A interactividade da Colheita63 em movimento contínuo para todo o Mundo e especialmente para Lisboa , Tomar , Monte Estoril , Linda-a-Velha , Setúbal , Coimbra , Porto , VNGaia , Braga , VNFamalicão , Santo Tirso , Afife , Vila Real , Vinhais , Bragança , Castelo Branco , Seia , Vendas Novas , Varsenare e Aveiro

quarta-feira, outubro 29, 2008

Esta brinca com a justiça e goza com todos nós!

Mulher do sargento alega não saber das ordens judiciais

Acusada de sequestrar Esmeralda, mulher de Luís Gomes, diz ter sabido do julgamento do marido quando ele foi preso

HELENA SILVA

Terá sido o sargento a omitir-lhe informação para lhe evitar sofrimento. Foi o que alegou Adelina Lagarto, esta terça-feira, no Tribunal de Torres Novas, onde começou a ser julgada por sequestro e subtracção da menor Esmeralda.

A mulher do sargento Luís Gomes contou, perante o colectivo de juízes, nunca ter sido notificada de qualquer decisão judicial e, por isso, desconhecia que tinha que entregar a menina ao pai, Baltazar Nunes, a quem foi confiada a guarda em Julho de 2004.

2 comentários:

Teresa disse...

Palavra que não entendo tanta indignação com este caso. Até parece que a mulher é traficante de crianças e lhe dá gozo brincar com a justiça...Olho à minha volta, e vejo coisas bem piores do que dispor-se a criar e a amar uma menina em claro risco, como ele era com poucos meses.
Se nos achamos com direito a julgar pelas aparências, então que diremos de um pai que aparece só depois de citado pelo tribunal, reivindicando depois aquilo que acha que lhe pertence só por ser ele o dono do espermatozóide! Grande amor deve ser o dele...

mc disse...

Salvo melhor opinião, isto é já uma excrescência lateral em jeito de sequela menor do que define a situação - tanto "de facto" como "de lege".