de Coimbra por entender que devia ter sido ouvido como parte nestes processo e não como mera testemunha.
Não lhes é dada razão e, em 19 de Janeiro de 2005, reclamam para o Tribunal Constitucional que decide aceitar o recurso. O recurso está pendente desde essa data.
A advogada lamenta que «a juíza que disse ao arguido o senhor está aqui por amor a uma criança tenha sido a mesma que o condenou a pena de prisão».

A versão do pai biológico
A versão do pai biológico é contada pelo seu advogado, José Luís Martins. Baltazar teve uma relação ocasional com a mãe da menor, imigrante brasileira, que aos oito meses de gestação o informou de que era o pai do bebé. Descrente em relação à paternidade, o progenitor acedeu, no entanto, em realizar os testes de ADN quando para isso foi chamado pelo Ministério Público.
Quando soube que os testes o davam como «pai muito provável», o técnico de tectos falsos decidiu perfilhar a criança e «iniciou de imediato várias diligências para encontrar a filha».
Procurou-a «desalmadamente» junto da mãe biológica e do tribunal. Quando finalmente soube que a criança residia com um casal em Torres Novas, dirigiu-se à casa «com um presente para entregar à filha e disposto a resolver tudo a bem, desde que o casal lhe entregasse a menina».
A senhora fechou-lhe a porta e foi essa a primeira e última vez que viu a criança. Há três anos que a senhora desapareceu com a menina, antes mesmo de o tribunal ter decidido conferir-lhe o poder paternal.
«Há anos que a menina não é vista em público e, apesar de o médico que a acompanhou desde bebé ter jurado em tribunal que a viu no seu consultório, há dois meses, e que esta estava bem, em bom rigor, e tal como disse o tribunal, ninguém pode garantir que esteja viva».
O pai biológico «pessoa humilde e muito inteligente, não abandonou a criança e fez tudo para que esta lhe fosse entregue a bem, o que deveria ter acontecido quando aquela tinha 16 meses».
Se para muitos a conduta do casal pode ser interpretada como «amor», o advogado do pai biológico entende que «não é um amor conforme com os interesses da criança e sim um acto de egoísmo». «Quem olhar para este processo de modo imparcial, não pode deixar de entender que este casal apropriou-se da criança e não tem equilíbrio e estabilidade para criá-la».
«Se a criança tivesse sido entregue a bem, logo que o pai biológico a procurou, então provavelmente hoje o casal podia ser padrinho da menina e vê-la regularmente». Mas isso «era se tudo tivesse sido diferente», remata. Leia a primeira parte deste artigo: «Pai adoptivo pode ser libertado»

Preso por amor

Nos últimos dias os jornais têm sido inundados pela noticia do militar que foi preso por ter "sequestrado" a sua "filha adoptiva" quando o Tribunal determinou que fosse entregue ao pai bilógico.
"Preso por amor", foi o titulo dos jornais que descreveram este drama.
O "pai adoptivo" é descrito como o herói pleno de amor paternal (do qual não duvido), e o pai biológico é o vilão que só agora, passados 5 anos, reclama a paternidade da filha.
Editoriais de jornais, colunistas, peritos de isto e daquilo, fotografias dos "avós adoptivos" de lágrimas nos olhos, grandes entrevistas a "tias adoptivas", populares e intelectuais da psicologia e da justiça em abaixo assinados, temos lido de tudo.
Só não temos lido as razões do pai biológico.
A "mãe adoptiva", com a criança, desaparecida em parte incerta.
E o "pai adoptivo" preso em Tomar por não cumprir as determinações do Tribunal (entregar a criança ao pai biológico).
A mãe biológica (brasileira?) ausente, emigrante algures na Suiça.

Vejamos sucintamente a história que consegui respigar dos jornais:

  1. há 5 anos uma jovem teve uma ligação passageira com um jovem
  2. a jovem engravidou
  3. o putativo pai biológico diz que só perfilha a filha se ela for filha dele
  4. a mãe biológica "dá-a" a uma família que ela julga poder tratar bem dela
  5. Esta família, "pais adoptivos", ao fim de 1-2 anos desencadeiam o processo de adopção
  6. a criança foi registada como filha de pai incógnito, facto que levou o Tribunal investigar
  7. O Tribunal concluiu após exames que "A" era o pai biológico
  8. o pai biológico quando tem a certeza da paternidade perfilha a filha e desencadeia o processo de poder paternal
  9. isto há cerca de 3 anos
  10. o processo continua a desenrolar-se nos Tribunais
  11. neste tempo a criança continua com os "pais adoptivos" apesar de já estar perfilhada
  12. ao fim de 3 anos o Tribunal atribuiu a criança ao pai biológico
  13. a criança continua em parte incerta com a "mãe adoptiva"
  14. o "pai adoptivo" por desobedecer ao tribunal, não cumprindo a lei, foi preso e seguiu para Tomar
  15. o pai biológico continua a pugnar por ela
  16. os "pais adoptivos" recorrerão da sentença, diz o seu advogado
  17. a mãe biológica continua ausente

Posto isto, e verificando que há sofrimento de ambas as partes, pergunto a mim mesmo:

  • porque é que os jornais condenam, em uníssono e sem o ouvir, o pai biológico?
  • porque é que os "pais adoptivos" não respeitaram a decisão do Tribunal?
  • porque é que a mãe biológica continua ausente?
  • porque é que os tribunais demoraram 5 anos a julgar este processo?

EM RESUMO:

Os "pais adoptivos", sofrendo, violaram a lei por amor. O pai biológico há 3 anos que pugna pela filha que perfilhou. A mãe biológica contunua ausente. A JUSTÇA foi foi cega, fria e lenta.

QUAL TERIA SIDO A MELHOR DECISÃO?

- Não sei!

Mas sei que não condeno o pai biológico por desejar reaver a filha, não condeno a mãe biológica por "dar" a filha, num momento de desespero, a um casal equilibrado, não condeno, nem endeuso os "pais adoptivos" que violaram a lei pelo amor que já têm à criança.,

NOTA - este texto foi escrito ontem à noite, dia 17/01/07, depois da leitura de vários jornais diários.

COLHEITA 63 -Ciências



O Osório(Duarte como ele gosta) encontrei-o depois de 63 ,passados 20 anos, no Algarve e só aí é que soube que era médico, pensei que tinha tirado o curso de piloto aviador, tal o seu gosto pelas avionetes, no tempo da Colheita.Depois só outra vez passados outros 20 anos nos reencontramos e a partir daí o n/contacto tem sido frequente. Foi um dos impulsionadores do 1º encontro e é um grande colaborador do n/blogue. Obrigado e um grande abraço

quarta-feira, janeiro 17, 2007

Outras ditaduras

Ditadura Nacional ou Ditadura Militar foi a denominação do regime militar autoritário instaurado em Portugal pelo General Gomes da Costa, através do Golpe de 28 de Maio de 1926.
O golpe militar de 1926 derrubou a 1ª República, um regime republicano português marcado pela instabilidade política, social e económica. O General dissolveu logo o parlamento (principal causador da instabilidade política) e suspendeu as liberdades políticas e individuais. No entanto, a nova ditadura era instável porque o movimento militar não tinha projecto político definido e não conseguiu resolver os problemas económicos. Para resolver a situação económico-financeira, o novo regime, em 1928, convidou o professor António de Oliveira Salazar para Ministro das Finanças. Através de contas públicas que se provaram mais tarde estar ludibriadas, Salazar conseguiu equilibrar as finanças públicas (conseguiu obter um saldo orçamental positivo) e estabilizar o escudo à custa de uma política de grande rigor orçamental baseada na diminuição das despesas do Estado. Os dados verdadeiros eram no entanto outros. Mas a manobra deu a Salazar o empurrão político definitivo.
Devido ao seu trabalho, foi nomeado Presidente do Conselho de Ministros (Primeiro-Ministro), em 1932. Rapidamente, ele começou uma grande reforma política, culminando com a aprovação da Constituição de 1933. Com esta constituição, Salazar criou um regime autoritário, repressivo, ditatorial e corporativista, Estado Novo. Ele tornou-se o novo "Chefe" da Nação. Para os historiadores sérios, não conotados com os sectores políticos mais à direita ou à esquerda, o Estado Novo (além das vítimas da polícia política, da fome ou da Guerra Colonial) é também responsável pelo atraso em relação à maioria da Europa, ainda verificado em Portugal.

(in WIKIPÉDIA)

"Grandes portugueses"

Sofremos a ditadura de um (AOS), livramo-nos da ditadura do outro (AC).

Dois ditadores no mesmo século!

Era de mais para um só povo ...!

"Outro grande português"

MAIS GRANDES PORTUGUESES.
Álvaro Cunhal em entrevista a Oriana Fallaci durante o PREC:


«Nós, os comunistas, não aceitamos o jogo das eleições (...) Se pensa que o Partido Socialista com os seus 40 por cento de votos, o PPD, com os seus 27 por cento, constituem a maioria, comete um erro. Eles não têm a maioria. (...)»


«Estou a dizer que as eleições não têm nada, ou muito pouco, a ver com a dinâmica revolucionária (...) Se pensa que a Assembleia Constituinte vai transformar-se num Parlamento comete um erro ridículo. Não! A Constituinte não será, de certeza, um órgão legislativo. Isso prometo eu. Será uma Assembleia Constituinte, e já basta (...). Asseguro-lhe que em Portugal não haverá Parlamento (...)»


«(...) A solução dos problemas depende da dinâmica revolucionária; ao contrário, o processo democrático burguês quer confinar a revolução aos velhos conceitos do eleitoralismo (...)»


«(...) Democracia para mim significa liquidar o capitalismo, os monopólios. E acrescento: não existe hoje em Portugal a menor possibilidade de uma democracia como as da Europa Ocidental (...)»


«A vocês jornalistas agrada-lhes muito o mistério, mas isso também nos agrada a nós comunistas. A diferença está em que vocês sentem prazer em descobrir coisas, ao passo que nós gostamos de ocultá-las.»


# escrito por Tiago Barbosa Ribeiro em 17.1.07 http://kontratempos.blogspot.com/

"Um grande português"

GRANDES PORTUGUESES.
A revista Time de 22 de Julho de 1946 foi proibida de circular em Portugal pelos serviços de censura do Estado Novo.



Na capa, podia ver-se «o decano dos ditadores», Salazar, junto a uma maçã putrefacta

# escrito por Tiago Barbosa Ribeiro em 17.1.07 http://kontratempos.blogspot.com/

O maior português de sempre...

O Maior Português de Sempre?

Deve ser o Gabriel Estavão Monjane, o gigante de Manjacaze (também conhecido por o gigante de Moçambique). Tinha 2,45 m. Vi-o num circo há uns bons 30 anos e acreditem: o homem metia a concorrência a um canto. Esmagava.
posted by Rui Baptista
http://amor-e-ocio.blogspot.com/

Iraque, de novo e todos os dias!

Um ex-alcoólico, fanático religioso, chamado Bush, depois de ter falado com Deus, mandou invadir o Iraque para
  1. encontrar armas que não existiam,

  2. destruir os terroristas que foi criando,

  3. implantar a "democracia" que deu em guerra civil,

  4. salvar o petróleo (isto não foi dito),

Todos os dias morrem iraquianos "democraticamente", ora morrem sunitas, ora morrem xiitas, e curdos pelo meio.


Ontem foram cerca de 100, mais os que vão morrer no hospital.


Será que esta gente (terroristas terroristas e terroristas de estado) dorme descansada, sem peso na consciência?


Meu Deus, e tudo em Teu nome!

terça-feira, janeiro 16, 2007

COLHEITA 63 -Ciências


Ganda notícia sobre o n/Niso

São notícias destas que alegram o nosso coração.O n/Colheiteiro e Amigo Prof. Dionísio Gonçalves, apesar de reformado, continua a merecer o respeito e consideração da Instituição que criou e manteve no topo durante décadas.
Aos 14 anos já era especialista em Climatologia e não precisava dos aparelhos sofisticadissimos para o efeito.Lembro-me , numa das variadas vezes que isso aconteceu, ele me disse num intervalo das aulas : pôs o dedo no ar, em riste, e disse, daqui a 10 minutos está a nevar.Estava um dia de sol, naquele momento, ri-me no gozo... Mas quem ficou gozado fui eu, dali a 10 minutos estava a nevar.
Não tenho competência para estar presente nessas conferências, mas estarei em espírito, e quando o teu pensamento se desviar um pouco da sala, recorda-me a mim e a todos os teus amigos Colheiteiros. Um grande abraço.

Nota: Este recorte foi-me enviado pelo Colheiteiro meu conterrâneo e amigo Jorginho, que no seu envio me mostrou todo o seu contentamento pelo n/Niso.

AINDA HÁ HOMENS PERSPICAZES..

Este recorte foi-me enviado por uma ilustre, amiga e participativa Colheiteira. Tiveste olho...
É uma grande homenagem à grande maioria das mulheres e que eu decido a todas as n/Colheiteiras

AS PINTURAS DA LEVINDA


Para quem quiser regalar a vista e os sentidos, aqui estão reunidas algumas pinturas da n/Levinda

segunda-feira, janeiro 15, 2007

Os 10 maiores de sempre

Por uma questão de oportunidade,por julgar mais pertinente e a pedido de alguns colheiteiros resolvi anular a votação vigente ( se Luís de Camões estava bem em 1º lugar ) e colocar esta em vigôr( votar coluna do lado direito). Agradecia que a cada um, um voto, para assim termos uma melhor percepção da n/realidade.

Espantoso...!

"... Como se explica que haja tanta gente a defender que o Director-Geral dos Impostos de um país cujo Governo põe os cidadãos a andar de alpargatas ganhe mais do que o Presidente dos EUA (310.245€), muito mais do que Tony Blair (270.417€) e quase o triplo daquilo que ganha Jacques Chirac (72.800€ fonte) ou Zapatero (87.500€ fonte)..."

O Jumento http://jumento.blogspot.com/

Director Geral dos Impostos: 23.000 x 14 = 322.000 €

SONDAGEM M/BLOGUE

Acabou a sondagem sobre a votação ao referendo no próximo dia 11. O resultado final foi de 29 votos no Não e 16 no Sim .Com esta é a 4ª votação feita no Blogue, votaram 45 e nas anteriores 3 votaram ,12, 19 e 19 respectivamente. Portanto aqui ganhou o Não, inequívocamente.

Enfim, estamos de acordo...


Durão Barroso: "Um homem não tem o direito de retirar a vida a outro homem" 15.01.2007 - 10h27 AFP

O Presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, condenou hoje a execução dos dois antigos colaboradores de Saddam Hussein, sublinhando a sua oposição à pena de morte. "Temos uma posição de princípio contra a pena de morte. Um homem não tem o direito de retirar a vida a outro homem", afirmou Durão Barroso.

sábado, janeiro 13, 2007

Pela Paz, contra o terror, contra a ETA!




Já agora...

Tony Blair culpa os media pelo descontentamento da opinião pública face às intervenções militares
13.01.2007 - 17h10 Reuters, PUBLICO.PT

O primeiro-ministro britânico Tony Blair culpou ontem os media pelo descontentamento da opinião pública face à guerra e às campanhas militares no Médio Oriente.

* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Já agora só faltava que os jornalistas estivessem calados.
Os jornais devem relatar todos os factos goste ou não o Senhor Blair, goste ou não outro Senhor qualquer.
Da guerra e de todos os outros aspectos da vida social e politica.
A liberdade de imprensa é sagrada.
A liberdade é sagrada.
A minha liberdade só termina onde começa a tua liberdade!

SENHOR PACHECO

Segundo o Diário e Notícias de hoje , Camões vai ser considerado o Português nrº 1 de todo o sempre. Não sou historiador, mas o meu instinto diz-me ser uma decisão com a qual concordo. Não posso esquecer aqui o meu professor de Português , Senhor Pacheco, que naquelas aulas nos matraqueva constantemente com Luís de Camões e os Lusíadas . "Menino nº 19 ,canto X leia.." Havia um que lia muito mal, era o nrº40 , "menino olhe, olhe, 0(zero) "de alto a baixo na caderneta. E quando eu não sabia algo, ele dizia "menino repetente, anda sempre agarrado ao rabo do taco ..."Bom professor. Sei que ainda está vivo, se alguém o vir um grande abraço ..

A MENINA DANÇA

É dia de festa. Ao arrebol da alva, os foguetes e a música, vindos de fora, — por um dinheirão! — irrompem pelas estreitas vielas da aldeia, para assinalarem a alvorada. Os sinos, a repicar festivos no campanário da pequena igreja, anunciam a todos ser aquele o dia maior. Para que as festas ficassem assinaladas como as mais lustrosas nos arredores arraianos, não foram poupados nem esforços, por parte dos infatigáveis mordomos, nem economias foram feitas por todos os paroquianos.
O terreiro central da aldeia, enfeitado com caruma, urzes e alecrim, fora alisado e limpo, tendo sido montado nos últimos dias um coreto, onde a banda iria executar as marchas, as contradanças e as valsas, para o povo ouvir e a mocidade dançar.
Todos vestiam as melhores galas. As moçoilas, rosadas e a cheirar a sabão barato, de impecáveis saias rodadas e blusas de chita, tinham um lenço colorido a cair da cabeça. Estavam em grupo, entre risotas e segredinhos, esperando as contradanças e os convites para a “bailação”. Era a última oportunidade de encontrarem o prometido, num tempo em que ainda havia, na aldeia e nos arredores, homens casadoiros. A sangria da emigração viria anos mais tarde.
São moças pequenas de estatura, rudes, mas não feias. Tisnadas pelo sol e o frio, os olhares tristes, encobrem a timidez e as poucas letras, aprendidas a duras penas, nos minguados anos de escola. Como a mãe e as avós, arrastam uma vida de canseiras e trabalhos dobrados, em casa e ao jornal. Buscam na religião, sofrida, mas não entendida, fuga de frustrações ancestrais, onde o ir à missa ao domingo, mesmo com a cabeça tapada pelo xaile negro de todo o ano, é o facto mais relevante de uma semana, de todos os meses e de todos os anos.
Num grupo à parte, à volta de um cântaro de vinho e de um copo sebento, corrido de mão em mão, os rapazes, de cravo na orelha, chapéu à banda à fadista, e para que se veja o cravo, vestem calças pretas e camisas de gorgorão ou estopa. Riem com as toscas chalaças, fumam uns cigarros fortes, acesos ou apagados, ostentados nos queixos. Olham embasbacados para as moças, sempre as mesmas, fazendo projectos, mais ou menos sérios. Contrabandistas de toda a vida; um, exibe uma enorme boina basca, e o outro, um chapéu de copa baixa, à mazantino, que lhes assinala a diferença de gente muito viajada.
O Malina, de estatura meã e entroncado, tem a gorra descaída para os olhos, exibindo o seu ar de mau e a sua fama de notável caceteiro nas romarias das redondezas. O Manel Sacho é um palrador e um bailarino afamado, não tendo rival a cantar ao desafio. O Manelzinho da Casta-pequena, do alto do seu metro e vinte, ameaça esfaquear, — nas pernas! — quantos, dele queiram mangar. Juntos, miram, comentam e discutem com o Tó Primo, coveiro de profissão e profissional da “copofonia”, mais o Felisberto Cagalhoto, quase anão, e muito entendido ferrador de bois, cavalos, mulas e burros, exercendo ainda nas redondezas, de capador de porcos e outros animais que "s'astrevam a medir coletes " ou dele queiram caçoar.
Querem todos dar nas vistas a quem os conhece de ginjeira. Se não houver maior entretimento, lá terá de ser armado um valente arraial de pancadaria. De entre eles distinguem-se os irmãos Saldanhas, de alpergatas e calças de pana; são estes, cabos de ordem, o garante da ordem, e a certeza de que, se houver demanda, no tribunal, haverá ali duas testemunhas competentes e atentas. Os olhares reprovadores do Manuel Vicente, vigilante da moral, e do Mariozinho Côdeas, proprietário de uma taberna, ambos tementes a Deus e contando estórias e brejeirices, mais ou menos ordinárias.
Diziam as comadres serem eles "as duas maiores colatreiras do povo!" No improvisado coreto está a banda, sob a direcção de um desengonçado maestro, já de provecta idade; é mouco como uma porta, e está quase a cair da tripeça. Dirige a desgarrada. Todos os artistas têm da partitura uma interpretação muito pessoal. Arremetem contra sons e harmonias, dando só, em mínimas ocasiões, a ideia do autor, ou então, uma subtil semelhança com a peça que se propõem executar. Desde que haja muito barulho e chim-chim, chim-pum, é o suficiente para que as gentes simples se maravilhem e valsem alegremente, entre o troar dos foguetes.
Finalmente chega aos valentões a coragem para a arremetida às moçoilas. Há que fazer o convite à dança, ante os olhares sempre vigilantes das mães, comadres, primas e tias. Estas sancionam o convite e garantem que se cumpra a moral e se mantenham as distâncias no arrima. Ali não há lugar para poucas-vergonhas ou descarações de gente ruim.
Vêm então aos pares, os janotas. Fazem uma pequena vénia e, naquela voz rude, de quem trabalha de sol a sol e não tem tempo para a ternura, exclamam:
— Atão, a menina dança?A cachopa envergonhada, olha para todos os lados menos para o pretendente; ganha assim tempo para que a mãe diga, num gesto imperceptível, a última palavra. E surge a sacramental pergunta: — E vomecê tem lenço?Na verdade, aquelas mãos calejadas e rudes, postas nas costas da sua blusa, deixavam umas nódoas enormes e não há lavagem, saponaria ou barrela que as sare. O mocetão casadoiro exibe orgulhosamente, o enorme lenço vermelho, — dito tabaqueiro — ante a sua dama, agora muito mais sossegada. A mãe da dita cuja faz um pequeno gesto de assentimento com os olhos ou com a cabeça.Encarpelados e aos pinotes, como as cabritas lá na serra, saem ambos a valsar a marcha, triunfalmente mal tratada pela Música.
É festa na aldeia!

By Bernardino Louro

sexta-feira, janeiro 12, 2007

MUSEU DO LOUVRE

Quem não gosta de (re)ver isto ?

E se esta moda pega por cá...!

Maria Dolores Jimenez,
Responsável (Vereadora) da Àrea Económica na Câmara de Lepe (Huelva)
Comentário de um habitante de Lepe:
“Si le apetece me parece fantástico porque está guapísima”
Leia em:

CRÓNICA DE SEXTA-FEIRA (8ª)

Entrevista a Salazar

Depois de um fervilhar de opiniões e de discussões em torno do meu pretérito artigo semanal, que retratou a problemática relacionada com o facto de António Oliveira Salazar se colocar nos lugares cimeiros da votação do programa da RTP Grandes Portugueses, decidi alterar o meu estilo de crónica e por conseguinte vou transcrever um excerto de uma insigne entrevista do salazarista António Ferro ao Ditador português que governou com mão-de-ferro o País durante 36 anos:
António Ferro: “Há quem atribua o seu antiparlamentarismo ao seu feitio aparentemente concentrado, ao seu horror dos discursos (…)”
Salazar: “Talvez tenham razão (...), eu sou, de facto, profundamente antiparlamentar porque detesto os discursos ocos, palavrosos, as interpelações vistosas e vazias, a exploração das paixões, não à volta de uma grande ideia, mas de futilidades, de vaidades, de nadas sob o ponto de vista do interesse nacional. O Parlamento assusta-me tanto que chego a ter receio, se bem que reconheça a sua necessidade, daquele que há-de sair do novo estatuto. Para pequeno Parlamento — e esse útil e produtivo, como no caso actual — basta-me o Conselho de Ministros (...).”
Posteriormente à leitura podemos avultar uma proposição que poderá levantar alguma incongruência e que não possui enquadramento político e cultural nas sociedades actuais. Essa afirmação é: “...eu sou, de facto, profundamente antiparlamentar porque detesto os discursos ocos, palavrosos…”. Reza a História que Salazar abominava o parlamentarismo da I República por implementar um aparelho de Estado anticlerical e, por ter ingressado (com o apoio incontornável de Gonçalves Cerejeira) no Centro Católico Português, manteve uma posição firme e activista em prol da implosão desse sistema político vigente no nosso País. Este conjunto de factos pode preludiar uma exequível explicação do seu “antiparlamentarismo” que se conservou incontestável até 1968.
Diversas questões éticas se aprumam, contudo há uma que devo divulgar aos meus caros leitores: Como é que é possível que na segunda metade do século XX Portugal fosse superintendido por uma mente anacrónica e “antiparlamentar”, quando na Europa e no Mundo, o fenómeno da Globalização se intensificava, as Democracias constitucionais e parlamentares estavam plenamente consolidadas, com a progressiva homogeneização do comércio mundial e com o reforço do processo de descolonização como uma das pedras basilares do Direito Internacional?

By Afonso Leitão

quinta-feira, janeiro 11, 2007

MY WAY por Frank Sinatra e Paul Anka

Qual será o n/caminho nos próximos tempos ?

A música da próxima semana vai ser DIANA de Paul Anka. Este vídeo é só um cheirinho até lá...

SONDAGEM TVI AO REFERENDO DO DIA 11/02/2007

O «sim» venceria o referendo sobre o aborto, se a consulta se realizasse hoje.

É o que indica uma sondagem realizada pela Intercampus para a TVI, jornal «O Público» e Rádio Clube. O «sim» vencia com 67% dos votos e o «não» teria apenas 33%.
São os simpatizantes do Partido Comunista (PCP) e do Bloco de Esquerda (BE) quem de forma esmagadora, votam na despenalização.
Na caracterização por partido, o «sim» ganha em todas as frentes. As pessoas que se sentem mais próximas do Partido Socialista (PS) optam claramente pelo «sim», com 64% dos votos. Já para quem habitualmente vota PSD, «sim» e «não» andam próximos. O «sim» recolhe 47% dos votos, o «não» obtém 42%.
No eleitorado do CDS-PP há resultados surpreendentes: ganha o «sim», com 55% das intenções de voto.
No PCP, 71% dos eleitores optam pelo «sim» e 20% das intenções de voto vão para o «não». Por fim, o BE, a percentagem do «sim» bate todos os recordes, juntando 89% dos votos.

OS 100 G.NOMES DA HISTÓRIA MAIS VOTADOS

A apresentação pública dos nomes acima referidos só tem uma classificação :
VERGONHA, VERGONHA, VERGONHA.
Fiquei absolutamente chocado com a maioria dos nomes votados. Será que alguém me pode explicar a razão do aparecimento de nomes como :Hélio Pestana , Vitor Baía, Luís Figo, Cristiano Ronaldo,António Gentil Martins ,Herman José, Joaquim Agostinho ,Jorge Nuno Pinto da Costa, Irmã Lúcia , José Mourinho ,José Sócrates e tantos tantos outros que lá constam ... Nâo indico senhoras ( excepto Irmã Lúcia, que é que ela fez de relevante para o País ?) porque acho que devia haver mais e com muito mais valor.Eu já esperava este resultado, mas ver para crer. É mau de mais, não perco mais tempo nisto...

Quem vai à "celebração"?

Jornal de Notícias, 11-1-07
  1. O Director Geral dos Impostos manda celebrar a missa
  2. O Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais vai à missa
  3. Os funcionários da Direcção Geral dos Impostos vão à missa
  4. As TVs e os Jornais aparecem, filmam e noticiam
  5. Será que foram rezar pela salvação das nossas finanças?
  6. O que fará correr esta gente?
  7. Não é o divino "Espirito Santo" pois o Director Geral era Director do BCP
  8. Será porque o Director Geral dos Impostos ganha 25.000 € por mês? (não me enganei...!)
  9. Será "Obra de Deus"?
  10. Será que o Estado é laico?
  11. Será que anda tudo doido?
  12. Será que eu ando noutro mundo?
  13. Será...
No texto da notícia pode ler-se:
"...A celebração decorreu na Sé Catedral de Lisboa e foi rodeada de um forte aparato mediático..."

ASSIM É A FÉ DESTA GENTE!

Para (re)lembrar os esquecidos...

Salgueiro Maia

COLHEITA63 - CIÊNCIAS



Que no caminho da vida
Encontres flores e não ais
E grava bem na memória
A lembrança dos teus Pais

A Zélia para quem não sabe, é a madrinha da Colheita pois foi ela que lhe pôs o nome e além disso, foi a principal responsável pelos n/encontros. Fez o trabalho de sapa mais a Levinda, Isaías e Osório , recolha de endereços , comunicações etc. Ela tem muita responsabilidade na existência da Colheita e tenho estranhado muito o seu alheamento . O coração tem razões que a razão desconhece...Espero que apareças e nos deixes a todos contentes. Um grande abraço

quarta-feira, janeiro 10, 2007

PARA DESTRESSAR.....

6 minutos de boa música - Mozart

Espanto! (há dias de sorte...)

Há cerca de 8 (oito) dias recebi o cartão da ADSE com o nome errado.
Enviei um e-mail para a ADSE referino o facto.
Dois dias depois tinha um e-mail de resposta referindo que registavam a informação e que o novo cartão seria enviado para casa.
Já o recebi, devidamente preenchido.

Hoje fui às Finanças, tratar de vários problemas.
Ia cheio de medo, pensando, "o que m' irá acontecer?".
Fui atendido de imediato por um funcionário simpático.
Tão simpático que pensei, "estás p'ra ma pregar".
Não pregou.
Resolvi tudo em 5 (cinco) minutos, a contento!
De seguida fui à Tesouraria pagar o IRS (por conta), fora do prazo!
Uma funcionária, sorridente e afável, em 2 (dois) minutos,
"esportulou-me" através do Multibanco.
Saí satisfeito, paguei mas fiquei contente.
Ao todo gastei 10 (dez) minutos!

Afinal nem tudo é burocracia neste País.
Alguma coisa mudou para melhor.

terça-feira, janeiro 09, 2007

PARA O VITOR BARATA

Para o VBarata a ver se, se lembra desta foto. Continua a aparecer . Viva o Glorioso

COMENTÁRIOS NAS JANEIRINHAS

Já que falastes tanto em Valhadolid aqui uma vai uma foto, para ver quem se lembra ..

PARA O MANEL CARVALHO

Sem comentários...

COLHEITA 63 -Ciências



Nunca mais me esquece os dois dias que passámos em casa dela na Aldeia, eu e muitos elementos da Colheita, lembro-me do Quintas, Mansilha, Niso, Isaías e mais. Era dia da Festa. Foi uma maravilha


EM TEMPO : Há quem tenha uma memória muito melhor que a minha (caso da Gélica no seu comentário).Efectivamente não era a festa da aldeia, mas sim aquilo que a Gélica referiu, mas foi como se fosse. Não me lembro nada das meninas terem ido, só me lembro que foram 2 dias muito bem passados. A aldeia chama-se Lanção e lembro-me que tivémos de ir a pé da estação da C.P. mais próxima ( Sortes, seria ?).