A interactividade da Colheita63 em movimento contínuo para todo o Mundo e especialmente para Lisboa , Tomar , Monte Estoril , Linda-a-Velha , Setúbal , Coimbra , Porto , VNGaia , Braga , VNFamalicão , Santo Tirso , Afife , Vila Real , Vinhais , Bragança , Castelo Branco , Seia , Vendas Novas , Varsenare e Aveiro

sexta-feira, julho 31, 2009

Jacgues e o Amo

Antes de lançar mãos ao que me trouxe cá, registo a surpresa das modificações introduzidas no décor do blogue. Está diferente e está bem !
E é já neste novo cenário que apresento as duas personagens centrais da peça de teatro "Jacques e o seu amo", de Milan Kundera ,na cena com que a peça termina. São , precisamente, Jacques e o Amo que regressaram ao palco e que ,depois de trocarem emoções e abraços, dizem:
"........................................................................................................................................................
Jacques:... Não, não, por favor, dizei-me antes para onde vamos.
O Amo : E saberá alguém para onde vai?
Jacques: Ninguém sabe.
O Amo : Ninguém.
Jacques : Então, guiai-me.
O Amo : Como posso guiar-te se não sabemos para onde vamos?
Jacques : Como está escrito lá em cima. Sois o meu Amo e tendes por missão guiar-me.
O Amo : Sim, mas esqueces-te do que está escrito um pouco mais adiante. É certo que é o Amo quem dá as ordens, mas quem decide quais é Jacques. Então, estou à espera!
Jacques : Bem , quero que me leveis ... em frente ...
O Amo (olha à volta, com ar constrangido) : Está bem,mas em frente é para onde ?
Jacques : Vou revelar-vos um grande segredo. Uma astúcia imemorial da humanidade . Para a frente é em qualquer direcção.
O Amo (lançando à sua volta um olhar circular) : Em qualquer direcção?
Jacques (descrevendo um círculo com um gesto largo do braço) : Para onde quer que olheis , é sempre em frente!
O Amo (sem entusiasmo) : Mas é magnífico, Jacques ! É magnifico !
(Roda lentamente sobre si mesmo.)
Jacques (melancólico) : Sim, meu Amo, eu também acho muito belo.
O Amo (após um breve jogo de cena, tristemente) : Pois bem, Jacques, em frente !
(Dirigem-se,obliquamente, para o fundo do palco... ) "
E deixo -vos este pensamento para o fim-de-semana.

Retrocesso ou avanço ....

Este mundo de banqueiros, advogados e publicitários ia acabando com eles. Na economia dita pós-industrial que agora parece ter chegado ao fim, de serviços sobre serviços, abstracções sobre abstracções, eles foram-se tornando uma espécie cada vez mais rara, quase em vias de extinção.

Muitas vezes ouço a pergunta: onde é que eles andam? Onde é que eu encontro um? Os ho- mens devidamente abençoados com o chamado jeitinho de mãos já são um bem escasso; há até quem lute por eles. Homens que fazem disso o seu ofício também são tantos como os ricos a entrar no reino dos Céus. Mas tenho boas notícias: com a crise económica, estes homens vão regressar. Mecânicos, canalizadores, carpinteiros. Há um futuro seguro para eles que não existe para a caterva de licenciados que se acumulam no desemprego.

Vejam o percurso do americano Matthew Crawford, autor de um brilhante ensaio agora transformado em livro: "Shop Class as Soulcraft". Quando fazia o doutoramento em Filosofia Política na Universidade de Chicago, Matthew andava sempre deprimido. Largou a universidade já com a tese feita e foi experimentar um think tank. Meses depois, disse-lhes também adeus. Mantinha-se a frustração. Então fez a escolha que mudou a sua vida. Abriu uma oficina de reparação de motos. Na adolescência recebera algum treino como electricista. Tinha chegado ao seu destino. "Senti que passei a ter um lugar na sociedade", diz ele no livro.
O argumento de Crawford é que a obsessão com a economia da informação, alicerçada em modas educativas que secundarizaram a aprendizagem dos ofícios práticos, criando nas pessoas a ilusão de um futuro sempre "aberto", subverteu o valor do trabalho.
A escala social das últimas décadas, com a sua ênfase nos títulos universitários, nos cargos e no prestígio, também não ajudou. Resultado: deixámos de construir o que quer que seja, não sabemos fazer nada e trabalhamos em redes como criaturas passivas dependentes de outras criaturas passivas, sem nunca nos realizarmos verdadeiramente.

O contraste com o mecânico não podia ser mais evidente. O mecânico sabe que o problema que tem para resolver é apenas um: o carro não pega. O sucesso do seu trabalho consiste em reparar essa anomalia. Nada de meios-termos. Sujar as mãos, usar duas ou três ferramentas e duas ou três teorias. E voilá: o motor voltar a roncar. O mecânico pode depois regressar a casa com a sensação redentora do trabalho feito. O orgulho de poder dizer "sei como se arranja um carro" confere ao mecânico uma satisfação ausente dos trabalhadores angustiados do "colarinho branco". Preparem-se pois para a próxima revolução: 
 
 quem dominar bem um ofício mandará no mundo.

In I de hoje
-------
 
Não tenhais dúvidas , vai acontecer isso mais cedo ou mais tarde ...

Inocência ou incompetência?


Fátima Felgueiras foi absolvida no último processo que decorreu no Tribunal.

Razões:
  • o Ministério Público não conseguiu provar a culpa
  • estava inocente
Como desta vez não falaram de pressões e de falta de meios, se ela era culpada, só resta a incompetência.
Quando vierem falar de falta de meios, podemos falar na quantidade de pessoas que o MP julga e condena na praça pública, com as fugas ao segredo de justiça, e não consegue, em Tribunal, fazer prova!
Será que o senhor Palma vai fazer queixa ao Presidente?
Em Democracia eu não tenho de provar a minha inocência, o MP é que tem de provar a minha culpa. É assim em todos os países democratas e civilizados.
Uma vergonha! Já enjoa a quantidade de casos que não são provados em Tribunal, na maioria das vezes, por incompetência da investigação.
Não esquecendo que estão a gastar dinheiro dos contribuintes.
Se os professores, os médicos, os engenheiros, etc., trabalhassem assim, "caía o Carmo e a Trindade"!
Deus nos livre de estes senhores se cruzarem connosco!

quarta-feira, julho 29, 2009

O caso Joana Amaral Dias

("roubada" no Jumento)

Desde sempre, entre Trotskistas e Estalinistas, os militantes que pensavam pela sua cabeça eram "apagados da fotografia".
Esta já foi!

Lembram-se?

in SIMplex

Esta Senhora, já recuperada da gripe salvadora, anda muito desmemoriada!
Momentos Alzheimar?

Para o IFFT, com os meus cumprimentos!

Afinal...

Corria por aí que os governos de esquerda é que são despesistas e que os governos de direita reduzem a despesa pública. Puro engano em Portugal!
Como prova Ricardo Reis no jornal I:
«Sendo o PSD o partido à direita, esperaríamos que o crescimento do Estado fosse mais moderado quando está no poder. Mas os dados revelam uma realidade surpreendente. Quando o PSD está no poder, o monstro cresce em média 0,35% por ano, enquanto quando é o PS no poder a despesa cresce apenas 0,25% por ano. Se olharmos só para o efeito do partido no poder na despesa pública para além do efeito das variáveis económicas, então o contributo do PSD para o monstro é ainda maior, o dobro do que o do PS. Olhando para os quatro governos individualmente, o maior aumento na despesa veio durante os governos de Durão Barroso e Santana Lopes: 0,48% por ano. Segue--se-lhe o governo de Cavaco Silva com 0,32%, António Guterres com 0,31%, e por fim José Sócrates com um aumento de apenas 0,14%. Se excluirmos o enorme aumento na despesa no primeiro trimestre de 2009 associado à crise, o governo de José Sócrates e dos ministros Campos e Cunha e Teixeira dos Santos teria a rara distinção de ser o único governo que reduziu o tamanho do monstro, de 21,5% do PIB quando tomou posse para 21% no final de 2008.

Aditamento:

Note-se que Ferreira Leite foi Ministra das Finanças de Durão Barroso, o governo mais despesista de todos. Bem prega Frei Tomás!...

in Causa Nossa

NOTA (minha)- Ricardo Reis é Professor de Economia na Universidade de Columbia - New York. Mais ainda, os blogues ligados ao Bloco de Esquerda vieram logo defender o PSD!
É a Santa Aliança! Para eles quanto pior melhor, o povo que se lixe.
Quanto ao PC ninguém liga, já se conhece a cassete de cor desde 1975!
O porta voz do PSD, Patinho Antão, só conseguiu dizer, meio engasgado, que o défice existe há muito tempo! Deus nos livre desta malta!

O(a) Mostrengo(a)


Quem será ?
Ver mais ....

terça-feira, julho 28, 2009

A igreja na corrida...VALE TUDO!

Palmira F. Silva

Os padres das paróquias da Baixa resolveram tecer encómios a Pedro Santana Lopes no respectivo boletim paroquial e anunciar ao seu rebanho que o apoiam na corrida autárquica para Lisboa.
No último boletim das paróquias da Baixa-Chiado, o cónego Armando Duarte, que pressurosamente esclareceu ser apoiado no panegírico pelos restantes párocos, escreveu, completamente sem vergonha na cara, que «Este homem ama a Cidade! ... Este homem é um homem de palavra!... Este homem tem visão!... Este homem tem vergonha!».
«Em 2002, mal tomou posse, Santana Lopes recebeu-nos e aproveitou para nos dizer que queria ajudar na reabilitação das nossas igrejas».

E agora António?


Um jornalista do jornal i, na entrevista que efectuou a António Capucho, Presidente da Câmara de Cascais, Conselheiro de Estado e destacado dirigente do PSD, perguntou em quem votaria em Lisboa.
Resposta do mesmo:
"Em Lisboa, há uma razão adicional de natureza familiar para não me pronunciar. A número 2 da lista de António Costa, Helena Roseta, tem a particularidade de ser irmã da mulher com quem sou casado há 41, ou 42 ou 43 anos. E somos amicíssimos, embora muitas vezes divergentes no plano político, mas convergentíssimos em variados planos, intelectuais e outros. Custa-me imenso estar a falar desta matéria."

Esta é para rir...já não chegava a D. Manuela!

11 expressões usadas pelas mulheres...e os seus verdadeiros significados:

1 - "Chega": Esta é a palavra que as mulheres usam para encerrar uma discussão quando elas estão certas e tu tens que te calar.

2 - "5 minutos": Se ela está a arranjar-se significa meia hora. "5 minutos" só são cinco minutos se esse for o prazo que ela te deu para veres futebol antes de ajudares nas tarefas domésticas.

3 - "Nada": Esta é a calmaria antes da tempestade. Significa que ALGO está a acontecer e que deves ficar atento.. Discussões que começam em "Nada" normalmente terminam em "Chega".

4 - "Tu é que sabes": É um desafio, não uma permissão. Ela está a desafiar-te, e nesta altura tens que saber o que ela quer... e não digas que não sabes!

5 - Suspiro ALTO: Não é realmente uma palavra, é uma declaração não-verbal que frequentemente confunde os homens. Um suspiro alto significa que ela pensa que és um idiota e que só está a perder tempo a discutir contigo sobre "Nada".

6 - "Tudo bem!!!": Uma das mais perigosas expressões ditas por uma mulher.. "Tudo bem!!!" significa que ela quer pensar muito bem antes de decidir como e quando vais pagar na mesma moeda pelo que fizeste.

7 - "Obrigada": Uma mulher está a agradecer, não questiones, nem desmaies. Apenas diz "de nada". A menos que ela diga "MUITO obrigada" - isso é PURO SARCASMO e ela não está a agradecer por coisa nenhuma. Nesse caso, NÂO digas "de nada". Isso apenas provocará o "Esquece".

8 - "Esquece": É uma mulher a dizer "Vai-te ... !!"

9 - "Deixa estar, EU resolvo": Outra expressão perigosa, significando que uma mulher disse várias vezes a um homem para fazer algo, mas agora está ela a fazer. Isto normalmente resulta no homem a perguntar "mas afinal o que é que queres?". Para a resposta da mulher, consulta
o ponto 3.

10 - "Sabes, estive a pensar...": Esta expressão até parece inofensiva, mas usualmente precede os Quatro Cavaleiros do Apocalipse.

11 - "Precisamos ter uma conversa!": estás a 30 segundos de levar com um belo par de patins.

segunda-feira, julho 27, 2009

PROMESSAS ELEITORAIS- Parte II

(Continuação)
Continuando a elencar as “mentiras” , promessas não cumpridas, anunciadas pelo Grande Lider na campanha para as Legislativas de 2005, aí vão mais umas mãos cheias delas...
Cuidado, apesar deste rol imenso, desde que estamos em pré-campanha para a próxima, o mesmo distinto senhor já lançou aos quatro ventos, mais do dobro ou do triplo.
Não aprendeu nada...

6.-ECONOMIA
Os 150 mil novos empregos não passaram dum delírio. O Apoio às PME, 90% do nosso tecido empresarial foi trocado pelas Grandse Empresas. A fraca produtividade nacional não permitiu o crescimento, pelo que o propalado Plano Tecnológico não se fez sentir.

7.-EDUCAÇÃO
A avaliação do desempenho andou aos solavancos e quedou-se, finalmente, nos mínimos. A redução do insucesso escolar , não passou ds intenções.

8.- ENSINO SUPERIOR
O desejo de avaliar a imensidão de Cursos existentes, com pouco ou nenhum interesse, não pôde ser cumprida face ao atraso, imcompreensivel, do Organismo criado para tal.

9.-FINANÇAS PÚBLICAS
Em 2005 a Dívida Pública era 64% do PIB, tendo atingido os 70%.
E quanto ao défice foi o que se e o que aainda se está para ver!

10.-JUSTIÇA
Onde está a “ Carreira Plana” de juízes e magistrados?
O Mapa Judiciário, já passou da 1ª experiência?

11.- OBRAS PÚBLICAS
O TGV, o aeroporto e as auto-estradas que foram os grandes “slogans” durante a legislatura, logo que a polémica elitoral se instalou e alegando “ o escrúpulo democratico”, depressa foram suspensos.

12.- SAÚDE
A prescrição de medicamentos apenas pela substância activa, esbarrou no poder dos Grandes Laboratórios e Associação de Farmácias.
Fim

Notas do dia

Algumas notas (poucas):

  • Aproximam-se as eleições e os homens de mão do aparelho laranja voltam com a licenciatura do Sócrates. Seria interessante que perguntassem ao Senhor Santana e ao Senhor Barroso, quantos exames fizeram na Faculdade de Direito, de braço no ar, nos anos da brasa?
  • Os laranjas dizem, satisfeitos, que Tavares Moreira, ex-governante cavaquista, que tinha sido sancionado pelo Banco de Portugal, com multa e inibição de exercer funções na Banca durante 7 anos, por "trafulhices bancárias", foi inocentado. Pura mentira! Aconteceu que recorreu para tribunal e com a rapidez dos tribunais portugueses só passados 5 anos foram confirmadas as sanções e a multa. Voltou a recorrer e o Tribunal de Relação de Lisboa, invocando "minudências processuais" (seja o que isto for), mandou repetir o julgamento sabendo que já não havia tempo para tal. Como estamos no "país das maravilhas" o prazo prescreveu e o processo foi arquivado! Gand'a justiça, para os ricos, neste país!
  • Palma Inácio morreu. Almeida Santos fez um elogio. A direita ressabiada, tentou morder. Mas o que é um facto é que Palma Inácio nunca aceitou nenhum cargo, nenhuma nomeação, nenhuma honraria. Lutou por valores, esses mesmos que possibilitam que agora a direita insulte! Exemplos destes é que eles não têm, por isso a raiva desmedida.

Manobra de pressão para ir nas listas do BE?

Joana Amaral Dias poderia ter sido convidada pelo PS, recusar o convite e encerrar o assunto em privado e em silêncio. Entendeu, por razões que não interessa para o caso, comunicar o sucedido a Francisco Louçã. Este, por sua vez, poderia ter ficado a saber do sucedido e nada dizer em público. Entendeu, todavia, criar um caso político. E é aqui que o caso se torna interessante: por que motivo Louçã decidiu amplificar e dar um impacto político ao convite?
Dissuasão, pura e dura. Louçã entendeu responder de forma desproporcional, de modo a incutir um custo, ou a expectativa de um custo, de tal forma elevado que obrigue o PS a pensar duas vezes antes de voltar a abordar alguém do BE.Ironicamente, a reacção de Louçã revela também fraqueza.
Algo surpreendentemente ficámos a saber que o líder do BE receia as investidas do PS nas suas águas. Louçã receia eventuais deserções nas fileiras. Quem diria?
Nota - CONFESSO: fui eu que a convidei...(apesar de ser um dia especial, cá por casa houve sarrabulho!)

Data importante!


Hoje, 27 de Julho, é uma data importante:

  • Nasceu uma estrela: Colheiteiro de 63

Nota - neste dia morreu um ditador: Salazar, mais um motivo para alegrar!

Três homens honestos!

Recebida by mail

domingo, julho 26, 2009

Assédio, mas não sexual!

O Francisco Anacleto Louçã, líder dos betinhos de esquerda (BE), com grande alarido e eloquência, clamando por tráfico de influências, veio acusar o PS de assédio!
A sua quase expulsa Joana Amaral Dias, ex-mandatária de Soares, terá sido convidada para integrar as listas do PS.
A direita (PSD/PP) rejubilou e também alaridou.
Entretanto José Sócrates já desmentiu, com veemência!
Mas vejamos, não será que qualquer partido pode convidar quem quiser?
- Pode!
E qualquer convidado não pode recusar o convite?
-Pode!
Está tudo doido?
-Não!
São as eleições estúpido!

Gripe por encomenda?

A D. Manuela não participa na anual arruada da Madeira por estar com gripe, diz o PSD.
Gripe na hora certa, incapacidade de tomar uma posição, ou perda de memória?

Será ?

PANDEMIA DE LUCRO

Que interesses económicos se movem por detrás da gripe porcina?
No mundo, a cada ano morrem milhões de pessoas vitimas da Malária que se
podia prevenir com um simples mosquiteiro.

Os noticiários, disto nada falam!

No mundo, por ano morrem 2 milhões de crianças com diarreia que se poderia
evitar com um simples soro que custa 25 cêntimos.

Os noticiários disto nada falam!

Sarampo, pneumonia e enfermidades curáveis com vacinas baratas, provocam a morte de 10 milhões de pessoas a cada ano.

Os noticiários disto nada falam!

Mas há cerca de 10 anos, quando apareceu a famosa gripe das aves…

Os noticiários mundiais inundaram-se de noticias…


Uma epidemia, a mais perigosa de todas…Uma Pandemia!

Só se falava da terrífica enfermidade das aves.

Não obstante, a gripe das aves apenas causou a morte de 250 pessoas, em 10
anos…25 mortos por ano.

A gripe comum, mata por ano meia milhão de pessoas no mundo. Meio milhão
contra 25.

Um momento, um momento. Então, porque se armou tanto escândalo com a gripe das aves?

Porque atrás desses frangos havia um “galo”, um galo de crista grande.

A farmacêutica transnacional Roche com o seu famoso Tamiflú vendeu milhões de doses aos países asiáticos.

Ainda que o Tamiflú seja de duvidosa eficácia, o governo britânico comprou
14 milhões de doses para prevenir a sua população.

Com a gripe das aves, a Roche e a Relenza, as duas maiores empresas
farmacêuticas que vendem os antivirais, obtiveram milhões de dólares de
lucro.

-Antes com os frangos e agora com os porcos.

-Sim, agora começou a psicose da gripe porcina. E todos os noticiários do
mundo só falam disso…

-Já não se fala da crise económica nem dos torturados em Guantánamo…

-Só a gripe porcina, a gripe dos porcos…

-E eu pergunto-me: se atrás dos frangos havia um “galo”… ¿ atrás dos
porcos… não haverá um “grande porco”?

A empresa norte-americana Gilead Sciences tem a patente do Tamiflú. O
principal accionista desta empresa é nada menos que um personagem sinistro,
Donald Rumsfeld, secretario da defesa de George Bush, artífice da guerra
contra Iraque…

Os accionistas das farmacêuticas Roche e Relenza estão esfregando as mãos,
estão felizes pelas suas vendas novamente milionárias com o duvidoso
Tamiflú.

A verdadeira pandemia é de lucro, os enormes lucros destes mercenários da
saúde.

Não nego as necessárias medidas de precaução que estão a ser tomadas pelos
países.

Mas se a gripe porcina é uma pandemia tão terrível como anunciam os meios
de comunicação.

Se a Organização Mundial de Saúde se preocupa tanto com esta enfermidade,
porque não a declara como um problema de saúde pública mundial e autoriza o
fabrico de medicamentos genéricos para combatê-la?

Prescindir das patentes da Roche e Relenza e distribuir medicamentos
genéricos gratuitos a todos os países, especialmente os pobres. Essa seria
a melhor solução.

PASSAI ESTA MENSAGEM POR TODOS LADOS, COMO SE TRATASSE DE UMA VACINA, PARA QUE TODOS CONHEÇAM A REALIDADE DESTA “PANDEMIA

By Francisco Almeida por email

Para quem estiver interessado


Francisco Almeida

sábado, julho 25, 2009

Por terras da Índia… ( 4 )

JAIPUR a cidade cor-de-rosa.

Depois de Agra e, ainda, com a lembrança do magnífico Taj Mahal - o imponente mausoléu de mármore branco - que ao longo do tempo se encarregará de perpetuar o amor que um tal Imperador sentia por sua esposa, continuámos em direcção a Jaipur, a cidade rosa do Rajasthan, terra de príncipes, guerreiros, palácios e fortalezas.


Fatehpur Sikri, a cidade abandonada.

Fizemos uma 1ª paragem em Fatehpur Sikri, “the deserted red sandstone city” - a cidade da Vitória, que em tempos do Imperador Akbar fora capital do império mongol, embora por pouco tempo.


Fathepur Sikri

Hoje, é uma cidade-museu em pedra, desabitada devido à escassez de água. Todavia, é grandiosa e rica em palácios e magníficas construções de que destaco a Jama Masjid, considerada uma cópia da mesquita de Meca.

Finda a visita retomámos a viagem até à cidade cor de rosa, assim chamada devido à cor dos materiais utilizados na construção dos edifícios.

Ao cair da tarde chegámos a JAIPUR, capital do Estado de Rajasthan – o estado mais colorido da Índia. Esta cidade, a 230 km de Delhi, planeada e construída pelo astrónomo Jai Shing, no séc. XVIII, obedecia a um projecto de planeamento bastante avançado, ainda pouco comum na maioria das cidades europeias.


Jaipur, City Palace

No dia seguinte, após o pequeno almoço fizemos uma visita panorâmica pela cidade e subimos, montados em elefantes, o íngreme caminho pavimentado de lajes de pedra que nos conduzia ao célebre Forte Amber, a 11 km de Jaipur.


Subida para o Forte Amber

Apesar deste pequeno percurso não ter sido muito confortável para os sofredores da coluna, a visão panorâmica da marcha dos elefantes em fila, subindo a encosta, foi compensadora!


Entrada do Forte Amber

Entrámos na cidadela, um autêntico labirinto de robustas muralhas e torres, onde pudemos ver um fantástico palácio em mármore com muitas colunas e muito trabalho em talha, cujo reflexo se podia observar numa infinidade de pequeníssimos espelhos que pareciam forrar as paredes de algumas das salas. Esta imponente cidadela fora, noutros tempos, uma brilhante capital do Império Rajput.


Sala do Palácio revestida por milhares de pequeníssimos espelhos

Da parte da tarde, após o almoço, percorremos os locais de maior interesse turístico da urbe, o que nos permitiu ver o Palácio da Cidade, o Jantar Mantar ou Observatório Real.


Jantar Mantar, o Observatório Real

Numa das artérias principais localizava-se o mundialmente conhecido Palácio dos Ventos, o Hwa Mahal - a obra prima de Jaipur, em forma de favo. Consta que era desse palácio, um muro finamente esculpido, que as damas da corte de Jaipur podiam assistir de longe às procissões e, observar os eventos mais importantes da cidade.


Palácio dos Ventos

Como curiosidade não deixarei de referir a quantidade de famosos joalheiros aqui sediados e o facto, de serem enviadas de todas as partes da Índia para Jaipur, quantidades de pedras preciosas para lapidar e esculpir: esmeraldas, diamantes e safiras que na maioria destes joalheiros se encontravam “ aos sacos “.

Francisco Almeida


Notas do dia 25 de Julho!

1 - Programa de Governo do PSD:



2 - PS apresenta hoje o seu Programa eleitoral.

3 - João Cordeiro, o multimilionário monopolista das farmácias, dono de um polvo ligado a medicamentos, insulta tudo e todos!
Até quando?
Haja alguém que tenha coragem para alterar o regime de licenciamento das farmácias.
Sócrates começou mas ficou a meio...

4 - Foram criados 2 blogues para tomarem parte activa na campanha eleitoral.
Um apoia o PS (SIMplex), outro o PSD (Jamais).
Não vejo nenhum mal!
Estes, pelo menos, assumem-se, não querem enganar ninguém!
Apareçam mais!

5 - Na lista do PS, por Lisboa, segundo a RTP2, aparece em sétimo lugar Miguel Vale de Almeida, "activista gay e ex-destacado militante do BE".
No entanto a jornalista-apresentadora, que foi falada para candidata do PSD a uma Câmara, esqueceu-se de dizer que é Professor Associado de Antropologia no ISCTE!
Pois é, só se diz o que interessa.
Isto é manipular a informação.
Em terceiro lugar, na mesma lista, vem a actriz e realizadora, Inês de Medeiros.
Os do costume, paradoxalmente algumas mulheres, comentaram que só lá está por ser uma "carinha larocas"!
Ou seja, as mulheres não pensam, são umas incapazes, só servem de objectos decorativos!
A Angela Merkel só é Chanceler pela carinha larocas!
A MFL foi eleita para chefe do PSD por ter uma carinha larocas...!
Falta de nível e de argumentos!

6 - Buscas em casa de José Roquete, ex-Presidente do Sporting , no âmbito do caso BPN.

7- Pais chocados com abuso pedófilo no Colégio Militar por pessoa externa ao mesmo.

8- João Rendeiro, o banqueiro prodígio do BPP, já é arguido.

9 - MFL estará com gripe, em casa, mas, segundo um seu assessor, não é gripe A.
Desejamos rápidas melhoras.

10 - Segundo a OMS a Gripe A está em todo o mundo e prevê-se que as vacinas estarão disponíveis em Setembro/Outubro.

10 - Benfica começa bem, mas o primeiro milho é dos pardais...

Voltarei com mais notas soltas! Criticando e informando para os dois lados!

Sensacional


Apreciai bem , uma canção do nosso tempo cantada por três jovens tenores de 14 anos . Sensacional !!!!

Ignorância, incompetência e demagogia!

Tentativa de suavizar o tiro!


Cavaco para Dr.ª Manuela: — Faz demagogia mas não abuses!

Cavaco Silva, referindo-se ao défice, afirmou a um jornal austríaco: “Portugal encontra-se numa situação semelhante à de todos os outros países da UE, mas de certeza que não comprometemos a Zona Euro”.

Basta recordar a situação da Alemanha, Espanha, Irlanda, Grécia, Itália, etc. para verificar que Portugal está, em termos de consolidação orçamental, em melhor situação do que muitos dos países da Zona Euro.

Em todo o caso, a entrevista do Presidente da República é suficiente para desmontar a demagogia barata da Dr.ª Manuela relativamente às contas públicas.

[Publicado antes no SIMplex]

posted by Miguel Abrantes

sexta-feira, julho 24, 2009

UM EGO MAIOR QUE O MUNDO...

Só faltava esta !
O que será dos Portugueses se ainda teremos que esperar cerca de 3 dezenas de anos, para que o nosso País possa vir a ser melhor governado do que actualmente o está a ser!
E, demora todo este tempo, porquê?
Porque, segundo um “Bruxo” da nossa praça, anteontem, numa reunião de Empresários do Norte, lançou esta profecia, perante especialistas nas artes das finanças e da economia,
não se coibindo de afirmar em tom magnânimo: “Digam o que disserem, mas ainda está para nascer em Portugal, um primeiro-ministro que tenha feito melhor que o actual governo”.
E o mais dramático prende-se, com o facto de quem o afirmou, com tal veemência, ser um profundo e experimentado conhecedor do Governo das Nações, com provas, sobejamente dadas e já sufragadas, no nosso País, no início do mês passado, com os resultados por nós tão bem compreendidos!
Poder-se á perguntar se a modéstia e a humildade fazem parte do vocabulário dessa bizarra personagem e se o adágio “ é mais cego que um cego, aquele que não quer ver” eram ensinados, nas décadas de sessenta e setenta, nas escolas do Distrito de Castelo Branco.
Ambas as respostas às perguntas formuladas, inserem-se, certamente, e vão no sentido das realidades comuns.
Então o que é naquele naquele momento terá passado pela cabeça do “Grande Líder”?
Apenas e só a mesma forma de pensar desde que iniciou funções:
Um profundo desprezo por tudo e por todos e a demonstração insofismável de possuir um EGO, que não se coaduna a quem deseja ser o arauto de um Povo.

quinta-feira, julho 23, 2009

Quem quer encontrar a "Lagosta Perdida" ?

(Para aumentar clica na imagem)

Se realmente queres, Clica aqui

By M.G. por email

Risco ou não risco ?

A vida é um risco. A frase não faz filosofia barata. Explica, sim, a decisão que está por trás da primeira página de hoje: mostrar como em 24 horas se altera a percepção da realidade e, sobretudo, a dimensão que se dá ao risco. O assunto (do risco) é tema de estudo há longos anos e está a alterar a forma como vivemos uns com os outros. Vamos por partes.

Primeiro: Quando se vive sem risco, perde-se a noção da incerteza. Isto é, vive-se apenas com aquilo que é certo e absolutamente seguro. Isso significa que não se alteram paradigmas. Se existem notas para pagar produtos, por exemplo, ninguém se esforçará por inventar o cartão multibanco. Viver sem incerteza seria, portanto, como viver sem evolução. Tudo ficaria parado.

Segundo: Se ausência de risco trava evolução, risco em demasia pode antecipar o desastre. A crise financeira resulta de se aceitar o risco como quem come chocolate - há sempre espaço para mais um quadradinho. Sucede que, para quem se dedica ao estudo sociológico do risco, há diferenças entre este e a incerteza. Ou melhor, não existe risco que não produza incerteza, mas há incerteza que não gera risco. Explico: uma operação aos olhos, como uma viagem de carro, implica um grau de incerteza aceite por todos. Quando se verificam desastres, porém, passa a viver-se com risco.

Terceiro: Mário Lino desvalorizou um aviso da sua controller financeira (Zoom, pág. 25). É legítimo: ela é paga para evitar riscos, um ministro (como um gestor) remunerado para decidir em incerteza. Sucede que o negócio dos contentores correu mal - e pronto, com isso passa a existir uma certeza de risco nas decisões políticas. Com Oliveira e Costa é igual (Zoom, págs. 22-23) - decidir libertá-lo é uma aposta incerta (mas legítima). Como Fátima Felgueiras um dia fugiu, pode dizer-se que há risco nesta decisão. Quando a incerteza se materializa em risco, portanto, gera-se desconfiança. E então? Então amanhã um ministro pode preferir não tomar decisões - já sabe que elas são um risco. Como um juiz pode optar por não libertar um arguido - está provado que isso é muito arriscado. Com uma consequência: a sociedade deixaria de viver em incerteza para ficar quieta ao menor risco.

Quarto: José Sócrates é avaliado com dureza pelo Compromisso Portugal (Zoom, págs. 20-21), ou seja, o primeiro-ministro decidiu em incerteza, algumas dessas decisões geraram risco real e, agora, dão nota negativa ao seu desempenho. Isso: o próximo governante pode preferir não decidir. A primeira página de hoje altera, portanto, a percepção de risco que temos em relação aos hospitais, ao desempenho dos governantes e, potencialmente, em relação aos tribunais. Mas o que preocupa Ulrich Beck é que a alternativa a esta avaliação ao que se vai fazendo poderia bloquear as sociedades. O que lhe permite concluir: importante é ajudar as pessoas a viver com o risco, não tentar impedi-lo. Portugal não sabe viver com risco e tudo à sua volta justifica que aumente a sua prudência - se o fizer, porém, corre sérios riscos de acabar como projecto de país.
In I de hoje
----
Sempre fui adepto do risco calculado , sempre arrisquei e devo dizer que a maior parte das vezes , tive sorte ...

Já fede tanta vigarice!

Oito milhões de luvas

Luvas laranja

Há gente com muito frio nas mãos. Acabo de ler que Dias Loureiro é arguido em novo processo movido pelo Ministério Público, sob suspeita de ter recebido oito milhões de luvas pela venda ao grupo SLN, em 2001, da Plêiade SGPS, SA - uma holding que pertencera ao grupo José Roquette. Não imagino o que Loureiro poderia fazer com tanta luva. No lugar dele eu teria preferido um casacão, um par de botas e um cachecol. E um carrão com ar condicionado.

in Nikadas

Será que alguma vez fala verdade?

Nova contradição fragiliza Dias Loureiro

por Carlos Rodrigues Lima Hoje

Nova contradição fragiliza Dias Loureiro

O antigo conselheiro de Estado ora disse que tinha 15% da Plêiade, empresa de José Roquete vendida, em 2000, ao BPN, ora afirmou que tinha uma opção de compra de acções de 15%. Certo é que no contrato de venda, a que o DN teve acesso, é dito que Roquette é "único titular" das acções que representavam a "totalidade" do capital social da Plêiade

...

quarta-feira, julho 22, 2009

Cada cavadela sua minhoca!


Querias?

Toma!

Nostalgia 10

Soluções Laranja


Anteontem, em Vila Real, Manuela Ferreira Leite, guardiã da política da verdade, atirou-se às canelas de Sócrates: "Não só não tem vergonha (das promessas que fez e não cumpriu) como ainda por cima agora anuncia outras tantas promessas para depois não cumprir, caso ganhe as eleições. Se houvesse alguma ponta de vergonha naquilo que os políticos não devem fazer, esta devia ser uma delas".

A frase encerra três factos curiosos. Ferreira Leite já sabe que Sócrates está a anunciar promessas que não cumprirá. Não se lhe conheciam estes dotes de adivinhação. Ferreira Leite fala dos políticos como se se tratasse de um classe impura (digamos assim) à qual ela não pertence nem deseja pertencer. Por fim, Ferreira Leite fala das promessas que Sócrates não cumpriu - mas não aponta nenhuma delas. E, muito mais importante do que isso, sem as contrapor, sem dizer o que faria ela caso estivesse no lugar do primeiro-ministro.

Se bem se recordam, a líder do PSD começou assim o seu mandato: calada. Depois, perante a evidência do erro, desatou a falar. Agora, parece querer voltar aos tempos em que ninguém lhe conseguia puxar uma ideia. Ora é de ideias e de propostas que se faz o debate político. O contrário não é sério. Não basta ditar de cátedra meia-dúzia de lugares-comuns sobre a virtude da moral e dos bons costumes para construir um programa político.

Manuela tem um? Fará ela o favor de o mostrar aos indígenas? Ou teme que os índígenas se assustem?

In JN de ontem

------

Se calhar até teme , digo eu ....


terça-feira, julho 21, 2009

"Tudo vale a pena" - Vale mesmo?...

No séc. XXI temos somado decepções sobre decepções na prática política dos governos portugueses.A nova onda de políticos tem deixado muito a desejar em termos de preparação para uma prática em função de ideais que congreguem pessoas dispostas ao sacrifício com vista à realização do maior bem comum, no pressuposto da igualdade da pessoa humana perante a lei,da necessidade da reparação de injustiças ancestrais, da eliminação da miséria e da ignorância - com vista ao bem-estar do maior número de portugueses, incluindo neste o direito à assistência na doença e a valorização do intelecto como maior riqueza individual.
Em oposição ao que ocorreu na outra banda do Atlântico com a súbita entrada em campo de uma nova geração eivada de idealismo e de ousadia para avançar para uma outra forma de estar na política e com uma nova disposição para governar de forma eficiente, deste lado, e não só entre nós, tudo continua na mesma, cada um trata da sua quinta, esbatem-se os temas angariadores de entusiasmo e dinamismo ; contam-se espingardas e escolhem-se armas para os duelos eleitorais.
Do subsolo assomam ameaças de malfeitorias de várias cores que ninguém quer resolver ,como se fossem seguro de vida para interesses desencontrados. Uma forte desilusão,que irá durar!

Mas aqui e ali, em muitos sítios por certo, acontece um ou outro momento que, no valor da sua insignificância, se destaca ao transpor barreiras , criar elos e assegurar a relevância de valores que são intemporais e transversais ao espectro político. Dependem da grandeza própria de quem os cultiva e expressa por serem de si parte integrante. Refiro-me à inauguração ,em Bragança, da Biblioteca Professor Adriano Moreira , que este ofereceu à cidade que é cabeça do distrito onde nasceu e com a qual ele nunca teve relação pessoal e directa. Um gesto que se completará no uso abundante que os estudantes e perenes curiosos dela fizerem em cada dia e na sua lembrança do "homem bom" que o proporcionou.

SIMplex!

Simplex.

«A vida tem destas coisas, juntar pessoas que não se conhecem, homens e mulheres, jovens e menos jovens, gente consagrada e por consagrar, gente divertida e sisuda, oriunda das mais diversas áreas profissionais e políticas, sem outra afinidade que não uma declaração de voto comum:(...)"

Se calhar não diz...

E o Presidente não diz nada?!

Como se não bastasse a sua provocante proposta de eliminação do representante da República nas regiões autónomas e de criação do cargo de presidente da região, com poderes de promulgação legislativa e de convocação de referendos regionais, Alberto João Jardim veio também dizer que vai fazer um referendo a essas mesmas propostas na Madeira.
Sabendo-se que a convocação de referendos cabe exclusivamente ao Presidente da República e que não pode haver referendos sobre propostas inconstitucionais nem sobre matéria constitucional (como é o caso), até quando é que Cavaco Silva, normalmente tão zeloso das suas prerrogativas constitucionais (e bem!), resolve dizer "basta" às provocações institucionais do líder regional madeirense?

Pois é...


Nem 8 , nem 80 ...

Os obsessivos compulsivos da limpeza, e são muitos, devem estar radiantes com a ideia de se munirem de toalhetes desinfectantes, com um mínimo de 60% de álcool, e andarem atrás de todos nós a «limpar» tudo aquilo em que tocamos. Atendemos o telefone, e eles desinfectam-no a seguir, passamos a mão numa maçaneta e eles precipitam-se sobre ela, pousamos a mão numa secretária, e eles expurgam-na logo.
É claro que é fundamental lavar as mãos, aprendemo-lo de pequenos, é evidente que não devemos andar a espirrar em cima dos outros, mas é mil vezes preferível apanhar uma gripe, e a gripe A é só isso mesmo, do que ficar preso da paranóia, que só nos fecha e isola do Mundo. É que a doença mental não se trata com toalhetes nem cede a antipiréticos.
Mas a coisa já e muito antiga. Quando eu era miúdo , já lá vão mais de 55 anos tinha uma vizinha que não pegava em nada se não fosse com um papel , mas morreu cedo ...

SIMpleX, nas próximas eleições!

Sobretudo pelo PS

Não é possível estar na política com um pé dentro e o outro fora.
Não é possível pensar política com indiferença e esperar que alguém a faça por nós para depois reclamar imaculadamente.
Não é possível aguardar em política para ver a terra queimar em jogos de lucro calculado à custa da miséria alheia.
Não é possível estar na política sem tentar evitar o mal-maior.

Ficaria de mal comigo se faltasse a este projecto e não desse o meu contributo para a luta por um País melhor, mais justo e solidário. Ficaria de mal com os meus se nada fizesse para evitar que Portugal viesse a ser governado de Belém numa amálgama presidencial onde o governo e a capital pudessem ser a face da mesma moeda.

Por isso aqui estou, mais uma vez na frente de batalha, não em defesa de "sobretudo alguém" (até por não acreditar em infalíveis e iluminados), mas na defesa coerente dos que têm de ser defendidos e que sempre viram no Partido Socialista o motor do progresso, do desenvolvimento português, da solidariedade, da esperança e da liberdade.

Não quero um País suspenso da democracia, parece-me SIMpleX.

por Luis Novaes Tito


* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * ** * * * * * * * * *

Declaração de interesses: texto para eu reflectir, pois faz sentido para mim. Provavelmente votarei PS!

Fiz esta declaração de interesses, como agora é moda!, para ninguém ter dúvidas sobre a minha posição, mas tentarei ser isento e "ver com olhos de ver", sem condicionantes ou preconceitos, as propostas do PS e dos outros partidos!

As propostas, o passado e o presente!

ESTOU, como sempre, aberto ao espanto, isto é, livre para aceitar e defender todas as propostas que possam trazer progresso, liberdade, democracia, solidariedade, justiça social, igualdade de oportunidades e melhoria das condições de vida a todos nós, venham de onde vierem.

Não aceito demagogia, falsidades, deturpações, perdas de memória e insinuações torpes como tem ocorrido nesta pré-campanha e assistimos "em barda" nas últimas legislativas.

Viva Portugal Democrático, viva o 25 de Abril!


Notícias do Cavaquistão! E já vão três...


segunda-feira, julho 20, 2009

PROMESSAS ELEITORAIS- Parte I

Já em plena pré-Campanha Eleitoral e ao iniciarem-se as inevitáveis Promessas, tantas vezes listagens repetidas de boas intenções e subscritas independentemente das ideologias partidárias, será um bom exercício de memória analisar, sector por sector, a quantidade de promessas falhadas pelo actual Governo, durante a maior legislatura da nossa democracia.
Não poderemos ignorar que neste fim de madato, será essa a forma de avaliar com justiça e democraticamente, o mérito que o mesmo possui, para que o eleitorado lhe renove o voto de continuação.
Debrucemo-nos então pelas “ mentiras” anunciadas, pelo País fora e com grandes sistemas de ressonância, na última campanha para as legislativas, por ordem alfabética dos Ministérios.
1. ADMINISTRAÇÃO INTERNA.
Tecla já gasta de tantas vezes utilizada, a “libertação” de 4.800 agentes da PSP e GNR, utilizados no interior dos Estabelecimentos, para as “patrulhas” no exterior, argumento utilizado para o cancelamento de cursos.
2.- ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA.
Apenas se reviu parte da Organização.Relativamente à flexibilização e à mobilidade, foram esboçados alguns movimentos, mas os sindicatos impusearam-se.
3. – AGRICULTURA.
O Plano Nacional de Desenvolvimento Florestal ficou por executar. Contudo foi com o Programa de Desenvolvimento Rural(PRODER), no que se refere à distribuição de verbas, que mais discórdia gerou quanto à sua gestão.
4.- CULTURA.
Até o próprio Grande Lider reconheceu o seu fracasso. A fachada do Palácio da Ajuda continua como desde o Grande Incêndio e o Museu do Mar da Língua, não passou da “garganta”.
5. DEFESA.
A Lei de Programação Militar continuou a marcar passo, devido às “opções estruturantes”. O prometido Estatuto dos Militares das Forças Armadas, continua em “banho-maria”, porque atacar decisivamente as Carreiras e, implícito, sistema retributivo, é perigoso em época de Crise.
(CONTINUA)

A gestão do Sôr Belmiro...!

«Os trabalhadores do jornal Público aceitaram reduzir os seus salários, tendo o acordo sido subscrito pelos 165 funcionários que a administração exigiu sob pena de recorrer a outros métodos, disse hoje à Lusa fonte daquele título. [...] A administração do jornal anunciou quarta-feira à redacção, através de e-mail, que a proposta de reduções salariais que tem sido rejeitada pelos jornalistas teria de ser aceite por 90 por cento dos trabalhadores até sexta-feira ao meio-dia sob pena de se recorrer a outros métodos que, segundo fontes do título, seriam o despedimento colectivo. Um número que o administrador Pedro Nunes Pedro disse quinta-feira acreditar que seria atingido hoje, rejeitando estar a ser feita qualquer pressão. [...]» [Lusa, sublinhados meus]

in Cibertúlia

Mais um Ministro de Cavaco...!

BPN: arguidos Arlindo de Carvalho e dois empresários

Arlindo de Carvalho, ex-ministro da Saúde e accionista do Banco Português de Negócios (BPN), e dois empresários do ramo imobiliário que tiveram negócios com esta entidade bancária foram constituídos arguidos no âmbito da investigação às actividades deste banco e do seu principal ex-accionista, a Sociedade Lusa de Negócios (SLN).

domingo, julho 19, 2009

ICAR

Entretanto, o Papa Bento XVI, na Encíclica Caritas in Veritas, diz: "A Igreja não tem soluções técnicas para oferecer e não pretende de modo algum imiscuir-se na política dos Estados".
Pois não!
Vê-se...ou o Papa já não contém os seus...!

Como se engano o Zé...

A Rádio Renascença, a rádio da ICAR, engana subtilmente o ouvinte português.
Dizia ela na sexta-feira, em título:

"Portugal é dos que paga mais pela electricidade"

Analisando a notícia verificamos que se refere à taxa (imposto) que incide sobre o preço final.
O preço final que o consumidor paga é o que nos interessa, e é em Portugal bem inferior à média europeia.
Vejamos: União Europeia (UE27) 17,73€, Portugal 15,25€ .

E assim, "lá vamos, cantando e rindo", enganado o Zé Povinho, que as eleições estão à porta!

Transmontanos ...

Somos irmãos do sol e do vento.

O granito é nosso pai,

A terra é nossa mãe.

Somos Aljubarrota,

Talvez Alcácer Quibir,

Fomos a África e mais além,

A Fé é o nosso provir.

Somos fragas, vales e montes,

Rios, vinhedos e fontes,

Lavradores, poetas e doutores.

Transformamos pedras em pão.

Abominamos o mal,

Morremos pela razão.

Abandonados,

Eternos esquecidos,

Esconderam-nos o saber.

Somos verticais e honestos,

De antes quebrar que torcer.

Tivemos santos e heróis.

Bravos soldados,

Com espírito de marinheiro.

Nunca fomos uma gentalha,

Mas portugueses de corpo inteiro.

Senhores do poder:

Mandai para lá o saber.

Fazei universidades,

Rasgai caminhos, abri pontes.

Alargai novos horizontes

A essa gente de bem,

Que tem o granito como pai

E a terra como mãe.


João de Deus Rodrigues


Morais/Abril/1974


Enviado por emaily L.P .