A interactividade da Colheita63 em movimento contínuo para todo o Mundo e especialmente para Lisboa , Tomar , Monte Estoril , Linda-a-Velha , Setúbal , Coimbra , Porto , VNGaia , Braga , VNFamalicão , Santo Tirso , Afife , Vila Real , Vinhais , Bragança , Castelo Branco , Seia , Vendas Novas , Varsenare e Aveiro

segunda-feira, dezembro 31, 2007

À beirinha das 12 passas...

Da T.P: recebi o seguinte SMS :

Se puderes, manda a todos os Colheiteiros um grande abraço meu com votos de Bom Ano.

Apareço logo que possa .Teresa
Claro que posso, aqui está para todos e com votos do teu rápido restabelecimento.

À beira das doze passas.. 1

Boa tarde Sr. Helder,
Junto envio uma fotografia da taberna Maia no Lobito, mesmo ao lado de uma oficina de reparação de geradores e com vista para o mercado (uma espécie de feira...).
Votos de Feliz Ano Novo,
Abraço,
Vasco Abrantes

A universalidade dum Clube em movimento contínuo , dentro da globalidade por muitos desejada.

Obrigado Vasco ( é do SCP ) e bom fim d'ano também para ti.

À beira das 12 passas...

* Chegámos aos 30.000 visitantes no corrente ano e aos 35.000 desde o inicio ( 15/09/06).
Não é que isto seja muito importante , nem que fosse o objectivo prioritário , mas deixa-nos sempre contentes e com mais vontade de prosseguir. O objectivo prioritário era e é o de fortalecer ,aumentar e engrandecer a interactividade entre todos os Colheiteiros do LNB e muito em especial os da Colheita63. Temos garantida a velocidade de cruzeiro em termos de colaboração e comentarização , mas necessitamos de arranjar outros temas e outras formas mais apelativas de participação e colaboração. Para isso agradecia as v/opiniões públicas ou privadas , a v/informação sobre feitos relevantes de outros Colheiteiros . sobre eventos culturais etc.etc.etc. Fico à v/espera .

* Relembrando :
- O 5º Encontro Colheita63 é nos dias 31 de Maio e 1 de Junho em Seia. Está marcado há 1 ano e portanto não pode haver desculpas de datas.
- A feira do Fumeiro em Vinhais é já no princípio de Fevereiro . Aceitam-se inscrições.
- Hoje é Fim d'Ano , diverti -vos ....
* Para mim :
- o vídeo do Ano da autoria dum Senense , Paulo Farol- A personagem do Ano
- O(a) Colheiteira63 do Ano

Funciona por direito próprio como Provedora do blogue , vive-o , procura a sua divulgação constantemente ,está sempre atenta e não perdoa um lapso . Finalmente entrou para a reforma . Obrigada GB , um grande abraço que bem mereces

sábado, dezembro 29, 2007

Feliz Ano Novo

Desejo a todos um próspero e feliz Ano Novo ...

Grandes Batalhas da História Universal (14)

BEIRUTE - 1982

Ariel Sharon - Yasser Arafat


Há 25 anos, israelitas e libaneses, sob o patrocínio dos americanos, iniciaram conversações de paz, tendentes a pôr cobro a uma grande batalha, entre os primeiros e os palestinianos e que reduziu Beirute a escombros.

Ariel Sharon lançou uma ofensiva destinada a "calar" as bases que a OLP, de Yasser Arafat, dispunha na parte ocidental da cidade.

Antes das partes consentirem num acordo para as tréguas,após 74 dias de luta encarniçada, o general israelita e futuro primeiro ministro, bombardeou toda a área, cercou-a e fez os impossiveis para conquistá-la.

sexta-feira, dezembro 28, 2007

Para o n/ I.T.

Para não ficares com ciúmes, envio este miminho para ti e aviso já que é só para ele, para mais ninguém , portanto nada de comentários , nem más interpretações....


Um adepto do Porto chega a uma loja de material desportivo e depara-se com uma infinidade de camisolas de clubes de futebol. Só não via a do seu clube.
Meio acanhado, pergunta ao vendedor: - Quanto custa a camisola do Real Madrid? - 40 €- E a do Manchester ? Essa custa 50 € - E a do Benfica?- Oh meu amigo... Essa é a mais cara da loja por se tratar do maior clube do mundo, e custa 65 €. Aí, o pobre arrisca:- Você não tem aí a camisola do Porto ? - Tenho sim. Está do outro lado, na prateleira das liquidações e custa 9,50 €. - Irra!!! Só 9,50 €???!!!- É uma promoção para liquidação de stock, essas coisas não se vendem... - Então dê-me uma - e estendeu uma nota de 10 €. O vendedor vai à caixa registadora, coça a cabeça e meio atrapalhado diz: - Desculpe, mas não tenho trocos. Quer levar uma camisola do Sporting para completar os 10 €?
Hé...Hé...Hé...

Para a n/ T.P

Não tendes estranhado a T.P não ter aparecido nesta época natalícia ?
Eu estranhei e muito , tanto que lhe telefonei e foi então que ela me explicou que se encontrava na cidade do Porto em visita ao seu Pai , n/Prof. Francisco Àlvares Pires , e que quando ía num passeio caíu e teve fracturas múltiplas num braço a ponto de ter que ser operada, encontrando-se portanto em convalescença o que a tem impedido de aparecer. Pediu-me para em seu nome vos desejar tudo o melhor do mundo nesta época natalícia e para 2008.
Para além do mais também a n/ G.B. soube do sucedido e sugeriu-me para lhe enviarmos um miminho . Aqui vai T.P para ti e para a tua família este pequeno miminho da Colheita63 :

XXI: o século do terror...!

Benazir Butho, a vida pela liberdade !

O Inverno das N/Vidas...

quinta-feira, dezembro 27, 2007

As minhas cadelas!

Quíca e Caló aos 10 meses

Quíca aos 10 meses

Quem é António Afonso ?

Para quem não se lembre dele , ou para quem o não conheça virtual ou pessoalmente , a Colheita63 tem muito prazer e orgulho em trazer aqui à estampa , uma pequena biografia.
Aproveito para informar que é um Colheiteiro , portanto aluno de ex-LNB , meu amigo pessoal desde a infância a quem desejo as maiores felicidades .
Vê se emagreces , mas quem sou eu , quase 7 arrobas e meia ...
António Manuel Afonso nasceu em 15 de Abril de 1945 . Natural de Bragança - Trás - Os - Montes - Portugal.
Vive em Bragança e iniciou a sua actividade artística em Lisboa .Divide a sua actividade entre a pintura , escultura e poesia.

Iniciou a carreira de bancário, em Lisboa. Mais tarde transferiu-se para a sua cidade natal. Publicou um livro de poemas: Margens do Silêncio e do Olhar, com edição bilingue em Salamanca, em Português e Castelhano com o título de Fronteras del Silencio Y del Mirar. Foi incluído na Antologia de Poesia Portuguesa Contemporânea (Vols.: II, III, IV, VI e VIII). É autor da letra do Hino a Bragança, pela Tuna do ISLA. Tem colaboração dispersa em vários jornais, revistas e rádios. Como pintor realizou várias exposições no país e no estrangeiro, estando representado em várias galerias particulares e públicas, nomeadamente em Câmaras Municipais. Autor do logótipo das Comemorações dos 800 anos do Tratado de Zamora, em Bragança. Co-fundador do Fórum Nordeste e do Coral Brigantino, Deputado Municipal desde 1986. Presidente da Comissão de toponímia da Assembleia Municipal de Bragança entre 1986 e 1993.

Quem quiser ver a sua biografia mais em pormenor é consultar :


Colheiteiro António Afonso ..... 1


Tempo sem Tempo !

Vindo da mais longínqua memória da noite...

E no entanto

ela dá mais calor ao Universo.
Copiei esta postagem do blogue do n/amigo e Colheiteiro António Afonso, que aconselho vivamente a visitar

terça-feira, dezembro 25, 2007

Boas Festas...

Aproveito este pedacinho de conversação para deixar o desejo de boas festas e feliz ano novo.Maria das Dores (Lolita)

Esta mensagem foi escrita hoje na postagem do 1º de Dezembro. Dado muitos dos n/visitantes e nomeadamente os da Colheita63 já não a consultarem e como penso que todos vós ireis ficar muito contante acima a transcrevo.

Prendas de Natal ...

Bem , sempre parece que houve o milagre preconizado pelo MC. Lá me tocou qualquer coisa e o meu contentamento é evidente . Quem não gosta de receber prendas????

Ressaca...


ADORO RABANADAS!
Por isso estou na ressaca das rabanadas...abusei!
Ai! o pecado da gula...
Entrei, ao acordar esta manhã, em profundo período de meditação para interiorizar a urgência da "obrigatória" dieta que tenho de fazer.
A dúvida é: começa já ou depois do fim do ano?

ANO NOVO VIDA NOVA, NA MESA! É melhor assim...

Continuação de Boas-Festas e um ano de 2008 cheio de muitas "rabanadas" para todos os meus amigos, conhecidos e desconhecidos!

segunda-feira, dezembro 24, 2007

Chegou tudo...


* Chegou o jardineiro para podar as árvores do jardim e as respectivas sebes . Podia ter vindo noutro dia , mas como tinha prometido que vinha até ao Natal , cá estava hoje às 8 da manhã para não me deixar dormir mais . Como hoje vai ser um dia longo , veio mesmo a calhar ...
* Chegou uma mão cheia de mensagens SMS dos meus amigos aos quais aproveito para retribuir com todo o amor e carinho. São de colegas de liceu , de colegas da tropa , de colegas de trabalho e porque será que não é nenhuma de meus Clientes do Banco....
* Chegou a minha família , filhas , netos , cunhadas , sobrinhas e sobrinhos, a querida sogra , logo vai ser um regabofe...
* Falta chegar o Pai Natal que é aguardado pela criançada e pelos maiores , com alguma expectativa a ver se Ele trás os presentes pedidos . Aqui nunca mais há juízo , prendas só para as crianças e para maiores de 100 anos , que dizeis ???
* Falta também desejar-vos mais uma vez tudo o que de melhor possa haver no mundo ....

domingo, dezembro 23, 2007

Zorba ... O Grego

Vi há dias pela 7ª vez este maravilhoso filme que não via há mais de 40 anos. Assisti no já não existente Cinema Monumental em Lisboa nos anos 64 e 65 a esta película por 6 vezes e nunca me fartei. Esteve 36 meses seguidos em exibição . Aqui vos deixo a sua música deixando para a v/memória a sua bela história e grande interpretação de todos os actores.

Para meditar ...

Eu estou e penso como ele. E os meus caros(as) amigos(as)???


Assunto: Somos nós que temos que mudar...
Precisa-se de matéria-prima para construir um País
Eduardo Prado Coelho - in Público


A crença geral anterior era de que Santana Lopes não servia, bem como Cavaco, Durão e Guterres. Agora dizemos que Sócrates não serve. E o que vier depois de Sócrates também não servirá para nada. Por isso começo a suspeitar que o problema não está no trapalhão que foi Santana Lopes ou na farsa que é o Sócrates. O problema está em nós. Nós como povo.Nós como matéria-prima de um país.
Porque pertenço a um país onde a ESPERTEZA é a moeda sempre valorizada, tanto ou mais do que o euro. Um país onde ficar rico da noite para o dia é uma virtude mais apreciada do que formar uma família baseada em valores e respeito aos demais.
Pertenço a um país onde, lamentavelmente, os jornais jamais poderão ser vendidos como em outros países, isto é, pondo umas caixas nos passeios onde se paga por um só jornal E SE TIRA UM SÓ JORNAL, DEIXANDO-SE OS DEMAIS ONDE ESTÃO.
Pertenço ao país onde as EMPRESAS PRIVADAS são fornecedoras particulares dos seus empregados pouco honestos, que levam para casa, como se fosse correcto, folhas de papel, lápis, canetas, clips e tudo o que possa ser útil para os trabalhos de escola dos filhos ... e para eles mesmos.
Pertenço a um país onde as pessoas se sentem espertas porque conseguiram comprar um descodificador falso da TV Cabo, onde se defrauda a declaração de IRS para não pagar ou pagar menos impostos.
Pertenço a um país onde a falta de pontualidade é um hábito.Onde os directores das empresas não valorizam o capital humano.Onde há pouco interesse pela ecologia, onde as pessoas atiram lixo nas ruas e depois reclamam do governo por não limpar os esgotos.Onde pessoas se queixam que a luz e a água são serviços caros.Onde não existe a cultura pela leitura (onde os nossos jovens dizem que é "muito chato ter que ler") e não há consciência nem memória política, histórica nem económica. Onde nossos políticos trabalham dois dias por semana para aprovar projectos e leis que só servem para caçar os pobres, arreliar a classe média e beneficiar a alguns.
Pertenço a um país onde as cartas de condução e as declarações médicas podem ser "compradas", sem se fazer qualquer exame.Um país onde uma pessoa de idade avançada, ou uma mulher com uma criança nos braços, ou um inválido, fica em pé no autocarro, enquanto a pessoa que está sentada finge que dorme para não dar-lhe o lugar. Um país no qual a prioridade de passagem é para o carro e não para o peão. Um país onde fazemos muitas coisas erradas, mas estamos sempre a criticar os nossos governantes.
Quanto mais analiso os defeitos de Santana Lopes e de Sócrates, melhor me sinto como pessoa, apesar de que ainda ontem corrompi um guarda de trânsito para não ser multado.
Quanto mais digo o quanto o Cavaco é culpado, melhor sou eu como português, apesar de que ainda hoje pela manhã explorei um cliente que confiava em mim, o que me ajudou a pagar algumas dívidas.
Não. Não. Não. Já basta.
Como "matéria prima" de um país, temos muitas coisas boas, mas falta muito para sermos os homens e as mulheres que nosso país precisa. Esses defeitos, essa "CHICO-ESPERTERTICE PORTUGUESA" congénita, essa desonestidade em pequena escala, que depois cresce e evolui até converter-se em casos escandalosos na política, essa falta de qualidade humana, mais do que Santana, Guterres, Cavaco ou Sócrates, é que é real e honestamente ruim, porque todos eles são portugueses como nós, ELEITOS POR NÓS. Nascidos aqui, não em outra parte...
Fico triste. Porque, ainda que Sócrates fosse embora hoje mesmo, o próximo que o suceder terá que continuar trabalhando com a mesma matéria prima defeituosa que, como povo, somos nós mesmos. E não poderá fazer nada... Não tenho nenhuma garantia de que alguém possa fazer melhor, mas enquanto alguém não sinalizar um caminho destinado a erradicar primeiro os vícios que temos como povo, ninguém servirá. Nem serviu Santana, nem serviu Guterres, não serviu Cavaco, e nem serve Sócrates, nem servirá o que vier. Qual é a alternativa?
Precisamos de mais um ditador, para que nos faça cumprir a lei com a força e por meio do terror? Aqui faz falta outra coisa.E enquanto essa "outra coisa" não comece a surgir de baixo para cima, ou de cima para baixo, ou do centro para os lados, ou como queiram, seguiremos igualmente condenados, igualmente estancados....igualmente abusados!
É muito bom ser português. Mas quando essa portugalidade autóctone começa a ser um empecilho às nossas possibilidades de desenvolvimento como Nação, então tudo muda...Não esperemos acender uma vela a todos os santos, a ver se nos mandam um messias.
Nós temos que mudar. Um novo governante com os mesmos portugueses nada poderá fazer. Está muito claro... Somos nós que temos que mudar. Sim, creio que isto encaixa muito bem em tudo o que anda a nos acontecer: desculpamos a mediocridade de programas de televisão nefastos e francamente tolerantes com o fracasso. É a indústria da desculpa e da estupidez. Agora, depois desta mensagem, francamente decidi procurar o responsável, não para castigá-lo, senão para exigir-lhe (sim, exigir-lhe) que melhore seu comportamento e que não se faça de mouco, de desentendido. Sim, decidi procurar o responsável e ESTOU SEGURO QUE O ENCONTRAREI QUANDO ME OLHAR NO ESPELHO. AÍ ESTÁ. NÃO PRECISO PROCURÁ-LO EM OUTRO LADO.

E você, o que pensa?.... MEDITE!

By Francisco Almeida

Recebi esta mensagem!

Este ano o Natal vai ser triste.

Não vai haver Presépio!
O estábulo foi fechado pela ASAE por falta de condições higiénicas, a vaca está louca, o burro dá aulas de substituição, os Reis Magos não podem vir porque os camelos estão no Governo, José e Maria foram meter os papeis para receber o Rendimento Social de Inserção e o Menino foi entregue ao pai biológico!

Por isso, este Nartal vai ser muito triste...

sexta-feira, dezembro 21, 2007

CRÓNICA DE SEXTA-FEIRA (43ª)

Ano desportivo

Devo confessar que estou muito entristecido com o ano desportivo do meu Benfica.
Em primeiro lugar, e relativamente à época de 2006/ 2007, não cumpriu os seus objectivos primordiais a que se comprometeu, que aliás correspondem àqueles que distintamente um clube dotado de uma inestimável grandiosidade e mística deve ter, que evidentemente são: a vitória do campeonato, da Taça de Portugal (internamente); ao nível externo, a equipa encarna, apesar de tudo, atingiu uns respeitáveis quartos-de-final da Taça UEFA. Mesmo na última jornada, como a possibilidade de se sagrar campeão, pessoalmente ainda sonhei. Mas, enfim, fui apenas utópico. Seria uma quimera da minha parte.
Esta época, posso me congratular com a passagem do SLB na 3ª pré-elimanatória da Liga dos Campeões ao triunfar diante do FC Copenhaga. Aliás, tive a oportunidade de assistir no grandioso Estádio da Luz (que não comparação com o Dragão ou com o Alvalade XXI) à vitória do glorioso por 2 a 1, com os golos de Rui Costa.
Com a chegada de José António Camacho, o SLB ganha novo fôlego e dinâmica, como seria de esperar, mas neste momento penso que a equipa ainda não está com o potencial desportivo e competitivo do FC Porto. Bom, já não falo do Sporting pois esta época também tem revelado grandes debilidades no seu cômputo geral. Por isso, creio que o 2º lugar é relativamente justo, mas não se pode desistir porque o Porto vai perder ainda muitos pontos, bem como espero que tal se suceda com a equipa leonina.
Saudades vou tendo daqueles fins-de-semana em que Porto e Sporting perdiam e o Benfica ganhava. Já nem me lembro.
Finalmente, uma palavra para as claques. Assisti, na época passada aos tristes incidentes do jogo Benfica x Porto, bem como já nesta época assisti a cenas degradantes das claques do Benfica (particularmente nas partidas com o Porto em que perdeu, e, ontem, com o Estrela da Amadora) e das do Sporting (especialmente no final da partida com o Dínamo de Kiev). Cada vez me convenço mais que o fenómeno das classes são o reflexo do maior anti-desportivismo e da falta de paixão aos clubes.
Desejo a todos os colheiteiros um feliz e próspero Natal.

By Afonso Leitão

Auto-estima muito em baixo !

Não resisto a comentar o principal título de hoje, do oficioso" A Bola": " ASSIM SIM"
Tal comentário, refere-se à portentosa exibição feita pelo "Glorioso",ontem à noite, na contenda para o Campeonato Nacional, com a sua filial da Reboleira-Amadora.
Apesar de, por norma, não perder tempo a ver as camisolas vermelhas ( agora rosas, por causa da moda) a jogar, ontem , por questões de ordem social, em casa de um amigo, fui obrigado a ter que sujeitar-me, a constatar aquelas confrangedoras faltas de jeito e de ambição, aliadas a uma manifesta desorganização, não obstante o papel compreensivo desempenhado pelos comentadores de serviço.
Qual não foi o meu espanto, quando hoje de manhã, quando saí para tomar um café, vi no quiosque da rua o referido pasquim, dando loas à exibição efectuada.
Será que o nível atingido ontem pela "equipa maravilha" chega para satisfazer os benfiquistas e a mais não ambicionam?
Uns tempos a esta parte, era um pouco mais à frente da 2ª Circular, que as ambições feneciam no Natal!
Continuai Vieira e Camacho. Os sportinguistas agradecem a solidariedade.

quinta-feira, dezembro 20, 2007

Aos amigos e visitantes, todos!

Grandes Batalhas da História Universal


Planeta Terra - Eterno

Webfetti.com

Pai Natal - Pai de Família

Não querendo deixar de escrever a crónica semanal sobre Batalhas Universais, mas não desejando abordar os malefícios da guerra neste tempo de Paz, opto por aludir à luta surda que desde os tempos imemoriais se tem travado entre os dois grandes "generais", primeiros responsaveis pelas Prendas das Crianças, na época natalícia.
Se por um lado o Pai Natal, desde que solicitado, não coloca entraves de qualquer ordem, nem a largura da chaminé, nem a distância, à satisfação dos pedidos da Criança, já o seu Pai, ainda que contrariado , só poderá satisfazer , parcialmente , os desejos do seu querido filho, por motivos que têm tudo a ver com a espessura da carteira.
Apesar de tudo na noite de Natal, nenhum dos dois "generais" pode cantar unilateralmente vitória, porque a criança ficou imensamente feliz com tudo o que recebeu , não obstante ter notado e logo esquecido que um ou outro seu desejo não tenha sido cumprido.

quarta-feira, dezembro 19, 2007

Mensagem de Natal 2007 ...


Presépio com Mensagem de Natal feito pelos alunos e professores da área de Arte do nosso Liceu ,inserido nas apresentações escolares para o público em geral . O N/Liceu tem ganho sempre o 1º prémio nos anos anteriores e fazemos ardentes votos para que este ano seja também o vencedor. Parabéns meninos ,da Colheita63.
Esta postagem foi-me sugerida pela n/Colheiteira63 G.B. que não perde pitada de nada, e está sempre atenta ao seu Liceu e à sua Colheita . Obrigada GB,um grande abraço.

Estes putos...

Os Putos...
Impagável! Está o máximo ...
By FAlmeida

terça-feira, dezembro 18, 2007

Há 45 anos .....


Era assim que a Colheita63 festejava a neve...

Hoje Faz anos o Niso ...


Com música dos Beatles aqui está, esta pequena lembrança da Colheita63 . Um grande abraço para ti e daqui a muitos anos...

Em tempo : Mais uma prenda para ti neste dia tão afortunado...

segunda-feira, dezembro 17, 2007

Pinturas Isabel Guerra

Isabel Guerra é uma freira/pintora espanhola.
Os quadros são tão realistas que parecem fotos .

By Lena Pires

Boas Festas ...


A n/Levinda , como sempre , não esquece a Colheita 63 nem os respectivos Colheiteiros . No n/último almoço do 1º de Dezembro ofereceu a todos os participantes uma cópia duma sua pintura para nos desejar Boas - Festas. Como não estiveram todos presentes , enviou-me o quadro em cima para desta maneira desejar as Boas-Festas a todos os Colheiteiros que não estiveram presentes no referido almoço . Obrigado e um grande abraço

domingo, dezembro 16, 2007

HÉLDER!!!!!

Vê o que se passa!

Quando abrimos a página da Colheita, é frequente aparecer uma caixa (pop-up) a dirigir-nos para uma página publicitária.
Ou será do meu PC?
Acontece a mais alguém?

sexta-feira, dezembro 14, 2007

Colheiteiros do LNB....

Já sabia que muitos Colheiteiros de outras Colheitas visitavam o nosso blogue , mas por uma razão ou por outra não colaboravam , talvez por pensarem que era um exclusivo da Colheita63.
Efectivamente a Colheita63 tem uma fortíssima componente dentro do blogue ,mas tanto a montante como jusante apreciamos sempre a participação de todos os visitantes e muito em especial de Colheiteiros do LNB .
Ultimamente e com muita satisfação temos vindo a assistir a umas entradas em pezinhos de lã de alguns Colheiteiros que muito prezo e dos quais sou grande amigo.
Para vós um grande abraço , que continueis a colaborar e para o Casal Colheiteiro Aida/Adalberto aí vai , ao lado , um tanguinho do n/tempo.
Dou you remember , Adalbert ?
Image Hosted by ImageShack.us

CRÓNICA DE SEXTA-FEIRA (42ª)

Porreiro

Esta semana, no âmbito da análise conjuntural da Cimeira UE/ África e da antevisão da assinatura do Tratado de Lisboa, assisti, como cidadão deferente a questões atinentes ao Direito Comunitário, em duas ocasiões – nos Prós e Contras, na segunda-feira, e na Quadratura do Círculo, na quarta-feira - a duas intervenções globalmente deprimentes e dilaceradas de uma figura prestigiante da esfera intelectual portuguesa: José Pacheco Pereira.
A sua opinião é, nas diversas matérias, munida de um grande grau de prudência conceptual. E como pude percepcionar, o historiador e cronista da revista Sábado é um profundo eurocéptico. Duvida das linhas basilares do Tratado Reformador e exige, paralelamente, a realização de um referendo. Desta forma, podemos analisar esta questão em duas linhas fundamentais pelo qual não concordo com a sua posição.
Em primeiro lugar, este documento fortalece e reforça o Modelo Social Europeu nas suas diversas componentes (coesão social, direitos sociais, serviços públicos, diálogo social, etc.). Por outro lado, este Tratado reafirma solenemente os direitos da cidadania europeia em que as principais inovações repousaram na definição dos fundamentos democráticos da União, bem como na introdução do direito de iniciativa popular. Nesta sequência destaco, com particular fervor, a atribuição jurídica à Carta do Direitos Fundamentais da UE em que as suas instituições passaram a estar vinculadas a um catálogo de direitos que protegem os cidadãos. Assim, o novo quadro institucional confere à União instrumentos mais propícios à inventariação das suas prioridades, designadamente no sentido de uma maior integração económica, “mais desenvolvimento, mais justiça e segurança e mais coesão territorial e social”, nas palavras do professor Vital Moreira.
A segunda grande linha análise prende-se com o referendo. Ora, este acto de cariz democrático possui uma origem histórica negra na medida em que surge associado a um conjunto de mecanismos de legitimação dos regimes totalitários da primeira metade do século XX, particularmente da Alemanha nazi. Por isso, novamente discordo do professor Pacheco Pereira neste ponto. Actualmente, a grande maioria da população não está ciente das finalidades, das características, dos fundamentos e dos objectivos inerentes a este Documento. Isto é, o risco de um valor de abstenção superior ao do referendo sobre o aborto era enorme. Além disso, porque um referendo, se mesmo nas eleições europeias, se assiste sucessivamente a fenómenos de profundo desconhecimento e afastamento dos cidadãos do espírito europeu. A ratificação parlamentar não é menos democrática que uma consulta popular. Aliás não nos podemos de esquecer de uma questão: é o facto de estarmos num período de contenção orçamental e financeira.
Em suma, o Tratado até foi “porreiro, pá”!

By Afonso Leitão

quinta-feira, dezembro 13, 2007

Principais elementos do Tratado de Lisboa

Vai hoje ser assinado o Tratado de Lisboa por todos os parceiros europeus.
Principais elementos do novo tratado europeu, o Tratado de Lisboa, que substituirá o projecto de Constituição europeia:
- O Tratado de Reforma estipulado contém as emendas aos dois únicos tratados que o bloco vai conservar: o Tratado da União Europeia e o Tratado sobre o funcionamento da UE.
- Cria a figura de um presidente estável da União, eleito por um período de dois anos e meio, renovável uma vez.

- Cria o novo cargo de Alto Representante da União para Relações Exteriores e a Política de Segurança, que será ao mesmo tempo vice-presidente da Comissão Europeia e vai comandar um serviço de acção exterior.

- Instaura um novo sistema para o cálculo da maioria qualificada na tomada de decisões. A "maioria dupla" será adiada, no entanto, até 1 de Novembro de 2014, para atender à Polónia, que obtém outras garantias.

- Desaparece o veto em 40 âmbitos de acção suplementares, entre eles asilo, imigração e cooperação policial e judicial.

- A Comissão Europeia (órgão executivo), hoje com 27 membros, terá no máximo dois terços do número de Estados-membros a partir de 2014.

- Aumenta o poder de codecisão ou colegislação do Parlamento Europeu.

- A Carta Europeia de Direitos Fundamentais, que ocupava toda a parte II do Tratado constitucional, não faz parte do novo documento, que porém incluirá uma menção do seu carácter vinculativo.

- O Reino Unido obtém importantes esclarecimentos e restrições na aplicação da Carta ao seu território, assim como a Polónia.

- Maior papel dos Parlamentos nacionais.

- Reconhecimento da iniciativa popular: 1 milhão de cidadãos podem pedir à Comissão uma medida legislativa.

- A União Europeia terá personalidade jurídica única.

- Possibilidade dos Estados de abandonar a União.

- Novo mecanismo automático de colaboração reforçada na cooperação policial e judicial.

-Agência EFE - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da Agência EFE S/A.



Para quem estiver interessado em conhecer os principais elementos do Tratado de Lisboa , para assim poder exercer o seu direito de cidadania e se poder pronunciar sobre a sua ratificação , ou parlamentar ou referendo .
Cá por mim sou adepto da via parlamentar , por várias razões :
1º -Tempo é dinheiro
2º- Muita demagogia política de todos os partidos sobre o assunto
3º -Não vinculação do referendo ...

terça-feira, dezembro 11, 2007

Natal Porto / Gaia

AMIGAS/OS COLHEITEIRAS/OS

QUE OS RAIOS DELUZ QUE IRRADIAM COM TANTO FULGOR E ENCANTAMENTO DESTA LINDA CIDADE DO PORTO ATINJAM OS VOSSOS CORAÇÕES E VOS SEJAM PORTADORES DAS MAIORES BÊNÇÃOS DOS CÉUS!

QUE O CALOR DA AMIZADE, FRATERNIDADE E SOLIDARIEDADE CONTRASTE FORTEMENTE COM A FRIEZA DO GRANITO PORTUENSE ENCANTADO POR ESTA LUZ NOCTURNA DE NATAL E PELO SOM DIVINO QUE VAI ECOANDO PELA CIDADE!

MUITO AMOR, MUITA PAZ E MUITAS FELICIDADES PARA TODOS VÓS E FAMÍLIA.

UM fELIZ NATAL

By Francisco Almeida

Enquanto não consigo colocar na Web o vídeo que me foi enviado , coloco este em sua substituição.

segunda-feira, dezembro 10, 2007

As melhores fotos do Ano

Aqui vai um conjunto das melhores fotografias do Ano até agora , para serem apreciadas por quem gosta e para aprender alguma coisa quem não gosta. Para os experts servirá para uma avaliação mais profunda...

domingo, dezembro 09, 2007

Grandes Batalhas da História Universal (13)

GOLFO - 1991


Norman Schwarzkopf - Saddam Hussein



A ocupação do Kuwait, ordenada por Saddam, em 2 de Agosto de 1991, indicia as origens da Guerra do Golfo.

Os Estados Unidos da América liderando uma Força Multinacional, sob o Comando do General Shwatrzkopf, desencadearam uma operação, marcada no seu início, por massivos ataques aéreos aos pontos estratégicos do Iraque, em especial na sua capital Bagdade.

Dada a desproporção dos meios em conflito, o vencedor da Batalha estava encontrado, logo que começou a ofensiva terrestre, com os Carros de Combate e a Infantaria Mecanizada, das últimas gerações.

O Vinho

Para quem gosta e para quem não gosta , o importante é meditar nos pensamentos nela contidos..

Hoje faz anos a "Outra Colheiteira"...

Hoje faz anos a Verónica , esposa do M.C. e habitual Cliente dos n/encontros. Para ti , esta pequena lembrança da Colheita 63.


sexta-feira, dezembro 07, 2007

Feliz Natal ...

Foi uma cópia deste lindo quadro que a Colheiteira Levinda nos ofereceu no almoço do 1º de Dezembro ,com dedicatória personalizada e devidamente assinada .
Obrigado Levinda e que tenhas também um óptimo Natal e um feliz Ano Novo.

CRÓNICA DE SEXTA-FEIRA (41ª)

Salários e crise

Possivelmente todos esperariam que me pronunciasse esta semana sobre as perspectivas e consequentes impactos que a Cimeira UE/ África pode acarretar em diversos âmbitos e matérias globais.
Contudo, o tema da crónica desta semana remete para a uma questão tão simples como complexa: “Quanto custam os nossos deputados?”. Este é o título de um artigo da revista Visão que explana alguns dos meandros deste problemático tema.
É sabido que a imagem gizada pela população dos nossos legítimos representantes na Assembleia da República (A.R.) não é decididamente a mais esplendorosa. Por outro lado, se os nossos governantes exigem espírito de sacrifício e de contenção, então sobre esta matéria também se exige que os primeiros, a cumprirem estes desígnios, sejam os deputados.
Por isso, passemos da teoria para a prática e façamos um raio X às despesas (em euros) de 2006:

- Vencimentos dos deputados: 10.861.744,33;
- Ajudas de custo: 2.993.450,72
- Vencimentos extraordinários: 1.810.445,47
- Contribuições para a Segurança Social: 1.302.579,51
- Despesas de representação: 1.008.708,13
- Subsídios de reintegração: 340.888,43
- Publicidade: 136.000
- Transportes: 3.400.000
- Vestuário e artigos pessoais: 120.000
- Vigilância e segurança: 157.000

Uma última nota: a CGA está a pagar 383 subvenções vitalícias a ex-titulares de cargos de cariz político. Só em 2007, estes gastos atingem os 7,6 milhões de euros.
Como aceitar e legitimar este panorama negro da ética política?

By Afonso Leitão

Reflexões 4 ... Natal

Já alguém dizia que o Natal é quando quisermos , mas a verdade é que os centros comerciais tomaram conta dele e das outras datas , Dia da Mãe, Dia do Pai ,etc, etc,do dia do Halloween(!!!) e quando fui à feira das castanhas em Vinhais fiquei pasmado ao ouvir numa entrevista á TSF uma moçoila de Ousilhão referir-se ao Halloween com uma desenvoltura e conhecimento tal que me deixaram a pensar . No nosso tempo nem se conhecia ...
Mas voltando aos centros comerciais . Eles assinalam aquelas datas com montras a rigor e uma efervescência comercial que nos entra pelos olhos , pelos ouvidos e pela carteira adentro duma forma tal que, se não tivermos que cumprir o défice orçamental, estamos mesmo tramados..
Visitei alguns nesta minha última estadia na capital , e se não residisse neste País , diria que estávamos na presença dum Povo rico , muito rico , feliz , muito feliz , tal era o movimento e o afã demonstrados. Quem vê Povos não vê Países , já alguém dizia ...

quinta-feira, dezembro 06, 2007

Reflexões 3....

Cada vez mais os Governos e o nosso em particular , respeitam muito menos os cidadãos dos seus Países com ainda lhe passam sem qualquer pudor brutais atestados de menoridade mental.
Isto a propósito das percentagens de participação nas diversas greves ocorridas desde o 25. Verificamos constantemente que para os Sindicatos são sempre superiores a 80% e para os Governos sempre inferiores a 25% . Como é que duas instituições que à partida são consideradas de bem , são capazes de tais dislates ? Farão de nós atrasados mentais ? Torna-se óbvio que um deles está a mentir, ou se calhar estão os dois.
Já é tempo de acabarmos com isto e se há PGR ou uma qualquer ASAE , porque não intervêm ? Quem põe mãos a isto ?

Fotos do Baú....

Esta era uma das várias fotos expostas no dito almoço e que por engano veio parar ao meu envelope. Tanta malta conhecida , mas gostei imenso de fotover o Sinhôr Pacheco . Quem conheceis????

quarta-feira, dezembro 05, 2007

1ª de Dezembro 2007 .. Em fotos

http://widget-ca.slide.com/widgets/slideticker.swf" height="320" width="426" style="width:426px;height:320px">http://widget-ca.slide.com/widgets/slideticker.swf" />

Gostei muito da presença da manas "Carvalhinhas", das meninas da Zélia , da Natália Aragão , do Chiote , da "Lolita " , dos n/Colheiteiros e respectivos cônjuges , foi um dia muito bom..... ( mesmo com a derrota do meu Benfica )

“ O Sebastianismo”

Como nasce um “ mito “…

Vejamos como Jacinto do Prado Coelho nos transmite no Dicionário da Literatura, tão sabiamente, a ideia de “ mito “:
«[...] Veio depois a derrota de Alcácer Quibir e o desaparecimento do Rei (1578). A nação caiu sob o domínio castelhano. A literatura chorou, com a perda de D. Sebastião, o desfazer das esperanças desmedidas, a ruína dum povo que, havia pouco, deslumbrara o mundo com os Descobrimentos e a criação de um grande Império. Vasco Mouzinho de Quevedo, por exemplo, recorda doridamente o Rei, «Sebastião cuja morte inda hoje é viva, / Renovando-se sempre de ano em ano». Foi então que surgiu, como instintiva reacção, o sebastianismo. Julgou-se que só a fé visionária poderia salvar-nos. Na primeira metade do séc. XVI vários pretensos profetas, desafiando os rigores da Inquisição, haviam aliciado adeptos, nomeadamente cristãos novos. Entre esses «profetas» contava-se Gonçalo Anes, de alcunha «o Bandarra», sapateiro de Trancoso (Beira Alta), homem cujas trovas, largamente divulgadas, se tornariam «o evangelho do sebastianismo». O Bandarra (falecido em 1545, segundo um epitáfio mandado gravar no séc. XVII) tinha-se inspirado na Bíblia para verberar a corrupção da época e fazer obscuras predições, entre as quais, parece, estavam a da conquista de Marrocos, a da derrota dos Turcos e a do Quinto Império. [...]
Durante o séc. XIX, o sebastianismo foi passando da esfera política para os domínios literário e culturológico. O sonho heróico de D. Sebastião, a sua morte na batalha, o mito do seu regresso e a quimera do Quinto Império inspiram poetas e prosadores. [...] No Frei Luís de Sousa de Garrett, é Telmo, o velho criado, quem associa à fé no retorno do Rei a convicção de que D. João de Portugal, seu amado amo, um dia aparecerá.»

Muito provavelmente também as nossas gerações perseguem e persistem na ideia de um regresso, em qualquer coisa que estará para vir, como se estivesse prestes a realização de um sonho tão igual à luz que surge ao fundo de um túnel!
É neste grande desejo de que as coisas que desejamos se cumpram, que devemos repousar toda a nossa esperança para que, quem sabe… o tão “desejado” apareça, nem que seja num dia de nevoeiro !!!
O que é preciso é continuar, não desanimar, cultivar o amor e a amizade e viver sempre, sempre com um sonho à flor do pensamento!


E foi, assim, que aconteceu em Lisboa no dia

By F.A.

1º de Dezembro de 1640

Breve lembrança histórica

O jovem e aventureiro D. Sebastião, rei de Portugal, desaparecera a 4 de Agosto de 1578, na batalha de Alcácer Quibir, travada contra os mouros em Marrocos, no Norte de África. Deste acontecimento viria a resultar uma grave crise dinástica para o país, com consequências políticas embaraçosas. A sucessão ao trono foi garantida por seu tio-avô – o Cardeal D. Henrique ( 1578-1580), existindo, todavia, outras hipóteses de sucessão como as de D. António Prior do Crato, de D. Catarina de Portugal e seu filho D. Teodósio, do Duque de Sabóia, filho da infanta D. Beatriz, de Filipe II de Espanha e outras mais.
À morte do Cardeal-Rei, em 1580, e apesar dos outros candidatos, o trono de Portugal virá a ser ocupado pelo neto de D. Manuel I, Filipe II de Espanha, que acabará por ser reconhecido como rei de Portugal nas Cortes de Tomar de 1581. Filipe II e os seus sucessores ( Filipe III e Filipe IV de Espanha ) por cá governaram durante 60 anos - de 1580 a 1640. E foi, exactamente, no dia 1º de Dezembro de 1640, que 40 fidalgos portugueses se dirigiram aos Paços da Ribeira onde se encontravam a Regente de Portugal - Duquesa de Mântua (representante da coroa espanhola) e o seu secretário - Miguel de Vasconcelos.
D. Miguel de Almeida, à frente de outros conspiradores, invade o Paço e depois de vencer algumas resistências, assomou a uma das janelas e, sob enorme comoção, gritou:
Liberdade! Liberdade!
Viva el-Rei D. João IV.

Na rua, Jorge de Melo e os seus tomaram à sua conta a guarda castelhana. O clérigo de Azambuja e o Padre Nicolau da Maia, amotinaram o povo e romperam pelas escadas do paço. António Telo e muitos fidalgos, entre os quais íam os filhos de D. Filipa de Vilhena, irromperam pela galeria que comunicava com o forte e em uníssono, gritaram:
Viva D. João IV!

Presa a Regente e morto o Secretário, Portugal recupera a sua independência. D. João II - 8º Duque de Bragança é coroado rei de Portugal, com o título de D. João IV - o Restaurador.

Aclamação de D. João IV, da autoria de Veloso Salgado ( Museu Militar, Lisboa)

By F.A.

1º de Dezembro de 2007

Uma vez mais, alguns dos “ colheiteiros de 63 “ relembraram os festejos do dia 1º de Dezembro, o dia da Academia, tradição e ponto alto da sua vida académica, dos verdes anos da sua juventude, das brincadeiras e dos sonhos que na sua Bragança, ao longo da frequência do Liceu, os ajudariam a crescer e a transformar-se em Homens e Mulheres com respeito pelos valores humanos, morais sociais, dentro de um verdadeiro espírito cívico e comunitário!
Quem não se lembra das visitas furtivas aos cafés e bares que, já fora de horas, aturavam a rapaziada com “ tainas e comesainas “ onde não faltavam os célebres galináceos “ oferecidos “ por algumas colegas e gente amiga que nos indicavam os segredos e estratégias “ de como fazer e actuar “, para que tudo corresse da melhor forma no momento dos “assaltos” nocturnos!
Às vezes, aconteciam percalços inesperados, e então lá estávamos nós a contas com a polícia!... Felizmente tudo acabava sempre bem.
Até as “traquinices “ nas entradas no cinema. Pobre “Chico Judeu“… que ainda nos aturou algumas. Para ele, o meu sincero respeito.
E já que estamos de feição apresento humilde homenagem a tantos que nos ajuda-ram e desculparam nas “malandrices “ cometidas: aos srºs Lelo e Costa, às “ meninas Mariazinha, Isaura e Ilda “ e ao srº Acácio da Secretaria.
Para aqueles que nos ensinaram e ajudaram a crescer intelectualmente e que perderam muitas horas do seu descanso connosco, o nosso especial agradecimento. Por tanta disponibilidade demonstrada, um caloroso muito obrigado aos Drºs. Felgueiras, Domingos Rijo, Eduardo Carvalho, Fernando Subtil, Emeletina Pires, Antónia Mariano, Maria Ana; aos srs. Arquitectos Manuel Ferreira, Telmo e Varejão que sempre nos prestaram colaboração inestimável. Aos nossos queridos professores que para não magoar, por esquecimento, não destaco nominalmente. Apenas duas excepções por razões especiais: o desejo de bem estar à querida “tia “ Carolina Pires e de melhoras à Drª Gracinda. A tantos outros que naturalmente também mereceriam o nosso respeito e admiração e, que deveriam ser mencionados e não o foram, ( a memória é traiçoeira ) a nossa homenagem e agradecimento!

E depois dos agradecimentos passemos, então, ao programa das festas.
Na véspera do encontro, mal chegados a Lisboa, as honras de anfitrião foram-nos prestadas pelos caríssimos “ colheiteiros “ Hélder e Isaías. Pobre Isaías… que foi retirado de casa, a toque de tambor, pelo Hélder que não se deixou comover com a
“ gripite “ aguda do seu amigo/irmão. Sei que posso falar assim, não é verdade?
Lá fomos, então, os quatro ( a Noémia também ía ) jantar a um restaurante “ cas-tiço “ - En’ clave de seu nome, que ao longo da refeição nos brindou com “ mornas e coladeras “ de Cabo Verde, ao vivo. Aí permanecemos até cerca das 11h30.
No dia seguinte, pelas 13 horas, os “colheiteiros “ e alguns amigos do tempo de Liceu, juntaram-se para o almoço comemorativo nas instalações da Antiga Cooperativa Militar, sita na Rua de S. José, na baixa Lisboeta, nas proximidades do antigo cinema Condes, aos Restauradores.. Belo edifício, com salas e tectos principescamente decorados, lembrando faustos antigos. Enfim, um convite tentador “ à venda de património “. Perdoem a chalaça!
A ementa, como seria de esperar, cumpriu a tradição! Depois dos aperitivos e entradas foi servida, como prato principal, “ galinha de cabidela”. A seguir, houve sobremesas variadas e em abundância. Para terminar a refeição um bom café e bebidas “ digestivas “.
A boa disposição reinou na sala. Trautearam-se os hinos alusivos ao dia e para cumprir a “praxe” não faltaram os discursos por parte da organização e pelo Presidente da Academia, de então.
Tudo esteve muito bem. Até no preço! Parabéns Isaías pela escolha. Após a refeição, lá pelas 17 horas, a malta começou a debandar. O Helder correndo até ao estádio da Luz para ver o “seu” Benfica contra o glorioso F.C. do Porto. E mais não digo para não acicatar os ânimos!!!

Já me ía esquecendo de mencionar que marquei algumas faltas de presença. Isto de nunca podermos estar todos… tem de acabar! Pode ser que , ainda, um dia… Quem sabe!!!
Para compensar foi com muito prazer que registámos a presença da nossa querida professora, para os mais íntimos , “ Lolita”. Que bom! Nem imaginam! Está na mesma. A passagem dos anos quase não a beliscou. Acreditem. Para ela o nosso muito obrigado. Que continue a aparecer, como prometeu.
Um obrigado também às manas Carvalho, Luísa e Ana, que serão sempre muito bem vindas, ao Zé Manuel Chiote, pela disponibilidade extensivo à amiga Natália Aragão que também nos presenteou com a sua presença. Finalmente, um carinho muito ternurento para as mais novinhas do grupo, as filhas da “ colheiteira” Zélia Padrão. Pode ser que o fermento pegue… quem sabe?
O nosso dia continuou bem na companhia dos queridos “colheiteiros” Osório e Maria dos Anjos, com quem tivemos o prazer de jantar e nos “ aturaram “ até `a hora de regresso a casa. Antes, passámos pelo Casino de Lisboa, mas sem grande sorte!
E mais não digo, dado o adiantado da hora e do relato.
A todos os meus agradecimentos e cordiais saudações académicas

Francisco Almeida


N. B. Estiveram presentes aqueles que fui mencionando e ainda:

Teresinha Pires, Lena Pires, Levinda Martins, Manuel Carvalho, António Medeiros, Zé Gomes e as esposas e maridos dos “colheiteiros e colheiteiras “ referidos ( Bibi, Graciela, Mª dos Anjos, Noémia e Penedos ).

Para reflectir…

Que o cardeal-rei dom Henrique
Fique no Inferno muitos anos
Por ter deixado em testamento
Portugal, aos castelhanos

Quadra popular

Isto daria para outras conversas…

By F.A.

terça-feira, dezembro 04, 2007

1º de Dezembro de 2007

Foi um dia em cheio , apesar de ter acabado mal ( com a derrota do meu Benfica), mas foi muito bom reencontrar pessoas que não via há décadas ( manas "Carvalhinhas", um beijinho para vós e obrigado pela v/presença ). Além dos Colheiteiros63 e respectivos cônjuges estiveram também presentes a n/Profª D.Maria das Dores ( Lolita ) que fez um breve discurso muito emocionado , a Natália Aragão e o Chiotte ( quase Colheiteiros63) e as lindas filhas da n/Zélia . Foi pena o Quintas não poder estar presente , um grande abraço para ti.Para o ano há mais ...

sexta-feira, novembro 30, 2007

Migrei...

Pois é!
Migrei do todo poderoso Windows do Bill "portas", para o mundo livre do Linux.
Uso o Mandriva que é amigável, bonito, seguro, estável e gratuito!

Grandes Batalhas da História Universal (12)

INGLATERRA - 1940



Hugh Dowing - Hermann Goering




Adolf Hitler sempre sonhou com a invasão da Inglaterra e o seu posterior domínio. Sob o Alto Comando de Goering, em Julho de 1940, os alemães decidiram iniciar os raides ás ilhas britânicas, para atingirem tal finalidade.
Os alvos predilectos foram as cidades e por maioria da razão a sua capital Londres, esteve sob fogo durante 57 noites consecutivas.
Não obstante os estragos materiais e psicológicos provocados, a defesa a cargo de Dowding, com potentes radares e os seus esquadrôes da RAF ( Royal Air Force ), revelou-se superior e em apenas três meses a Batalha de Inglaterra ficou decidida.

quarta-feira, novembro 28, 2007

Coimbra , Menina e Moça...

Vou-me ausentar uns dias , desta vez para recarregar baterias ,vou-me encontrar com as minhas filhas , com os meus amigos e ver o Benfica-Porto. Para aqueles que não podem ou não querem estar no n/almoço do 1º de Dezembro deixo esta mão cheia de belíssimas músicas de Coimbra que concerteza os fará recordar velhos tempos...

Dicas na Internet

Para os que gostam de saber mais ...

O PODER DA MEMÓRIA

"Os que esquecem o passado estão condenados a repeti-lo" George Santayana

A memória, a falta ou o excesso de memória, motivaram, no sábado, uma intervenção de Mário Bettencourt Resendes, no DN, e uma afirmação da historiadora Irene Flunser Pimentel, na revista Única, do Expresso. No dia seguinte, domingo, também no DN, Mário Soares, em entrevista a João Marcelino e José Fragoso, reverte, igualmente, para a memória histórica. De um modo ou de outro, qualquer deles alude ao silêncio que envolve muitos dos factos determinantes do nosso destino ou que marcaram datas da nossa época. E os três sugerem que essa ausência de memória acaba por ser factor de desumanização. O que Kierkegaard designou de "o passado presente" deixou de constituir a reserva ética da Imprensa. Na sociedade, o exercício de recordação passou a ser um incómodo, para não dizer uma maçada. Na política, o apagamento da memória associa-se à carência de moral e corresponde à estratégia do "pragmatismo", eufemismo inesgotável das traições mais vis.
Irene Flunser Pimentel, autora de A História da PIDE, propõe uma tese, consignada nesta afirmação: "Acho que durante algum tempo, em Portugal, até por razões de pacificação a seguir ao PREC, acabou por cair-se numa espécie de esquecimento, o que fez com que algumas pessoas tivessem excesso de memória por estarem sempre a viver no passado." Há quem saúda os erros com aplausos. Neste caso, creio que a pressa em "pacificar" o País originou amolgadelas na própria recepção do ideal democrático, afinal "servido" por gente que nada tinha a ver com os fundamentos desses ideais.
Em nome dos interesses e das necessidades do momento, o projecto político saído do 25 de Abril morreu 19 meses depois. Os episódios de "reabilitação" que se lhe seguiram comportam muito de abjecto. E não esqueço as responsabilidades incumbentes a jornalistas estipendiados. Encontram-se todos muito bem na vida. Foi num governo do dr. Cavaco que a viúva de Salgueiro Maia viu recusada uma pensão. O mesmo governo atribuiu-a a torcionários da PIDE, por "distintos serviços prestados à pátria". George Steiner: "O irreparável é a coisa dita. Poderemos imaginar que a contradição mereça a absolvição? Nem por um segundo." A prática democrática não é, somente, a procura do justo equilíbrio entre as partes. É, antes de tudo, uma questão ideológica.
Quando Mário Soares repete o que tem vindo a dizer: "Gostaria que o PS se voltasse um bocadinho para a Esquerda", ele sabe, muitíssimo bem, que a viragem é impossível com esta gente. Ela não se nutre na moral, despreza a ética, tripudia sobre a ideologia, está ferida de autoritarismo grosseiro. Sobretudo, não tem memória e combate quem a ilumina.Ter memória e defender o seu património é extremamente perigoso.

O PODER DA MEMÓRIA por Baptista-Bastos escritor e jornalista no DN de hoje

Ora aqui está um artigo que gostava de ter escrito, mas falta-me o engenho e arte , por isso recorro à sua reprodução

terça-feira, novembro 27, 2007

Reflexões 2....

A desmaterialização chegou para ficar, quer seja no âmbito do papel , dos discos , das comunicações , dos livros etc. etc…
Neste sentido hoje lembrei-me dos meus discos em vinil ( poucos e não muito bons ) que jazem num fundo duma prateleira ,firmes e hirtos , como que à espera que alguém se lembre deles!!! Qual quê , hoje existe tudo à distância dum clique , é só pensar numa música , viajar na internet e já está . Penso , logo tenho.
No meu tempo e enquanto residente em Bragança, não tinha nenhum nem conhecia muita música , nem muita gente que os tivesse. Não havia televisão nem rádio na maior parte das casas , e a música que passava era altamente controlada e também não havia outras fontes de informação.
Os discos parece-me que só havia á venda no Sr. Ribeiro da Philips e era tudo daquela música , Madalena Iglésias e Cª.
Depois com o surto dos Beatles , a abertura de novos horizontes e outras janelas de informação lá fui conhecendo outras músicas e outras formas , como os cartuchos , as cassetes os CDs, DVDs e MP3 e 4 …
A mudança tem sido tão rápida que acredito que as próximas gerações nunca saberão o que é um disco de vinil(LP), os cartuchos , as cassetes e até os CDs e com este progressivo desaparecimento ,perde-se o gosto militante pelo objecto físico do disco que caracterizou a minha geração. É por isso que quando olho para eles ( discos) os aprecio muito e de vez em quando ( como é o caso neste momento )ponho-os no velhinho gira-discos a tocar, este é dos Beatles.
É um facto que a massificação da cultura digital está a fulminar o gosto pelos objectos culturais , mas é um sinal inexorável dos tempos das novas tecnologias ….

domingo, novembro 25, 2007

Reflexões...

Em continuação do meu último post sob o título " Razão dum Blogue", tenho-me questionado várias vezes porque é que ninguém da Colheita63(C63) teve qualquer papel relevante fora da sua profissão, na vida da sua cidade natal ou de residência , da sua região ou do seu País, ou seja , porque nunca foram escolhidos para Presidentes de Câmara ou para Deputados.

Mais de 90% frequentaram as Universidades e Academias Militares e a grande maioria , senão a totalidade , concluiu com êxito os seus cursos , foram todos profissionais excelentes.
Com cultura geral acima da média , viveram na ditadura , atravessaram o Maio de 68 , a guerra colonial , o 25 de Abril , o Gonçalvismo e por fim a Democracia. Aliado a isto tudo, uma honestidade geral incólume , amplamente testada e sempre com muito êxito. Que mais era preciso ?
Todos nós em geral e o País em particular tinha ficado muito mais rico e então porque sentistes o Não à v/participação ?

Eu que vos conheço , penso que será porque tendes além daquilo tudo atrás referido, a independência de pensamento que move montanhas e nunca se deixará amarrar....., mas foi pena .

sexta-feira, novembro 23, 2007

CRÓNICA DE SEXTA-FEIRA (40ª)

"Agredir os atletas"

O tema da crónica desta semana pode não interessar às Senhoras leitoras, contudo penso que o desporto-rei, o futebol, está a aliciar as mentes femininas, e, como é a primeira vez que me vou pronunciar sobre a Selecção, estou confiante que as “ladies” se vão interessar com os temas a abordar.
Em primeiro lugar, congratulei-me na quarta-feira pela qualificação para o Euro2008, a realizar-se na Áustria e Suíça, apesar de honestamente vibrar com maior exuberância e tenacidade quando joga o meu Benfica. A grande inovação desta partida foi a estreia do luso-brasileiro Pepe, defesa-central do clube espanhol Real Madrid. Bom, sobre a questão da utilização de mais um brasileiro naturalizado na Selecção, penso que é uma matéria inquestionável na medida em que é legalmente português com os seus respectivos direitos, liberdades e garantias. Aliás, já tive a oportunidade de estudar a Lei da Nacionalidade (LN). O problema estrutural repousa no seguinte pressuposto: se realmente é muito talentoso e dotado de uma competitividade e qualidade intocável, porque é que nunca foi convocado para a Selecção do Brasil? Aliás, já houve defesas-centrais brasileiros, a jogar em Portugal, que já foram convocados para a selecção canarinha. Assim podemos concluir que, as qualidades inerentes ao atleta Luisão, defesa-central do Glorioso, são efectivamente superiores ao do luso-brasileiro. Não é supreendente.
Em segundo lugar, a atitude dos adeptos no Estádio do Dragão, em clara inconformidade com o espírito costumeiro do povo português.
Em terceiro lugar, Scolari redimiu-se do seu comportamento refractário, contudo espero que mo próximo campeonato europeu o nosso seleccionador abandone as suas claras tendências sócratistas: teimosia e irrealismo.
Em suma, no Euro2008 os portugueses vão apoiar os atletas, e o seleccionador não vai “agredir os atletas, vai defender os atletas”.

By Afonso Leitão

Razão para um blogue ...

O nosso 1º de Dezembro ( 1962 ) foi fantástico em todos os aspectos, cada um relembrará os seus à sua maneira e no próximo dia 1 em Lisboa será mais um marco dos ns/Encontros e posso garantir-vos desde já algumas surpresas, que julgo eu , irão ser muito apreciadas.
A razão do blogue :
" Ao fim de muitos anos sem se verem, cada um embrenhado na sua vida profissional e familiar, a Colheita63 encontrou-se e surpreendeu-se ao sentir entre si uma comunhão de sentimentos, uma força aglomeradora que já vinha de longe, de um passado em comum. Algures, há anos e durante alguns anos, as suas vidas tinham-se cruzado e , ainda hoje, esse passado os marcava e , de alguma forma, os unia. Conversaram, querendo absorver o tempo que os tinha separado, lembraram os ausentes e sentiram necessidade de voltar a ver todos. Mais de 41 anos tinham passado em que cada um tinha seguido o seu caminho , tinha crescido e dado frutos".

quinta-feira, novembro 22, 2007

O buraco do ....Ozono - 2

Inverno!
E uma escapadela ao Central para ver os craques no bilhar?!Passear a zero graus!Resguardarmo-nos nas "cavernas" propiciadas pelas montras da Casa das Malhas e outras similares! Acompanhar os progressos nos esquis do Dionísio e seus ensaios nos declives dos lameiros lá para as Cantarias(!) que hoje são cidade. Os pés gelados nas botas batendo contra o empedrado. E em casa a braseira, uma bebida quente, uma alheira ao esticar do braço...

Só coisas boas que a memória selecciona , um luxo a que nos podemos entregar .A neve. O grande nevão que caiu no último ano .As mãos geladas, antes de escaldarem!

O Forte de S.João Baptista de Ajudá e a India abatidos à carga :era inverno cá!

O buraco do ozono onde me levou!...é danado mesmo!


MC disse...

O buraco do ....Ozono

Quem me dera no tempo em que as estações do ano estavam bem definidas no conteúdo e no tempo : Primavera , Verão , Outono e Inverno.
Sempre gostei mais da Primavera , nem frio nem calor , as flores a despontar, a natureza muito mais bonita e o regresso das andorinhas.Depois o Verão calor, muito calor , quem nos safava era o Sabôr. A seguir o Outono , o desfolhar das árvores , o princípio das aulas e por fim o Inverno , frio à fartazana acolitado com o vento agreste da Sanabria e a neve de quem o nosso Niso muito gostava e gosta . (à boa costa grande ...)

Mas o que o eu gostava mesmo no Inverno , era sair de casa à noite para o Flórida debaixo daquela chuva molha -tolos adensada por uma neblina qb. Gostava mesmo...

Agora temos a primavera/verão , estação única que começa para meados de Fevereiro e a presente Outono/Inverno na qual há poucos dias havia dias de praia e agora já muito frio.

O que mais nos irá acontecer...

quarta-feira, novembro 21, 2007

Há 1 ano o que se escrevia...

Cheira mesmo muito a 1º de Dezembro.
É a primeira vez que o recordamos juntos, graças às novas tecnologias e ao elevado espírito Colheita63 que espontâneamente brotou após o nosso 1º encontro em Anadia, passados 43 anos....
Seria espontâneo ou estava adormecido ? Eu acho que estava adormecido e é o corolário daquele ano ter sido um ano excepcional em todos os aspectos . Dávamo-nos quase todos bem , entreajudava-nos muito, não havendo qualquer sinal de concorrência ou inveja e por fim, foi dos poucos anos ou se calhar o único em que ninguém chumbou.
Além disso, mais de 90% concluíram as suas licenciaturas e progrediram nas suas vidas e os que não as frequentaram tiveram êxito nas suas profissões.
Viva o 1º de Dezembro
Viva a Colheita63

terça-feira, novembro 20, 2007

Por qué no te callas ...

Ontem à noite na RTP1 passou o programa prós e contras baseado quase a 100% na dissecação da célebre frase do Rei de Espanha " por qué no te callas".
O que ali se passou de mais significativo para mim foi a breve disputa entre os dois jornalistas espanhóis presentes , quando um deles à falta de mais argumentos acusou o outro de , pelo menos devia mostrar-se espanhol e defender o seu País em vez atacar o seu Rei...
Mas em frases curtas são os espanhóis célebres,pois já o Franco ( faz hoje anos que morreu) quando em Abril de 1974, foi informado da revolução portuguesa e do perigo de aquilo ir demasiado longe, exclamou: "No lo crea, los portugueses son muy cobardes".
Gastar mais palavras para quê.....

segunda-feira, novembro 19, 2007

Grandes Batalhas da História Universal (11)

SARAJEVO - 1995


Alija Izetbegovic - Radovan Karadzic


A Europa descobriu, de forma violenta, que a guerra não era um fenómeno só reservado a outras paragens na última década do século XX.
O triste estatuto de cidade mártir, poderá ser reclamado por Sarajevo, como nenhuma outra das atingidas pela Guerra Civil Jugoslava.
Após a Bósnia-Herzegovina ter declarado unilateralmente, a independência em 1992, Karadzic e os bósnios sérvios, mantiveram durante 3 anos o cerco à sua capital, bombardearam-na com frequência e mantiveram em operações, nas suas principais artérias franco-atiradores, o que tornaram num inferno viver naquelas circunstâncias.
Apesar de todo o sofrimento e atrocidades, os bósnios muçulmanos, dirigidos por Izetbegovic, conseguiram resistir com determinação, mantendo intactos os seus desejos.

Cartões ... 1


A outra é sobre os cartões de crédito/débito :


Somos o País da CE que mais usa os ditos Cartões e o n/endividamento familiar é consequência disso. Em Portugal dá-se ( vende-se ) um cartão de crédito sem qualquer critério creditício , nomeadamente os Cartões Dourados , que são aqueles que têm maior palfond , indo o seu pagamento até prestações mensais de 5% ou menos ( conforme o choradinho ...) mas com juros altíssimos que chegam a rondar os 30% ao ano . Bom negócio , não achais ?

Na minha opinião o critério devia ser mais apertado e na grande maioria das situações um Cartão Visa de Débito chega perfeitamente para quem quer e deseja gerir o seu orçamento familiar com parcimónia.
Assim não vamos a lado nenhum e não sairemos da cêpa torta ...

Cartões...


Duas notícias da semana passada sobre cartões , chamaram a minha atenção :

Uma anunciando o fim do Cartão de Eleitor e que a partir das próximas eleições, em 2009, o novo sistema já deverá estar em vigor, bastando apenas a apresentação do BI mas só no local da sua residência. O objectivo é implementar o recenseamento automático quando os cidadãos completam 18 anos de idade e a par desta alteração ser criado o «voto em mobilidade» (voto electrónico) que permitirá aos eleitores exercer o seu direito de voto em qualquer mesa de voto do país.

Não irão faltar os “Velhos do Restelo” ou os “Auto Intitulados Detentores de Toda a Seriedade” deitar já abaixo a ideia , senão vejamos :

Os portugueses são muito ingénuos! Querem poder votar onde estiverem a passar férias, não é? Não querem ir à terrinha votar, não é? Pois com o voto electrónico a democracia acabou , meus amigos. ACABOU! Ninguém vai poder escrutinar o voto electrónico como se escrutina um voto em papel. Querem saber uma coisa muito gira? Isto é só para verem como o voto em papel tem deficiências - e o voto electrónico então... Vários amigos meus ligados a partidos fazem questão em insistir comigo por altura das eleições e dizem-me sempre: NUNCA VOTES EM BRANCO! E porquê? Porque um boletim em branco pode sempre ser aproveitado para alguém lá pôr uma cruz! Estes casos já aconteceram. Nunca votem em branco. Votem num partido ou votem nulo, nunca em branco!!!

Este é o n/retrato em tudo e assim não vamos a lado nenhum…


Continua com a outra notícia...

domingo, novembro 18, 2007

Allassores...

O nosso colheiteiro que esteve nos ALLSSORES, não contou tudo.
Não mandou este vídeo, que de facto é imperdível.
É o chamado english pimba, que os súbditos de Sua Majestade por muito dotados que sejam para a música (vide Beatles, etc.,etc.,etc., ...) não conseguem fazer nem que os façam "sares"!!!
By Jorge Tomé

sábado, novembro 17, 2007

Chorus Auris de Ourém

(Devido às más condições de audição retiro esta actuação e fico a aguardar que a Rosa dos Ventos me envie o vídeo ...)

sexta-feira, novembro 16, 2007

Nem mais!

Vale a pena ler todo o post, que põe no devido lugar a pseudocoragem do rei espanhol no episódio chileno do Alberto João venezuelano:www.ruitavares.weblog.com.pt

Chávez chama “fascista” a Aznar (...) de forma repetitiva e sem a mínima consideração pelo significado das palavras. Reagindo a isso, Zapatero pediu respeito pelo seu antecessor e pelo povo que o elegeu. Mas foi talvez outra coisa que fez dele, naquele momento, um campeão da democracia: ter exigido respeito pelas palavras, que são os alicerces do debate honesto. Aznar não é um “fascista”. Nem a um adversário se devem distorcer as palavras. “Fascista” não significa dirigente eleito de que Chávez não goste, tal como “ditador” não significa dirigente eleito de que Helena Matos(v. Público) não gosta. Leio a resposta de Zapatero assim: sobretudo a um adversário não se devem distorcer as palavras.

Juan Carlos não discursou defendendo a democracia ou as liberdades. Limitou-se a mandar calar. Eu, que antes de ser de esquerda sou anti-autoritário, sinto-me distante de quem manda calar e não entro em êxtase quando vejo alguém mandar calar. Nem que toda a gente à minha volta aplauda. Sobretudo quando toda a gente à minha volta aplaude.

Às vezes digo-me até que a grande diferença, antes de ser entre esquerda e direita, é entre quem gosta de deixar falar e quem gosta de mandar calar. Há gente de esquerda que gosta de mandar calar — Chávez é um bom exemplo — e também gente que gosta de ver mandar calar, por interposta pessoa, enquanto é de esquerda ou quando passou a ser de direita. Não estava com eles antes, não estou com eles agora.

Para ser completamente sincero, eu entendo a satisfação de obedecer a um impulso muito humano. Mandar calar é coisa que alivia. E depois? Como visão política, é curto. A realidade não obedece às nossas birras. O populista Chávez ficou justamente diminuído quando Zapatero o acusou de não saber respeitar o povo. Mas lamento dar esta notícia: Chávez não desapareceu por Juan Carlos lhe ter mandado que se calasse.

Tempos de Bibe - Bragança

Falhada a tentativa de manter um colégio em Vinhais, meus pais regressaram a Bragança, e no início do ano lectivo de 53/54 comecei a 2.a classe na escola do Asilo. Asilo-Escola de S. Francisco, assim se chamava a instituição que, naquele tempo, surpreendentemente abria (ou era obrigada a abrir?...) as portas da sua escola primária a meninas não "asiladas". Asiladas...era assim que as pobres meninas pobres eram chamadas por nós, pela professora, pela cidade inteira. Tenho na memória a imagem daqueles rostinhos cinzentos, daqueles vestidinhos pardos, daqueles casaquinhos de fioco, daquelas mãozinhas vermelhas de frio, gretadas de frieiras, que antes de a aula começar já tinham feito as camas, o café, as limpezas, já tinham puxado o brilho à cera nos corredores, na capela, nas camaratas. As freiras da congregação preparavam-nas para serem boas criadas de servir.
Na aula, a D. Pilar, fisicamente um armário, temperamentalmente uma fera (a Blá, que também lá andou, deve-se lembrar), encarregava-se de sublinhar as diferenças ao grito e à reguada. Ainda hoje me interrogo como pude presenciar tanto sofrimento sem sofrer. Crueldade de criança? Defesa contra a dor? Não chego a uma conclusão, mas o que é certo é que nunca me esqueci delas. E dos saraus que faziam, um ou dois por ano, em que recitavam, dançavam, cantavam temas doloridos de pobreza, abandono e redenção. Que destino terá sido o dessas mulheres "que nunca foram meninas"?
Para chegar à escola, atravessava a cidade - do fundo do Tombeirinho quase até S. Sebastião - e tinha frequentemente a "companhia" indesejada dos rapazinhos da Escola de S. Sebastião. Eram infernais e eu odiava-os! Metiam-se comigo, tentavam passar-me rasteiras, puxavam-me as tranças. Meninos colheiteiros, explicai-me porque é que os rapazes eram (são...) tão brutinhos. Quero mesmo entender porque faziam aquelas patifarias?! O que me valia era a pontaria a atirar pedras, e a fazer girar a pasta dos livros até dar na cabeça do "meliante" mais à mão (uma vez até parti a pedra!)...
Havia dois que não me faziam mal: o Pássaro e o Baptista (filho dos donos da Pensão Cepeda). Talvez por serem meus vizinhos. Mas eu detestava-os na mesma: ficavam de longe a olhar para mim, a falar e a sorrir com um ar escarninho. Que raiva!!! Que diabo estariam aqueles a comentar?! A fazer troça, de certeza. Menina sofre!
(continua...eventualmente)

Tempos de Bibe - Vinhais



A Escola da n/Teresinha das tranças , quando estava em Vinhais..

By Jorge Tomé